Quem é a pessoa mais rica do mundo?

Jeff Bezos é o homem mais rico da história recente com fortuna de 152 mil milhões de dólares.

O fundador da Amazon tem uma fortuna avaliada em 152 mil milhões de dólares, mais 57 mil milhões do que Bill Gates, 2º do ranking da Bloomberg. É o homem mais rico desde pelo menos 1982.

Jeff Bezos é o homem mais rico da história recente. De acordo com o ranking dos multimilionários da Bloomberg, o dono da Amazon, de 54 anos, tem uma fortuna avaliada em 152 mil milhões de dólares (cerca de 131 mil milhões de euros), mais do que toda a riqueza gerada em Angola em 2017, cujo PIB atingiu os 124 mil milhões de dólares.

Esta lista das pessoas mais ricas do mundo é atualizada diariamente pela Bloomberg. A fortuna do norte-americano, que tem mais 57 mil milhões de dólares do que o número dois da lista, Bill Gates (95.3 mil milhões de dólares, cerca de 83 mil milhões de euros), duplicou nos últimos dois anos graças ao crescimento das ações da Amazon, lê-se na CNBC.

Desde 1982, ano em que a Forbes criou o ranking das pessoas mais ricas do mundo, que não há registo de alguém ter atingido a marca de Bezos, refere a Bloomberg. O que chegou mais perto foi precisamente Bill Gates, em 1999, e a fortuna que alcançou nessa altura valeria atualmente 149 mil milhões de dólares (cerca de 128 mil milhões de euros). Bezos, que também é proprietário da cadeia de supermercados Whole Foods e do jornal Washington Post, já tinha ultrapassado a marca dos 100 mil milhões de dólares no ano passado.

Confira a lista dos 10 mais ricos do mundo (valores de 18/07/2018). A mulher mais rica aparece em 11.º lugar: é Françoise Bettencourt Meyers, herdeira do império L’Oréal, cuja fortuna está avaliada em 49.2 mil milhões de dólares (cerca de 42 mil milhões de euros).

Lista dos 10 mais ricos (valores de 18/07/2018):

  1. Jeff Bezos (dono da Amazon e do Washington Post): 152 mil milhões de dólares — 131 mil milhões de euros;
  2. Bill Gates (co-fundador da Microsoft): 95.3 mil milhões de dólares — 83 mil milhões de euros;
  3. Mark Zuckerberg (fundador e CEO do Facebook): 83.8 mil milhões de dólares — 72 mil milhões de euros;
  4. Warren Buffett (CEO da Berkshire Hathaway): 79.2 mil milhões de dólares — 68 mil milhões de euros;
  5. Bernard Arnault (CEO da LVMH): 75 mil milhões de dólares — 64 mil milhões de euros;;
  6. Amancio Ortega (presidente e fundador da Inditex): 74.9 mil milhões de dólares — 64 mil milhões de euros;
  7. Carlos Slim (presidente da América Móvil): 62.7 mil milhões de dólares — 54 mil milhões de euros;
  8. Larry Page (co-fundador da Google): 58.4 mil milhões de dólares — 50 mil milhões de euros;
  9. Sergey Brin (co-fundador da Google): 56.9 mil milhões de dólares — 49 mil milhões de euros;
  10. Larry Ellison (co-fundador e diretor da Oracle Corporation): 55.2 mil milhões de dólares — 47 mil milhões de euros;.
Fonte:Observador
Link: https://observador.pt/2018/07/18/jeff-bezos-e-o-homem-mais-rico-da-historia-recente-com-fortuna-de-152-mil-milhoes-de-dolares/

Problemas no Facebook durante a política? Seus problemas acabaram!

Muitas pessoas atualmente tem-se deparado com um problema sério no que ser refere às suas amizades no Facebook  rede social muito popular pelo mundo).

Na época de campanhas eleitorais então, este problema tem se agravado porque as pessoas perderam a educação, a classe e de quebra, o equilíbrio mental.

 Teu Facebook é teu castelo e você tem o direito de postar nele o que você quiser. Conheço pessoas que nunca comentam em perfis alheios, mas sempre são acometidas por algum comentário “sem noção’ de alguém intolerante.

Para que você possa emitir a tua opinião, sem precisa desfazer tua amizade virtual, vão aqui algumas dica preciosas:

01 – Como bloquear comentários na postagem?

Para desativar os comentários na sua própria publicação ou em uma publicação em um grupo que você administra ou modera siga:
  1. Encontre o post que você deseja desativar os comentários.
  2. Clique no menu de três pontos;
  3. Em seguida, selecione “desativar comentários” (ou o contrário).

02 – Como desativar publicações de outras pessoas no teu perfil?

Para ativar ou desativar publicações de outras pessoas:
  1. Clique em Configurações na parte superior da Página.
  2. Em Geral, clique em Publicações do visitante.
  3. Clique para escolher entre as opções Permitir que os visitantes da Página enviem publicações e Desativar publicações de outras pessoas na Página.

