Arquivo da categoria: NEGÓCIOS / ECONOMIA / MUNDO

Brasil – eSocial passa a valer para empregadores do Simples Nacional

Entra em vigor nesta quinta-feira (10) a obrigatoriedade de adesão ao eSocial para empregadores do Simples Nacional (incluindo MEI), empregadores pessoa física (exceto doméstico), produtor rural PF e entidades sem fins lucrativos.

O eSocial é uma ferramenta que reúne os dados trabalhistas, fiscais, previdenciários das empresas em uma só plataforma. Ele substitui o preenchimento e a entrega de formulários e declarações que até então eram enviados a órgãos diferentes como a Previdência, o Ministério do Trabalho e a Receita Federal.

Nesta primeira fase, os empregadores deverão fazer o cadastro do empregador e tabelas. A segunda fase, que compreende os dados dos trabalhadores e vínculo de emprego, começa em abril para este grupo.

Veja abaixo as fases de entrega ao eSocial para todos os grupos:

  1. Cadastro do empregador e tabelas;
  2. Dados dos trabalhadores e vínculo de emprego;
  3. Folha de Pagamento;
  4. Substituição da guia de contribuições previdenciárias (GFIP);
  5. Substituição da guia para recolhimento do FGTS (GFIP);
  6. Dados de segurança e saúde do trabalhador.

O não envio dentro dos prazos pode gerar atraso nos recolhimentos e penalidades para as empresas.

Fonte: G1
Link: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/01/10/esocial-passa-a-valer-para-empregadores-do-simples-nacional.ghtml

Goiás – Governo Federal não fará empréstimo para pagamento de folha

Agora, a equipe de Caiado busca outro caminho, mas já adianta a necessidade de parcelar o salário de dezembro de 2018.

A secretária da Fazenda do Governo de Goiás, Cristiane Schmidt, disse que o Governo Federal não realiza empréstimos para que os poderes estaduais possam pagar folha de servidores. Segundo ela, essa foi uma resposta obtida em reunião com equipe do Tesouro Nacional na última terça-feira (8) e é uma prerrogativa prevista em Lei.

Cristiane convocou coletiva de imprensa para esta quarta-feira (9) e depois seguiu para Brasília, onde se reuniria com o ministro da Economia, Paulo Guedes. O objetivo, segundo ela, é buscar outra alternativa para Goiás. Ela ainda não sabe qual será a solução.

Apesar de dizer que o caminho ainda está indefinido, Cristiane aponta que os salários só poderão ser pagos por meio do parcelamento. O Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Goiás reafirmou, em coletiva de imprensa após a da secretária, que não aceita o parcelamento dos salários e aguarda nova proposta.

“A ideia é trabalhar de forma responsável. Já estou conversando com os bancos, temos que melhorar a estrutura, para saber como vamos pagar a nossa dívida”, disse Cristiane. As equipes do governador Ronaldo Caiado (DEM) e do presidente Jair Bolsonaro (PSL) se reunirão no dia 14 de janeiro para definir estratégias de recuperação fiscal para Goiás.

O Fórum Estadual de Defesa dos Servidores Públicos de Goiás defende o pagamento da folha e dezembro antes de janeiro. “O governador falou que quer pagar e os servidores querem receber o salário. Nós queremos o pagamento cronológico, ou seja, dezembro antes de janeiro”, afirmou o presidente do Sindipúblico e integrante do fórum, Nylo Sérgio.

Fonte: https://www.emaisgoias.com.br/governo-federal-nao-vai-fazer-emprestimo-para-pagamento-de-folha-diz-secretaria/

Goiás – Inflação de 2018 fecha em 5% em Goiânia

Segundo o Instituto Mauro Borges, feijão carioca, batata inglesa, cebola e banana prata foram os alimentos que mais registraram variação no ano passado.

O ano de 2018 fechou com a inflação acumulada em 5,05% em Goiânia. O número corresponde a 1,65% a mais que 2017, quando foi registrado 3,40% no valor dos produtos. O grupo dos alimentos foi o principal responsável pela variação apresentada, já que ficaram em alta durante quatro meses do ano passado.

