Goiás – Inflação de 2018 fecha em 5% em Goiânia

Segundo o Instituto Mauro Borges, feijão carioca, batata inglesa, cebola e banana prata foram os alimentos que mais registraram variação no ano passado.

O ano de 2018 fechou com a inflação acumulada em 5,05% em Goiânia. O número corresponde a 1,65% a mais que 2017, quando foi registrado 3,40% no valor dos produtos. O grupo dos alimentos foi o principal responsável pela variação apresentada, já que ficaram em alta durante quatro meses do ano passado.

De acordo com o economista Marcelo Eurico de Sousa, do Instituto Mauro Borges (IMB), as hortaliças, as raízes e os tubérculos são os alimentos que elevaram significativamente a inflação deste grupo. O feijão carioca (25,07%), a batata inglesa (25%), a cebola (25,95%) e a banana prata (24,63%) foram os produtos que mais registraram variação no preço. “O motivo da alta desses produtos foram os fatores climáticos, que prejudicaram a safra”, afirma. A refeição fora de casa também encareceu, alcançando a taxa de 0,81% a mais no preço do peso do almoço.

Além dos alimentos, o relatório do Instituto aponta outros grupos que apresentaram resultado positivo no último ano, que foram a comunicação (5,79%), vestuário (1,075%), a saúde e cuidados pessoais (0,68%) e os artigos residenciais (1,01%).

Educação (-0,37%), despesas pessoais (-0,28%), transportes ( -0,73%) e habitação (-0,68%) tiveram variação negativa em dezembro. Os itens que mais tiveram queda nos preços foram uniforme escolar (-4,84%), ginástica (-2,04%), gasolina comum (-4,22%) e energia elétrica (-4,60%). ​

Segundo Marcelo, neste início de 2019 o consumidor ainda deve sentir no bolso os efeitos da inflação do ano passado, principalmente na hora da compra dos materiais escolares. Ele destaca também os impactos que podem ocorrer no grupo dos transportes, como, por exemplo, o ajuste da tarifa do transporte coletivo e o aumento do valor do etanol.

Quanto às perspectivas econômicas para 2019, o economista alerta: “O que está em alta, deve continuar”, afirma.