03 – Como bloquear comentários de uma pessoa especificamente?

Para isso, basta definir quem pode visualizar o seu “post”. Na prática, sempre que publicar algo clique no botão de “Público” e seleccione a opção “Personalizado”. No campo “Não partilhar isto com:” adicione o nome do amigo (ou lista de amigos) do qual irá ocultar as suas publicações.
Lembrando que nesta opção de bloquear apenas uma ou algumas pessoas para que não vejam tua publicação, a publicação tem que estar no modo “Somente amigos”.

Espero ter ajudado para que você continue tendo um bom relacionamento interpessoal com todos os teus amigos virtuais.

Abraços!

Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas
Economista

Eleições têm atrasado contratações no mercado de trabalho

*O Estadão

Apesar de uma projeção de mais vagas para trabalhadores temporários este ano, as contratações estão atrasadas em relação ao ano passado. “Há uma expectativa melhor, mas ainda em compasso de espera”, diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Segundo ela, as empresas pretendem fazer a maior parte das admissões a partir de novembro porque só no mês que vem se saberá quem será o próximo presidente. E esse é um dado importante nas projeções de vendas de Natal.

Neste ano, quase dois terços das vagas temporárias são para pessoas com 18 a 34 anos, de acordo com pesquisa feita pelo SPC Brasil e pela CNDL (Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas) com 1.168 empresas, entre o final de agosto e a primeira semana de setembro. A idade média é de 28 anos.

“O desemprego é maior entre os mais jovens e há oportunidade para eles resolverem esse problema, nem que seja por um curto período”, diz Marcela.

A pesquisa mostra também que 28% dos empresários pretendem efetivar ao menos um temporário. Não é alta, mas a chance de efetivação existe, ressalta a economista.

A expectativa de aumento no número de vagas de temporários para o final de ano é confirmada pela agência de empregos Luandre, uma das maiores do setor. De acordo com a agência, a oferta de vagas temporárias deve crescer 30% este ano.

Parte dessas contratações já ocorreram na indústria entre agosto e este mês, puxada pela produção de alimentos. Em seguida está o varejo, interessado em admitir a partir de novembro estoquistas, vendedores e operadores de caixa para atender o movimento maior de fim de ano.

Intenção

Marcela, do SPC Brasil, observa que não só o total de vagas é um pouco maior neste ano, mas também a intenção dos empresários é mais positiva. No ano passado, quando foi feita a pesquisa, 82% dos entrevistados disseram que não tinham contratado e que não pretendiam contratar.

Agora essa marca recuou para 72%. Também a fatia daqueles que não tinham contratado temporários, mas planejavam admitir quase dobrou no último ano, passou de 6% para 14%.

Link: https://noticias.r7.com/economia/eleicoes-tem-atrasado-contratacoes-no-mercado-de-trabalho-15102018https://noticias.r7.com/economia/eleicoes-tem-atrasado-contratacoes-no-mercado-de-trabalho-15102018

Os empregos que morrem e os empregos que nascem no mercado de identidades

*Artigo de Márcio dos Anjos

O apocalipse do emprego é profecia recorrente na era digital. Da última vez que vi, 2030 seria o ano do bilhete azul planetário, segundo estudo que o Fórum Econômico de Davos levou muito a sério. Nele, estipulava-se que robôs tomariam “400 milhões a 800 milhões de empregos”, o que dá, no mínimo, uma bela margem de erro: pode haver desemprego cibernético.

Para o Brasil, o mesmo estudo cravou cerca de 15,7 milhões de desempregos gerados, sem especificar aí se já incluem aqueles produzidos por anos de barbeiragens na economia.

Não me impressiono porque sei que o Brasil é um resiliente museu do trabalho. O ano de 2018 terminará com 6% dos servidores da administração federal em cargos que só agora foram tidos como obsoletos, tais como datilógrafos e operadores de caldeira. No Congresso há 74 ascensoristas subindo e descendo ao custo de R$ 5 milhões anuais. Cobradores de ônibus, que já sumiram do panorama europeu há anos, veem suas recontratações ser periodicamente debatidas no Rio; enquanto isso, em Berlim, um misantropo pode se deslocar tranquilamente por quilômetros de metrô sem lidar com seres humanos para comprar sua passagem. Caso queira abastecer seu carro, um português opera a bomba sozinho, sem qualquer temor. O brasileiro, por sua vez, tem quatro frentistas por posto defendidos por lei, junto com o direito de os pneus calibrarem em troca de alguns reais – fator decisivo no caráter privilegiófilo da nação.

Foi-se o tempo em que bocejávamos ao ler sobre o êxodo dos trabalhadores substituídos por máquinas agrícolas, saciados com a ideia de que a marcha da história vinha em nossa direção. Agora, a revolução se dá na urbe. Dos garçons aos tradutores e personal trainers, a realidade passa o rodo sem romantismos, prometendo futuro apenas a engenheiros ambientais, gestores de RH e produtividadeiros em geral.