De acordo com o economista Marcelo Eurico de Sousa, do Instituto Mauro Borges (IMB), as hortaliças, as raízes e os tubérculos são os alimentos que elevaram significativamente a inflação deste grupo. O feijão carioca (25,07%), a batata inglesa (25%), a cebola (25,95%) e a banana prata (24,63%) foram os produtos que mais registraram variação no preço. “O motivo da alta desses produtos foram os fatores climáticos, que prejudicaram a safra”, afirma. A refeição fora de casa também encareceu, alcançando a taxa de 0,81% a mais no preço do peso do almoço.

Além dos alimentos, o relatório do Instituto aponta outros grupos que apresentaram resultado positivo no último ano, que foram a comunicação (5,79%), vestuário (1,075%), a saúde e cuidados pessoais (0,68%) e os artigos residenciais (1,01%).

Educação (-0,37%), despesas pessoais (-0,28%), transportes ( -0,73%) e habitação (-0,68%) tiveram variação negativa em dezembro. Os itens que mais tiveram queda nos preços foram uniforme escolar (-4,84%), ginástica (-2,04%), gasolina comum (-4,22%) e energia elétrica (-4,60%). ​

Segundo Marcelo, neste início de 2019 o consumidor ainda deve sentir no bolso os efeitos da inflação do ano passado, principalmente na hora da compra dos materiais escolares. Ele destaca também os impactos que podem ocorrer no grupo dos transportes, como, por exemplo, o ajuste da tarifa do transporte coletivo e o aumento do valor do etanol.

Quanto às perspectivas econômicas para 2019, o economista alerta: “O que está em alta, deve continuar”, afirma.

Goiás – Estado libera pagamento de dezembro para 7 órgãos

Segundo a Secretaria da Fazenda, órgãos estão recebendo nesta quinta-feira porque tiveram suas folhas empenhadas no ano passado.

A Secretaria da Fazenda informou, em nota, que nesta quinta-feira (10) serão liberadas as folhas salariais de dezembro do Tribunal de Justiça, Ministério Público, Tribunal de Contas do Estado (TCE), Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), Assembleia Legislativa, Defensoria Estadual e Secretaria da Saúde. O total a ser liberado é de R$ 255 milhões e os servidores já recebem os vencimentos em suas contas bancárias ainda hoje.

Ainda de acordo com a nota, os Poderes e órgãos estão recebendo os vencimentos de dezembro porque suas folhas foram empenhadas no Orçamento Estadual de 2018. “As folhas do Executivo, à exceção da Saúde, não foram empenhadas, o que impede o governo estadual de quitá-las no momento”, diz o texto.

A Secretaria da Fazenda também ressaltou que estuda uma forma de regularizar o pagamento e tem discutido a questão até com a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), órgão do Ministério da Fazenda, para regulamentar o pagamento sem pendência jurídica à nova administração.

Fonte: https://www.emaisgoias.com.br/estado-libera-pagamento-de-dezembro-para-7-orgaos/

Goiás – Campus Trindade e Polo Industrial devem firmar parceria em inovação e oferta de estágio

Com previsão de instalação de 50 empresas ainda em 2019 há a possibilidade de criação de Polo Educacional e foco na qualificação da comunidade local em Trindade

O diretor-geral do IF Goiano – Campus Trindade, professor Júlio Cézar Garcia, foi convidado a visitar na manhã de hoje (09/01) o Polo Industrial do município, localizado no Setor Maria Monteiro. Informações sobre investimentos, obras e a necessidade de qualificação da comunidade local para compor a força de trabalho para as cerca de 50 empresas que devem se instalar no Polo até o final desse ano foram debatidos com o secretário de Indústria, Comércio e Trabalho de Trindade, Alexandre César Batista Freire; a superintendente de Trabalho, Eva Eny Junqueira, e o servidor Cláudio.

De acordo com o diretor-geral, foi levantada a possibilidade de fortalecimento do Polo Industrialde Confecção de Roupas e do Turismo Religioso com um Polo Educacional. Júlio ainda afirmou que há a expectativa de parceria da Indústria local com o Polo de Inovação do IF Goiano, bem como para a criação de campo de estágio para os alunos do Campus Trindade. Na oportunidade, o representante do Campus Trindade agradeceu a parceria e o constante diálogo da Prefeitura de Trindade no desenvolvimento da educação pública no município.