Mas há o cansaço, e o cansaço é de humanas. Assim como a economia verde impulsionará a roda na direção contrária do aquecimento global, é provável que boa parte da humanidade queira pagar para recuperar os modos de vida que a modernidade nos tomou. Foi assim com a venda de comida em trailers e com o rótulo de “artesanal”. Aos poucos, a mídia começa a detectar nos millennials certo gosto pela alfaiataria – o que indica que isso ocorre há pelo menos dois anos.

Ter roupas sob medida é parte nostálgica de um mercado das identidades que tem muito a crescer, impulsionado pelo protagonismo em redes sociais, pelo identitarismo e pela indecisão que muitos têm sobre o que fazer com a própria vida. Depois da onda dos coaches, um interesse cada vez maior a respeito das origens e da construção da própria imagem deverá popularizar testes de herança genética de sites como MyHeritage e AncestryDNA, braços de uma indústria que projeta para 2020 um valor de mercado de R$ 39 bilhões, segundo o Guardian. Seus resultados são dúbios, por vezes frustrantes, e sua coleta de material suscita questões sobre privacidade biogenética, mas a busca por excepcionalidades de nascença liga pouco para isso. Obviamente, também se fazem libras organizando viagens para revisitar essas raízes vagas, seja no Leste Europeu, seja na África.

Esse público exigirá conversas de perfil empático, de “gente como a gente”, sobre a História prêt-à-porter que o cliente queira ouvir, conhecedor daquele bistrozinho tribal que transformará aquela noite num jardim das delícias artesanais, adaptadas ao paladar de quem paga. A autenticidade sempre pode ser negociada, desde que a narrativa seja reconfortante, e o atendimento atencioso. Guia de viagem? Não. Roteirista da vida dos outros.

Fonte: Época
Link: https://epoca.globo.com/os-empregos-que-morrem-os-empregos-que-nascem-no-mercado-de-identidades-22980795#ixzz5UI5qkkw7

Linda Ação Social na UPA Geraldo Magela Padeiro

Na tarde do dia 16 de outubro de 2018, uma TV LED foi doada à brinquedoteca da UPA Geraldo Magela Padeiro no Parque Flamboyant em Aparecida de Goiânia.

A TV foi recebida om alegria pelos diretores da unidade: Caroline Almeida (Diretora Geral) e Luciano Silva (Diretor Administrativo), sendo a terceira TV doada à unidade que em Junho sofreu um furto, onde foram levados aparelhos de TV usados na unidade pelas crianças.

Sensibilizados com a falta da aparelhagem, a família do falecido vereador de Aparecida de Goiânia, Geraldo Magela Padeiro, cuja UPA leva o nome, entraram em contato com alguns parceiros que imediatamente doaram os equipamentos.

Maione Padeiro, filho do saudoso Vereador, foi quem ajudou a conseguir e entregar a TV.

10 características mais comuns em chefes ruins

A maioria dos funcionários já teve o desprazer de trabalhar para alguém de quem não gosta. Muita gente acredita que essa é uma característica que faz parte da função de quem está no comando, mas a verdade é que alguns chefes parecem ter um talento especial para irritar seus subordinados.

Como uma recente pesquisa do site de busca de empregos “Glassdoor” revelou, a característica negativa dos chefes mais citada pelos funcionários é o desrespeito. Ter atitudes negativas aparece em 2° lugar, apontada por 34% dos empregados que participaram da pesquisa. Na sequência apareceram os líderes preguiçosos, indicados por 23% dos entrevistados.

O levantamento foi realizado com 2.000 adultos na Grã-Bretanha, entre os meses de março e abril de 2017.

Veja abaixo quais são:

01 – Desrespeito 43%
02 – Ter atitudes negativas 34%
03 – Preguiça 23%
04 – Falar sobre si mesmo 16%
05 – Humor inapropriado 10%
06 – Chegar atrasado 10%
07 – Ir embora sempre mais cedo 10%
08 – Xingar 8%
09 – Falar alto ao telefone 8%
10 – Fazer comentários sexistas 7%

Fonte: Forbes
Link: https://forbes.uol.com.br/fotos/2017/06/10-caracteristicas-mais-comuns-em-chefes-ruins/#foto10

4 Tipos de funcionários que dão problema – E como lidar com eles

Por mais que uma empresa se esmere para selecionar bons funcionários, a dinâmica de trabalho acaba revelando que nem todos se ajustam bem a sua engrenagem.

Com o tempo, a insatisfação com o trabalho ou a incompatibilidade de gênios aflora, e alguns membros da equipe acabam virando um problema para seus gestores.Se esses problemas forem ignorados, podem piorar. Por isso, é preciso agir logo para evitar grandes danos ao clima da equipe, alerta a advogada Lisa Guerin em um artigo publicado no site da revista Entrepreneur.

Ela identifica quatro tipos de funcionário que causam dores de cabeça e, com a ajuda de empresários que já lidaram com eles, dá conselhos para evitar que o mau comportamente prejudique o desempenho nos negócios.

1. O rei da gírias
A empresária Bibby Gignilliat, 51, do bufê e escola Parties That Cook (EUA), estava animada com as habilidades de uma funcionária recém-contratada – até que ela abriu a boca. “Tudo para ela era ‘irado’, e todas as suas frases eram pontuadas com ‘tipo’”, explica Gignilliat. Esse péssimo hábito linguístico persistiu mesmo após algumas sessões de aconselhamento. E começou a deixar uma má impressão nos clientes, especialmente os corporativos.

Solução: antes de contratar um funcionário que deve atuar com atendimento a clientes, teste-o por três meses para saber se sua comunicação com eles é adequada aos parâmetros da empresa. Gignilliat, por exemplo, adotou uma política de “estágio” para avaliar os candidatos antes de contratá-los em definitivo.

2. O desaparecido
Alguns meses após oferecer uma licença para uma funcionária se recuperar de um acidente de carro, o empresário Eric Zuckerman notou que ela estava chegando atrasada, saindo mais cedo e até dando umas escapadas na hora do almoço. Mesmo após algumas conversas para se acertar com ela, o problema não foi resolvido – e ele teve de demiti-la.

Solução: falta de compromisso com horários muitas vezes é o primeiro indício de que um funcionário está com problemas em casa ou insatisfeito com o trabalho. Por isso é fundamental chamá-lo para uma conversa e ouvir qual é seu problema – pode ser uma fase de transição, como um divórcio ou doença de um familiar.

Mas, se a questão for o desgosto com o emprego, discuta com ele em que pontos sua função pode ser melhorada ou, em casos extremos, se esse é o trabalho ideal para ele. Lembre-se de que a disciplina com horários só pode ser exigida da equipe se a empresa tiver uma política clara sobre a jornada de trabalho.

3. O rebelde
Randy Cohen, dono da TicketCity, conta que tinha um vendedor brilhante, mas que achava que seu talento o dispensava de seguir as regras da empresa. Por isso, todo dia o empresário tinha de chamar a atenção do jovem e corrigir seu comportamento. Antes disso, ele já havia encontrado problemas com funcionários que dirigiam veículos da empresa em alta velocidade e que haviam sido flagrados bebendo durante o expediente.

Solução: Cohen adotou a política de demitir sem mais delongas os membros da equipe que não querem seguir as regras da empresa. Negligenciar o mau comportamento pode trazer sérios problemas para a companhia, que terá de responder por um acidente de carro causado por negligência de um funcionário enquanto ele está em serviço, por exemplo. Por isso é preciso impor disciplina e investigar a ocorrência de comportamentos de risco assim que eles acontecerem.

4. O língua de trapo
Funcionários que adoram falar mal da empresa e de seus chefes para os colegas de trabalho – e até para clientes – acabam minando o clima na empresa. Randy Cohen descobriu um funcionário que fazia isso. Ele foi demitido, e Cohen diz que não voltará a ser tão tolerante com quem quer azedar as relações no trabalho. “Uma pessoa assim destrói a moral da empresa”, afirma.

Solução: ter uma franca discussão com o funcionário que envenena o clima. Mas nada de focar em características pessoais – acusando a pessoa de ser irresponsável e negativa, por exemplo. É preciso dizer qual é o problema, por que a atitude do funcionário precisa mudar e oferecer opções para ele resolver o que o incomoda.

Fonte: PEGN
Link: https://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/Gestao-de-Pessoas/noticia/2014/07/4-tipos-de-funcionario-que-dao-problema-e-como-lidar-com-eles.html

Aneel aprova reajuste de tarifa a consumidores de GO e interior de SP

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (16) reajuste tarifário para os consumidores de Goiás e do interior de São Paulo. Para os primeiros, o aumento passará a ser cobrado a partir do dia 22. Já para os consumidores do interior paulista, os novos valores serão cobrados a partir do dia 23.

A Aneel aprovou a quarta revisão tarifaria periódica da Enel Distribuição Goiás (antiga Celg-D), o que implica um aumento médio de tarifas de 18,54% nas contas de luz. Para os consumidores atendidos na alta-tensão, o efeito médio será de 26,52%; para a baixa tensão, fica em 15,31%, em média. Para os consumidores residenciais, o reajuste será de 15,17%.

A empresa atende a cerca de 3 milhões de unidades consumidoras em 237 municípios de Goiás. De acordo com a agência, os itens que mais impactaram a revisão foram os custos de aquisição de energia, componentes financeiros como risco hidrológico e encargos setoriais. “Nos custos de aquisição de energia, impactou a variação do valor da energia da Usina de Itaipu, que é precificada em dólar”, disse a Aneel.

Interior paulista

A Aneel também aprovou o reajuste de duas distribuidoras do interior paulista: Companhia Piratininga Força e Luz (CPFL Piratininga) e São Paulo Distribuidora de Energia S.A. – EDP SP. A CPFL Piratininga atende a 1,7 milhão de unidades consumidoras e a EDP SP, a 1,8 milhão de unidades consumidoras.