Desenvolvimento

Planejado para atender com educação pública de qualidade cerca de nove municípios, o Campus Trindade atualmente conta com 12 cursos, do ensino médio integrado a cursos técnicos até a pós-graduação. E em seu quarto ano de funcionamento já são ofertados três cursos de superiores: Engenharia Civil, Elétrica e da Computação. As áreas de ensino, pesquisa, extensão e administrativa da unidade federal de educação contribuem para o desenvolvimento da região.

(Texto: Fabrizio Franco, Assessoria de Comunicação do IF Goiano – Campus Trindade)
Fonte: https://bit.ly/2H4ZMXb

6 microfranquias de até R$7 mil para trabalhar em casa

Trabalhar de casa é o desejo de muitos. Uma forma de realizar esse sonho é se tornar um franqueado home-based.

Existem empresas que oferecem a opção de franquia home-office, ou seja, você não precisa de um escritório comercial para ser um franqueado. Se você se interessou por esse modelo, e não pode investir muiito dinheiro, veja seis opções de microfranquias para trabalhar de casa, com investimento de até R$ 7 mil.

Todas as redes estão no Guia de Franquias 2017/2018 de Pequenas Empresas & Grandes Negócios. No total, a edição traz informações sobre mais de 1000 redes. Você pode comprar o Guia nas bancas de todo o Brasil e também fazer seu download no seu tablet. Confira mais informações no aplicativo do Guia de Franquias. Baixe-o aqui.

1. Vilesoft
Fundada em 1986, em Minas Gerais, a Vilesoft é uma empresa que desenvolve software para gestão de empresas de diversos portes e segmentos. Entre eles, indústria, telemarketing e até de saúde.

Para ser um franqueado home-based da empresa, o investimento é de R$ 1,9 mil.

2. Esthetic Green
A Esthetic Green é uma união de loja de dermocosméticos e centro de estética. Entre os produtos vendidos pela empresa, há 12 marcas disponíveis, além de 30 serviços de estética

Você pode ter uma franquia em casa da Esthetic Green investindo R$ 1,9 mil.

3. College Personal English
A rede de escolas de inglês College Personal English foi fundada em 1995, por João Araújo, em Minas Gerais. O foco da escola é o ensino do idioma a universitários e, uma das possibilidades são as aulas online.

Os franqueados também podem aderir ao modelo de franquia online, em que ficam responsáveis pelos contatos comerciais, podendo dar ou não as aulas. Para esse modelo, trabalhando em casa, o investimento é de R$ 2,6 mil.

4. AcquaZero
A AcquaZero foi criada em 2009 pelo empreendedor Marcos Mendes. A proposta da rede de franquias é lavar o carro gastando menos de um copo de água. O segredo da limpeza diferente está em um produto químico desenvolvido pela própria marca.

O investimento inicial necessário para ter uma unidade da AcquaZero é de R$ 5,5 mil.

5. PremiaPão
A PremiaPão é especializada na comercialização de publicidade em sacos de pão. Fundada por jovens empreendedores, a empresa tem, hoje, mais de 200 unidades espalhadas pelo Brasil.

Para ser um franqueado home-based da PremiaPão, é preciso investir R$ 6 mil.

6. CI
Fundada em 1988, por dois empreendedores brasileiros, a CI é uma empresa de intercâmbios. Ela oferece cursos de idiomas em diversos países, intercâmbio de férias para adolescentes, programas de estágio e de trabalho remunerado, mochilões, cursos profissionalizantes, entre outras opções.

Você pode ter uma franquia da CI em sua casa com o investimento de R$ 7 mil.

Fonte: PEGN
Link: https://revistapegn.globo.com/Franquias/noticia/2017/07/6-microfranquias-de-ate-r-7-mil-para-trabalhar-em-casa.html

37 Tendências de negócio que vão bombar! Saia na frente!

Acompanhar e analisar tendências de mercado sempre foi uma prática típica de grandes corporações, principalmente por poderem financiar esses estudos.

Pensando na aplicabilidade e acesso das tendências aos pequenos negócios, o Sebrae/PR lançou o Caderno de Tendências 2018/2019. O material é gratuito e está disponível para download pelo link https://bit.ly/2O9WmS4.

O caderno traz 37 tendências divididas em quatro macro tendências, que são movimentos importantes que devem influenciar o mercado nos próximos anos. São elas: sociedade e economia inteligentes, novos comportamentos de consumo, gestão para o futuro e experiências reais.