Para a CPFL o efeito médio será de 19,25%, com impacto de 18,69% para os consumidores residenciais. Para os atendidos na alta-tensão, o reajuste será de 20,18% e, para os consumidores em baixa tensão, terá efeito de 18,70%.

A Aneel disse que, no caso da CPFL Piratininga, os itens que mais contribuíram para o reajuste foram os custos de aquisição de energia, componentes financeiros como risco hidrológico e encargos setoriais.

Já para os consumidores da EDP SP, o reajuste médio será de 16,12%. Para os consumidores residenciais, o aumento será de 15,09%. Para os atendidos na baixa tensão, o reajuste será de 15,13%, e para a alta-tensão, será de 17,84%. Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Aneel disse considerar a variação de custos associados à prestação do serviço. No caso da EDP SP, os itens que mais impactaram o reajuste foram os custos de aquisição de energia e encargos setoriais.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-10/aneel-aprova-reajuste-de-tarifa-consumidores-de-go-e-interior-de-sp

Bancos já podem receber boletos vencidos acima de R$100

Os boletos com valor a partir de R$ 100, mesmo vencidos, poderão ser pagos em qualquer banco. A medida entrou em vigor no último sábado (13) e o primeiro dia útil de compensação dos documentos é hoje (15). A medida faz parte da nova plataforma de cobrança da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que começou a ser implementada em julho do ano passado.

Para serem aceitos pela rede bancária, em qualquer canal de atendimento, os dados do boleto precisam estar registrados na plataforma. Segundo a Febraban, os clientes que tiverem boletos não registrados na Nova Plataforma, rejeitados pelos bancos, devem procurar o beneficiário, que é o emissor do boleto, para quitar o débito diretamente.

O novo sistema permite o pagamento em qualquer banco, independentemente do canal de atendimento usado pelo consumidor, inclusive após o vencimento, sem risco de erros nos cálculos de multas e encargos. Além disso, segundo a Febraban, o sistema traz mais segurança para a compensação de boletos, identificando tentativas de fraude, e evita o pagamento, por engano, de algum boleto já pago.

As mudanças estão sendo feitas de forma escalonada, tendo sido iniciadas com a permissão para quitação de boletos acima de R$ 50 mil. Entretanto, em junho deste ano, após dificuldades de clientes para pagar boletos, a Febraban alterou o cronograma.

A previsão inicial era que a partir de 21 de julho deste ano fossem incluídos os boletos com valores a partir de R$ 0,01. A expectativa era de que em 22 de setembro o processo tivesse sido concluído, com a inclusão dos boletos de cartão de crédito e de doações, entre outros. Pelo novo cronograma, os boletos a partir de R$ 0,01 serão incluídos a partir do próximo dia 27 e os boletos de cartões de crédito, doações, entre outros, no dia 10 de novembro de 2018.

Segundo a Febraban, apesar de o sistema passar a processar documentos de menor valor, com volume maior, os bancos não preveem dificuldade na realização dos pagamentos, com base nos testes feitos nas fases anteriores. Com a inclusão e processamento desses boletos no sistema, a Nova Plataforma terá incorporado cerca de 3 bilhões de documentos – aproximadamente 75% do total emitido anualmente no país. Nas próximas fases, serão incorporados 1 bilhão de boletos de pagamento.

A Febraban lembra que a nova plataforma é resultado de uma exigência do Banco Central, com incorporação de dados obrigatórios, como CPF ou CNPJ do emissor, data de vencimento, valor, além do nome e número do CPF ou CNPJ do pagador

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-10/boletos-vencidos-ja-podem-ser-pagos-em-qualquer-banco

Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas registra candidatura a Deputada Federal por Goiás

A Economista Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas, filha da Cidade de Inhumas, foi aceita na convenção do Partido no dia 04/Ago/2018 onde foram indicados os nomes para a composição da chapa.

Ela registrou a candidatura para Deputada Federal por Goiás essa semana quando assinou toda a documentação necessária.

Muitas pessoas acompanharam todo o processo com grande alegria e declaração apoio a esta candidatura.

Continue lendo Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas registra candidatura a Deputada Federal por Goiás

PTC pretende lançar Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas para Deputada Federal

O Partido Trabalhista Cristão pretende lançar a economista Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas para Deputada Federal por Goias.

A economista é natural de Inhumas, cidade próxima à capital do Estado. Vem de uma família de empreendedores. Seu avô, Athayde Peixoto de Freitas foi um dos maiores construtores e colaboradores para o desenvolvimento da cidade. Inclusive, o primeiro Distrito Industrial da cidade levou o nome de seu avô, Athayde Peixoto de Freitas.

O PTC resolveu cogitar a economista como candidata devido ao destaque da mesma na área do empreendedorismo, nome novo na politica, boa aceitação e com histórico familiar tradicionalmente forte na luta pelo desenvolvimento econômico.