De acordo com Maurício Reck, consultor do Sebrae/PR, o caderno é resultado da análise de 14 reports (relatórios, em português), das principais entidades mundiais especializadas em tendências, feita por uma equipe de especialistas do Brasil, Itália, Inglaterra e Portugal.

“A equipe reuniu as informações sobre mudanças no comportamento de consumo no Brasil e no mundo e convergiu para a realidade dos pequenos negócios. Os consumidores estão cada vez mais conscientes e em busca de novas soluções. Quem não ficar atento ao que acontece no mercado, perde em competitividade. O caderno de tendências é um direcionamento para que ele se mantenha competitivo, possa identificar para onde seus clientes estão indo e quem pode ser seus novos clientes”, analisa o consultor.

Macro e micro

De acordo com Reck, macro tendências tratam de mentalidades globais, originadas por novas necessidades de comportamento em comum na sociedade. “Neste caso, essas mentalidades tomam proporção tão grandes que passam a afetar simultaneamente uma vasta gama de setores da indústria e tem um prazo mais longo, de 15 a 30 anos”, explica.

Já as tendências e micro tendências, segundo Reck, são padrões de comportamento e consumo mais específicos, que surgem devido às mentalidades globais das macro tendências. “Por meio dessas manifestações em menor escala, ou em menos setores, pode-se compreender com mais precisão – ou na prática – quais são os tais novos anseios e desejos da sociedade”, avalia o consultor.

Fonte: PEGN
Link: https://revistapegn.globo.com/Banco-de-ideias/noticia/2018/09/37-tendencias-de-negocios-que-vao-bombar-no-proximo-ano-saia-na-frente.html

FMI: investimento público no Brasil foi menor que em países emergentes

O investimento público do Brasil ficou abaixo da média dos países emergentes e da América Latina, nas duas últimas décadas. É o que conclui relatório com avaliação da gestão do investimento público no Brasil, divulgado hoje (30) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

No período de 1995 a 2015, o investimento público no Brasil foi, em média, de 2% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Já os países emergentes registraram 6,4% e os países da América Latina, 5,5%.

Em 2015, o estoque de capital público era de apenas 35% do PIB, em comparação com a média de 92% das economias emergentes e 86% da América Latina.

O relatório ressalta que há uma grande margem para aumento da eficiência do investimento público no Brasil. O hiato de eficiência do Brasil em relação aos países mais eficientes é de 39%. Esse resultado é maior do que a média observada nos demais países emergentes (27%) ou da América Latina (29%).

O documento propõe um plano de ação que recomenda, entre outros pontos, fortalecer a priorização estratégica do investimento público e desenvolver um banco de projetos de alta qualidade; padronizar os procedimentos de avaliação e seleção de projetos; e o aperfeiçoamento das análises e da estrutura dedicada às concessões e parcerias público-privadas.

O relatório é resultado de uma missão do FMI, solicitada pela Secretaria do Tesouro Nacional, realizada ao longo do segundo semestre de 2017. Foram avaliados 15 temas chaves, relacionados às fases de planejamento, alocação de recursos e implementação de projetos.

Fonte: Agencia Brasil

Brasil sediará 11ª Cúpula do Brics em 2019

A 10ª Cúpula do Brics, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, será realizada no Brasil no ano que vem. A confirmação foi anunciada hoje (30) por meio de nota oficial, após reunião do presidente Michel Temer com os líderes do grupo, em Buenos Aires, na Argentina, onde participam da Cúpula do G20.

Paralelamente, Temer e os demais líderes reiteraram a preocupação com a forma como vem ocorrendo a expansão econômica global. Em nota, eles destacaram que há riscos, se o movimento atual for mantido, de ser “menos equilibrada” e de aumento de retração.

“Receamos que os impactos negativos das políticas de normalização de algumas das maiores economias avançadas sejam uma importante fonte da volatilidade experimentada recentemente por economias emergentes.”

O caminho, segundo os líderes do Brics, é o do “diálogo e da coordenação de políticas, no espírito de parceria, no G20 e em outros fóruns, para prevenir que potenciais riscos se espalhem”.

Clima

No comunicado, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul se comprometem a à implementação do Acordo de Paris, incluindo os princípios das responsabilidades comuns, porém, diferenciadas e das respectivas capacidades.

“Instamos os países desenvolvidos a proverem aos países em desenvolvimento apoio financeiro, tecnológico e de capacitação, para aumentar suas capacidades de mitigação e adaptação.”

Terrorismo

A nota, divulgada pelo Itamaraty no começo da tarde, condena os ataques terroristas e todas as manifestações afins. “Condenamos o terrorismo em todas as suas formas e manifestações, independetemente de onde e por quem cometidos.”

O texto apela para o combate às ações terroristas com base em argumento de ordem jurídica internacional. “Instamos todas as nações a adotarem uma abordagem abrangente no combate ao terrorismo, incluindo todos os elementos enumerados na Declaração de Joanesburgo.”

Multilateralismo

Os líderes do Brics defenderam o sistema multilateral de comércio baseado em regras e na intermediação da Organização Mundial do Comércio. “Para assegurar o comércio internacional transparente, não discriminatório, aberto e inclusivo.”

O texto acrescenta que a OMC assegura os países contra eventuais medidas protecionistas e criticaram aqueles que não seguem os acordos firmados.

“O espírito e as regras da OMC são contrários a medidas unilaterais e protecionistas. Instamos todos os membros a se oporem a essas medidas inconsistentes com a OMC, a reafirmarem os compromissos que assumiram e a recuarem de tais medidas de natureza discriminatória e restritiva.”

Porém, destacaram que é necessário buscar aprimoramentos. “Apoiamos o trabalho de melhoria da OMC, com vistas a aumentar sua relevância e eficiência, para enfrentar desafios atuais e futuros.”

“Reafirmamos nosso compromisso de fortalecer nossa comunicação e cooperação e de trabalhar em conjunto e colaborativamente com outros membros para permitir que a OMC acompanhe a evolução dos tempos, promova crescimento inclusivo e a participação de todos os países no comércio internacional e desempenhe um papel relevante na governança econômica global.”

Infraestrutura

Os líderes defenderam a constituição de uma Rede de Proteção Financeira Global forte, com um Fundo Monetário Internacional (FMI) baseado em cotas e com recursos adequados em seu centro. O prazo para as negociações, de acordo com o texto, é entre março e junho de 2019 (primavera na Europa).

“Reafirmamos nosso compromisso com a conclusão da 15ª Revisão Geral de Cotas do FMI, incluindo uma nova fórmula de cotas, para assegurar o fortalecimento da voz das economias emergentes e em desenvolvimento dinâmicas, para refletir suas contribuições relativas à economia mundial, garantindo a proteção dos países de menor desenvolvimento relativo.”

Fonte: Agencia Brasil

Taxa de desemprego cai para 11,7% em outubro, diz IBGE

A taxa de desocupação fechou o trimestre móvel no mês de outubro em 11,7%, caindo 0,6 ponto percentual em relação ao trimestre anterior (maio/julho), quando a taxa foi 12,3% – confirmando que o desemprego continua em queda no país.

Ainda assim, o país fechou o trimestre móvel encerrado em outubro com uma população de 12,4 milhões de pessoas desempregadas, número que, no entanto, registra 4% inferior ao do trimestre encerrado em julho – menos 517 mil pessoas sem emprego.

As informações foram divulgadas hoje (29), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e fazem parte da pesquisa nacional por amostra de domicílio – Pnad Contínua. Em relação ao mesmo trimestre móvel de igual período do ano passado, quando a taxa de desemprego estava em 12,2%, com queda de -0,5 ponto percentual.

Os dados do IBGE indicam que a população ocupada no final de outubro chegava a 92,9 milhões, um aumento de 1,4% (mais 1,2 milhão de pessoas) em relação ao trimestre de maio a julho deste ano; e mais 1,5% (1,4 milhão de pessoas) na comparação com o trimestre de agosto a outubro de 2017.

Segundo a pesquisa, as 12,4 milhões de pessoas que integravam a população desocupada no trimestre móvel encerrado em outubro representava uma queda de 4,0% (menos 517 mil pessoas) frente ao trimestre de maio a julho de 2018. No confronto com igual trimestre de 2017, houve redução de -3,1% (menos 389 mil pessoas).