Ela é economista, professora universitária, com excelente grau de capacitação, consultora empresarial e escritora (dentre outros predicados de grande relevância).

O PTC espera lançar nomes de força e destaque, como o de Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas, e com isso revolucionar essa nova política que está a chegar.

Depois de atuação do Banco Central, dólar recua para R$ 3,53

Depois que o Banco Central (BC) intensificou a venda de dólares no mercado futuro, a moeda norte-americana fechou em queda pela primeira vez em dois dias. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (3) vendido a R$ 3,531, com queda de R$ 0,019 (-0,52%).

A divisa oscilou bastante ao longo do dia, alternando momentos de alta e de queda. No fim da manhã, por volta das 12h, encostou em R$ 3,57, mas desacelerou durante a tarde até fechar em pequena queda.

Hoje, o Banco Central começou a atuar no mercado de câmbio acelerando a rolagem (renovação) de contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro, que venceriam em junho. A medida havia sido anunciada na noite de quarta-feira, após a moeda norte-americana fechar no maior nível em quase dois anos.

O desempenho do mercado de câmbio não se estendeu para a Bolsa de Valores. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou esta quinta-feira (3) com queda de 1,49%, aos 83.288 pontos. Esse foi o terceiro recuo seguido do indicador.

Anúncio do Fed

Ontem (2), o Fed manteve os juros básicos da maior economia do planeta em uma faixa entre 1,5% e 1,75% ao ano. Em comunicado, no entanto, a autoridade monetária norte-americana indicou que pode elevar a taxa na próxima reunião, em junho.

O fato de a inflação da maior economia do planeta estar em alta aumenta as possibilidades de que o Fed eleve os juros além do previsto. Taxas mais altas em economias avançadas atraem os investidores internacionais, que retiram o dinheiro de países emergentes, como o Brasil, pressionando para cima a cotação do dólar.

*Com informações da Agência EFE

Fonte: Ag Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/depois-de-atuacao-do-banco-central-dolar-recua-para-r-353

BC nega que cédulas carimbadas percam valor

O Banco Central esclareceu que as cédulas carimbadas com a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os dizeres “Lula livre” não perdem o valor, mas alertou que deverão ser repostas, o que implicará custo para o país.

Nas redes sociais e pelo WhatsApp, circularam diversas imagens de cédulas sendo carimbadas com a mensagem de apoio ao ex-presidente. Alguns vídeos mostram cédulas com mensagens escritas a mão.

Houve comerciantes que se recusaram a receber as notas carimbadas e fixaram avisos perto do caixa.

Mensagens com conteúdo falso foram amplamente divulgadas nas redes sociais. “Banco Central acaba de divulgar que a rede bancária está proibida de receber notas com carimbo ‘Lula Livre’. Se receberem tais notas, os bancos deverão chamar a polícia. O portador estará sujeito ao Artigo 163 do CP [Código Penal]”, dizia uma dessas mensagens, desmentidas pela instituição.

Em nota, o Banco Central (BC) esclareceu que, ao contrário do que foi divulgado, as notas não perdem o valor. “Cédulas com rabiscos, símbolos ou quaisquer marcas estranhas continuam com valor e podem ser trocadas ou depositadas na rede bancária. As notas descaracterizadas apresentadas na rede bancária serão recolhidas ao Banco Central para destruição”, diz o texto. A nota do BC informa ainda que o comércio não é obrigado a aceitar as notas, mas os bancos são.

O BC informa que as notas danificadas podem continuar circulando, porém lembra que a fabricação de novas cédulas e moedas gera custos para o país e que “sua reposição elevará ainda mais esse custo”.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/bc-nega-que-cedulas-carimbadas-percam-valor

Commodities fecham abril em alta

Os preços das commodities, produtos primários com cotação internacional, fecharam abril em alta. O Índice de Commodities Brasil (IC-Br), calculado mensalmente pelo Banco Central (BC), registrou crescimento de 3,99%, em abril comparado a março. No ano, a alta ficou em 3,64% e, em 12 meses, em 12,6%.

O IC-Br é calculado com base na variação em reais dos preços de produtos primários brasileiros negociados no exterior. O BC observa os produtos que são relevantes para a dinâmica dos preços ao consumidor no Brasil.

Em abril, o segmento de energia (petróleo, gás natural e carvão) subiu 9,69%, enquanto o de metais (alumínio, minério de ferro, cobre, estanho, zinco, chumbo, níquel, ouro e prata) teve alta de 5,52%.

No segmento agropecuário (carne de boi, algodão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café, arroz, carne de porco, cacau e suco de laranja), houve alta de 1,72%.

O índice internacional de preços de commodities CRB, calculado pelo Commodity Research Bureau, registrou alta de 3,61% no mês passado, de 6,11%, no ano e de 13,1%, em 12 meses.