Taxa de subutilização

Uma análise detalhada da Pnad Contínua mostra que a taxa de subutilização e de pessoas desalentadas contínua apontando relativa estabilidade, o que reforça a tese de que o desemprego vem caindo em decorrência da informalidade.

A taxa de subutilização da força de trabalho, por exemplo, que ficou em 24,1% no trimestre de agosto a outubro, caiu apenas 0,4 ponto percentual em relação ao trimestre anterior, quando estava em 24,5%. Em relação ao mesmo trimestre de 2017, o quadro foi de estabilidade (23,8%).

O mesmo ocorreu em relação à população subutilizada que ficou estável em 27,2 milhões, em comparação ao trimestre de maio a julho deste ano (27,6 milhões). Em relação ao mesmo trimestre de 2017 (26,6 milhões), esse grupo cresceu 2,6% (mais de 696 mil pessoas).

Já o número de pessoas desalentadas fechou o trimestre móvel encerrado em outubro em 4,7 milhões, também ficando estável em relação ao trimestre maio a julho, mas chegando a subir 10,6% em relação ao mesmo trimestre de 2017, quando haviam 4,7 milhões de pessoas nestas condições – 4,3% da força de trabalho.

O número de empregados no setor privado com carteira assinada foi de 32,9 milhões de pessoas, ficando estável em ambas as comparações.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-11/taxa-de-desemprego-cai-117-em-outrubro-diz-ibge

Desemprego é maior entre nordestinos, mulheres e negros, divulga IBGE

A taxa de desocupação no Brasil caiu para 11,9% no terceiro trimestre de 2018, mas chega a 14,4% na Região Nordeste, a 13,8% para a população parda e a 14,6% para a preta – grupos raciais definidos na pesquisa conforme a declaração dos entrevistados. Quando analisado o gênero, as mulheres, com 13,6%, têm uma taxa de desemprego maior que a dos homens, de 10,5%.

Os dados foram divulgados hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa consta na Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnad Contínua Tri). É considerada desocupada a pessoa com mais de 14 anos que procurou emprego e não encontrou.

Quatro estados do Nordeste estão entre os cinco com maior desemprego: Sergipe (17,5%), Alagoas (17,1%), Pernambuco (16,7%) e Bahia (16,2%). Apesar disso, a maior desocupação verificada no terceiro trimestre de 2018 foi no Amapá, onde o percentual chegou a 18,3%.

A Região Sul tem a menor taxa de desocupação do país, com 7,9%, e Santa Catarina é o estado com o menor percentual, de 6,2%. No trimestre anterior, a Região Sul tinha taxa de desocupação de 8,2% e o Nordeste, 14,8%.

Do contingente de 12,5 milhões de pessoas que procuraram emprego e não encontraram, 52,2% eram pardos, 34,7% eram brancos e 12% eram pretos. Tais percentuais diferem da participação de cada um desses grupos na força de trabalho total: pardos (47,9%), brancos (42,5%) e pretos (8,4%).

O IBGE informou ainda que, no terceiro trimestre de 2018, o número de desalentados somou 4,78 milhões de pessoas. O contingente ainda está próximo dos 4,83 milhões contabilizados no segundo trimestre, o maior percentual da série histórica. O IBGE considera desalentado quem está desempregado e desistiu de procurar emprego.

O percentual de pessoas desalentadas chegou a 4,3% e tem sua maior taxa no Maranhão e em Alagoas onde chega a 16,6% e 16%. O Maranhão também tem o menor percentual de trabalhadores com carteira assinada (51,1%).

No terceiro trimestre deste ano, 74,1% dos empregados do setor privado tinham carteira assinada, percentual que ficou estável em relação ao trimestre anterior.

Além de ter a menor taxa de desemprego do país, de 6,2%, Santa Catarina também tem o menor percentual de desalentados, de 0,8%, e o maior percentual de trabalhadores com carteira assinada, de 88,4%.

A taxa de subutilização da força de trabalho no Brasil foi de 24,2%, o que representa 27,3 milhões. Esse número soma quem procurou emprego e não encontrou, quem não procurou, quem procurou e não estava mais disponível para trabalhar e quem trabalha menos de 40 horas por semana e que gostaria de trabalhar mais.

A população ocupada somou 92,6 milhões de pessoas. Esse total tem 67,5% de empregados, 4,8% de empregadores, 25,4% de pessoas que trabalharam por conta própria e 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-11/desemprego-e-maior-entre-nordestinos-mulheres-e-negros-divulga-ibge

Quem é a pessoa mais rica do mundo?

Jeff Bezos é o homem mais rico da história recente com fortuna de 152 mil milhões de dólares.

O fundador da Amazon tem uma fortuna avaliada em 152 mil milhões de dólares, mais 57 mil milhões do que Bill Gates, 2º do ranking da Bloomberg. É o homem mais rico desde pelo menos 1982.

Jeff Bezos é o homem mais rico da história recente. De acordo com o ranking dos multimilionários da Bloomberg, o dono da Amazon, de 54 anos, tem uma fortuna avaliada em 152 mil milhões de dólares (cerca de 131 mil milhões de euros), mais do que toda a riqueza gerada em Angola em 2017, cujo PIB atingiu os 124 mil milhões de dólares.

Esta lista das pessoas mais ricas do mundo é atualizada diariamente pela Bloomberg. A fortuna do norte-americano, que tem mais 57 mil milhões de dólares do que o número dois da lista, Bill Gates (95.3 mil milhões de dólares, cerca de 83 mil milhões de euros), duplicou nos últimos dois anos graças ao crescimento das ações da Amazon, lê-se na CNBC.

Desde 1982, ano em que a Forbes criou o ranking das pessoas mais ricas do mundo, que não há registo de alguém ter atingido a marca de Bezos, refere a Bloomberg. O que chegou mais perto foi precisamente Bill Gates, em 1999, e a fortuna que alcançou nessa altura valeria atualmente 149 mil milhões de dólares (cerca de 128 mil milhões de euros). Bezos, que também é proprietário da cadeia de supermercados Whole Foods e do jornal Washington Post, já tinha ultrapassado a marca dos 100 mil milhões de dólares no ano passado.

Confira a lista dos 10 mais ricos do mundo (valores de 18/07/2018). A mulher mais rica aparece em 11.º lugar: é Françoise Bettencourt Meyers, herdeira do império L’Oréal, cuja fortuna está avaliada em 49.2 mil milhões de dólares (cerca de 42 mil milhões de euros).

Lista dos 10 mais ricos (valores de 18/07/2018):

  1. Jeff Bezos (dono da Amazon e do Washington Post): 152 mil milhões de dólares — 131 mil milhões de euros;
  2. Bill Gates (co-fundador da Microsoft): 95.3 mil milhões de dólares — 83 mil milhões de euros;
  3. Mark Zuckerberg (fundador e CEO do Facebook): 83.8 mil milhões de dólares — 72 mil milhões de euros;
  4. Warren Buffett (CEO da Berkshire Hathaway): 79.2 mil milhões de dólares — 68 mil milhões de euros;
  5. Bernard Arnault (CEO da LVMH): 75 mil milhões de dólares — 64 mil milhões de euros;;
  6. Amancio Ortega (presidente e fundador da Inditex): 74.9 mil milhões de dólares — 64 mil milhões de euros;
  7. Carlos Slim (presidente da América Móvil): 62.7 mil milhões de dólares — 54 mil milhões de euros;
  8. Larry Page (co-fundador da Google): 58.4 mil milhões de dólares — 50 mil milhões de euros;
  9. Sergey Brin (co-fundador da Google): 56.9 mil milhões de dólares — 49 mil milhões de euros;
  10. Larry Ellison (co-fundador e diretor da Oracle Corporation): 55.2 mil milhões de dólares — 47 mil milhões de euros;.
Fonte:Observador
Link: https://observador.pt/2018/07/18/jeff-bezos-e-o-homem-mais-rico-da-historia-recente-com-fortuna-de-152-mil-milhoes-de-dolares/

Eleições têm atrasado contratações no mercado de trabalho

*O Estadão

Apesar de uma projeção de mais vagas para trabalhadores temporários este ano, as contratações estão atrasadas em relação ao ano passado. “Há uma expectativa melhor, mas ainda em compasso de espera”, diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Segundo ela, as empresas pretendem fazer a maior parte das admissões a partir de novembro porque só no mês que vem se saberá quem será o próximo presidente. E esse é um dado importante nas projeções de vendas de Natal.