Fonte: Ag Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/commodities-fecham-abril-em-alta

Goiás retoma geração de emprego e Aparecida de Goiânia cresce junto

Por Maione Padeiro*

O estado de Goiás vive um ciclo virtuoso de sua economia, dando exemplo pra outros estados brasileiros na geração de emprego e renda. Entre os fatores que explicam a expansão do mercado de trabalho estão a manutenção das políticas de estímulo à economia, com destaque para programas de incentivos fiscais e a política de divulgação das potencialidades do Estado no exterior por meio das missões comerciais.

A união de esforços entre o setor público e privado resultou em prosperidade para o estado de Goiás. O governador José Eliton tem firmado o compromisso em viabilizar a construção de polos industriais, sobretudo em incentivar o empreendedorismo e garantir o crescimento da industrialização e modernização de negócios. O crescimento da indústria e a geração de empregos demostram o aquecimento da economia goiana. É uma prioridade do governo estadual investir em inovação e tecnologia e fortalecer a vocação econômica de Goiás.

Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital, está se consolidando como um dos maiores polos industriais de Goiás e sua vocação econômica para a indústria e comércio está crescendo e gerando empregos. Nos últimos dez anos, o município adquiriu cinco polos industriais e ocupa o terceiro lugar no ranking de maior Produto Interno Bruto (PIB) entre todos os municípios goianos. Com acesso à duas das maiores rodovias do país, BR-153 e BR-060, Aparecida é um polo estratégico de investimentos, em virtude à fácil logística de transporte e ao seu parque industrial, que conecta o município às regiões norte, sul e sudeste do Brasil. Tais fatores, somados aos investimentos em capacitação profissional vem atraindo muitas indústrias de grande porte, como a Pepsico, UPS SCS Logistíca, Merck Sharp, BRFoods, Sallo Confecção, Café Moinho Fino Indústria, Fokus Distribuidora, Tranzilli Expresso e Logística, Luztol Indústria Química, Forte Bom  Colchões, Hipermarcas e viárias outras.

Sendo intermediador entre empresas e trabalhadores de Aparecida de Goiânia, o SINE Municipal oferece em média 3 mil vagas de emprego por semana. Um canal direito junto aos empresários e programas de cursos para qualificação profissional para encaminhar interessados ao mercado de trabalho. Com a instalação de novas indústrias na cidade, o secretário do Trabalho, Emprego e Renda, Adriano Montovani, comemora o crescimento da oferta e procura por vagas de emprego no município. O secretário tem feito um belo trabalho juntamente com toda equipe, no sentido de captar vagas e encaminhar interessados ao mercado de trabalho. A cidade se transforma, gera emprego e a vida da população melhora. Esse e o “Goiás avançado sem parar”

* Maione Padeiro é ex-presidente da ala jovem da associação comercial industrial de Aparecida de Goiânia (ACIAG jovem), Articulista, Comendador da PMGO, Supervisor  do Programa Goiás na Frente região metropolitana e membro do Fórum Jovem de Lideranças Empresariais de Goiás ; email: maionysousa@hotmail.com

Conta de luz: bandeira tarifária mais cara em Maio

Com a entrada no mês de maio, os consumidores sentirão um aumento nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mudou a bandeira tarifária de verde para amarela.

O valor cobrado com a alteração será de R$ 1 a cada 100 kilowatt hora (kWh) consumidos. Segundo a Aneel, a mudança ocorre em razão do final do período chuvoso.

Com o início do período seco, cai o volume de chuva sobre os reservatórios das principais usinas hidrelétricas geradoras do país. Com isso, há a necessidade de se fazer uso da energia produzida pelas usinas termelétricas, que têm maior custo de produção.

Composto pelas cores verde, amarela e vermelha (patamar 1 e 2), o sistema de bandeiras foi criado, de acordo com a Aneel, para sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica.

Com a adoção da bandeira amarela, a Aneel aconselha os consumidores a adotar hábitos que contribuam para a economia de energia, como tomar banhos mais curtos utilizando o chuveiro elétrico, não deixar a porta da geladeira aberta e não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar-condicionado.

Fonte: Ag Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/conta-de-luz-maio-comeca-com-bandeira-tarifaria-mais-cara

Prazo de adesão ao Refis de micro e pequenas empresas começou

A partir de hoje (2), micro e pequenos empresários que estão em dívida com a União podem aderir ao Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Refis). A iniciativa oferece o parcelamento da dívida e descontos de até 90% sobre atrasos, de acordo com a modalidade de adesão.

O prazo para inscrições começou hoje e vai até as 21h do dia 9 de julho, exclusivamente pela internet, no Portal e-CAC PGFN. Para se inscrever basta clicar na opção “Programa Especial de Regularização Tributária – Simples Nacional”, disponível em “adesão ao parcelamento”.

O programa abrange os débitos vencidos até a competência do mês de novembro de 2017 e inscritos em Dívida Ativa da União até a data de adesão ao programa, inclusive aqueles que foram objeto de parcelamentos anteriores ativos ou rescindidos, ou que estão em discussão judicial, mesmo que em fase de execução fiscal ajuizada.

Para aderir ao programa, o contribuinte deverá pagar uma entrada correspondente a 5% do valor total da dívida, que poderá ser dividida em cinco prestações mensais. O montante restante poderá ser quitado em até 175 parcelas. Os juros poderão ter redução de 50% a 90% e as multas de 25% a 70%, de acordo com o número de parcelas.

Valor da parcela não pode ser inferior a R$ 300

Pelas regras do programa, o valor da parcela não poderá ser inferior a R$ 300. Além disso, não são necessárias a garantia e/ou o arrolamento de bens para aderir ao programa.

O projeto, que instituía o programa, chegou a ser vetado pelo presidente Michel Temer, sob o argumento de que feria a Lei de Responsabilidade Fiscal ao não prever a origem dos recursos que cobririam os descontos aplicados a multas e juros com o parcelamento das dívidas. Temer voltou atrás e o Congresso derrubou o veto no mês passado.

O veto foi criticado por pequenas indústrias e organizações que representam o setor. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Refis pode beneficiar cerca de 600 mil empresas, que devem cerca de R$ 20 bilhões à União.

Fonte: Ag Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/prazo-de-adesao-ao-refis-de-micro-e-pequenas-empresas-comeca-hoje

Aumenta preocupação de bancos com risco político e fiscal, diz BC

As instituições financeiras estão mais preocupadas com o cenário político, devido às eleições deste ano, e com os riscos fiscais. É o que mostra pesquisa realizada trimestralmente e divulgada hoje(17) no Relatório de Estabilidade Financeira do Banco Central (BC)

Os riscos fiscais são citados por 56% dos bancos pesquisados, segundo pesquisa do Banco Central – Marcello Casal/Agência Brasil

A pesquisa é feita com 55 instituições financeiras, que representam 92% do sistema financeiro em termos de ativos, envolvendo bancos públicos e privados.

Segundo o relatório, a frequência de citação de fatores relacionados com “inadimplência e recessão” continua apresentando forte redução. Depois de ter caído de 90% em maio de 2017 para 72% em agosto de 2017, a frequência de citação desse risco atingiu 56% em fevereiro de 2018.

“A melhora na percepção é consistente com o processo de recuperação econômica iniciado em 2017, refletido no crescimento do PIB [Produto Interno Bruto, soma de todos os bens e serviços produzidos no país] nesse ano, após dois anos de recessão”, diz o relatório.

Em contraste, acrescenta o BC, a preocupação com riscos políticos continuou sua trajetória de crescimento, e foi o mais citado pelos bancos. “Enquanto esse risco era citado por 44% das instituições em maio de 2017, na última pesquisa foi citado por 64% das instituições, motivado pelas incertezas associadas ao processo eleitoral de 2018”, destaca o BC.

Por sua vez, os riscos fiscais continuam a ser objeto de preocupação das instituições, sendo citado por 56% dos bancos pesquisados. “As instituições financeiras mantiveram os riscos políticos e fiscais como os mais prováveis e com maior impacto no sistema financeiro”, afirma o relatório.

Nos últimos seis meses, houve piora na percepção de fatores de risco advindos do cenário internacional (citados por 51% dos respondentes em fevereiro de 2018, ante 28% em agosto de 2017) e aumento da probabilidade de acontecer.

“Nesse grupo, a principal preocupação se refere ao processo de retirada de estímulos monetários nos Estados Unidos e em outras economias avançadas e suas repercussões no sobrefluxo de capitais e no custo de captação de países emergentes”, explica o relatório. Esse cenário envolve aumento da incerteza, fuga de capitais, alta do dólar e redução da nota de crédito dada por agências de classificação de risco.

Rentabilidade

O relatório do BC também aponta que a rentabilidade dos bancos foi “fortemente beneficiada” pela queda das despesas de provisão (recursos reservados para o caso de inadimplência). Segundo o relatório, o retorno sobre o patrimônio líquido alcançou 13,8% em dezembro de 2017, com aumento de 1,3 pontos percentuais em relação a junho do ano passado.

Apesar do recuo nas provisões, o BC avalia que o nível de provisões permanece adequado ao perfil de risco, tanto para empresas quanto para famílias. “O nível de provisões, quando comparado com a carteira de ativos problemáticos, conservou-se acima de 80% durante todo o ano de 2017, indicando que o sistema financeiro vem mantendo provisionamento em linha com o perfil de risco da carteira de crédito”, diz o BC, no relatório.

Segundo o BC, a redução do risco de crédito às famílias e às micro e pequenas empresas propiciou queda das despesas de provisão, “influenciando de forma relevante o aumento da rentabilidade dos bancos”.

Para 2018, a expectativa é de arrefecimento do movimento de recuperação da rentabilidade. Por um lado, despesas de provisão em contração menor e potencial redução das margens de juros pressionam a rentabilidade para baixo”. Entretanto, há expectativa por “ganhos de eficiência, busca por fontes alternativas de receitas e a retomada do crescimento de crédito”, aponta o relatório.