Neste ano, quase dois terços das vagas temporárias são para pessoas com 18 a 34 anos, de acordo com pesquisa feita pelo SPC Brasil e pela CNDL (Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas) com 1.168 empresas, entre o final de agosto e a primeira semana de setembro. A idade média é de 28 anos.

“O desemprego é maior entre os mais jovens e há oportunidade para eles resolverem esse problema, nem que seja por um curto período”, diz Marcela.

A pesquisa mostra também que 28% dos empresários pretendem efetivar ao menos um temporário. Não é alta, mas a chance de efetivação existe, ressalta a economista.

A expectativa de aumento no número de vagas de temporários para o final de ano é confirmada pela agência de empregos Luandre, uma das maiores do setor. De acordo com a agência, a oferta de vagas temporárias deve crescer 30% este ano.

Parte dessas contratações já ocorreram na indústria entre agosto e este mês, puxada pela produção de alimentos. Em seguida está o varejo, interessado em admitir a partir de novembro estoquistas, vendedores e operadores de caixa para atender o movimento maior de fim de ano.

Intenção

Marcela, do SPC Brasil, observa que não só o total de vagas é um pouco maior neste ano, mas também a intenção dos empresários é mais positiva. No ano passado, quando foi feita a pesquisa, 82% dos entrevistados disseram que não tinham contratado e que não pretendiam contratar.

Agora essa marca recuou para 72%. Também a fatia daqueles que não tinham contratado temporários, mas planejavam admitir quase dobrou no último ano, passou de 6% para 14%.

Link: https://noticias.r7.com/economia/eleicoes-tem-atrasado-contratacoes-no-mercado-de-trabalho-15102018https://noticias.r7.com/economia/eleicoes-tem-atrasado-contratacoes-no-mercado-de-trabalho-15102018

Aneel aprova reajuste de tarifa a consumidores de GO e interior de SP

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (16) reajuste tarifário para os consumidores de Goiás e do interior de São Paulo. Para os primeiros, o aumento passará a ser cobrado a partir do dia 22. Já para os consumidores do interior paulista, os novos valores serão cobrados a partir do dia 23.

A Aneel aprovou a quarta revisão tarifaria periódica da Enel Distribuição Goiás (antiga Celg-D), o que implica um aumento médio de tarifas de 18,54% nas contas de luz. Para os consumidores atendidos na alta-tensão, o efeito médio será de 26,52%; para a baixa tensão, fica em 15,31%, em média. Para os consumidores residenciais, o reajuste será de 15,17%.

A empresa atende a cerca de 3 milhões de unidades consumidoras em 237 municípios de Goiás. De acordo com a agência, os itens que mais impactaram a revisão foram os custos de aquisição de energia, componentes financeiros como risco hidrológico e encargos setoriais. “Nos custos de aquisição de energia, impactou a variação do valor da energia da Usina de Itaipu, que é precificada em dólar”, disse a Aneel.

Interior paulista

A Aneel também aprovou o reajuste de duas distribuidoras do interior paulista: Companhia Piratininga Força e Luz (CPFL Piratininga) e São Paulo Distribuidora de Energia S.A. – EDP SP. A CPFL Piratininga atende a 1,7 milhão de unidades consumidoras e a EDP SP, a 1,8 milhão de unidades consumidoras.

Para a CPFL o efeito médio será de 19,25%, com impacto de 18,69% para os consumidores residenciais. Para os atendidos na alta-tensão, o reajuste será de 20,18% e, para os consumidores em baixa tensão, terá efeito de 18,70%.

A Aneel disse que, no caso da CPFL Piratininga, os itens que mais contribuíram para o reajuste foram os custos de aquisição de energia, componentes financeiros como risco hidrológico e encargos setoriais.

Já para os consumidores da EDP SP, o reajuste médio será de 16,12%. Para os consumidores residenciais, o aumento será de 15,09%. Para os atendidos na baixa tensão, o reajuste será de 15,13%, e para a alta-tensão, será de 17,84%. Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Aneel disse considerar a variação de custos associados à prestação do serviço. No caso da EDP SP, os itens que mais impactaram o reajuste foram os custos de aquisição de energia e encargos setoriais.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-10/aneel-aprova-reajuste-de-tarifa-consumidores-de-go-e-interior-de-sp

Bancos já podem receber boletos vencidos acima de R$100

Os boletos com valor a partir de R$ 100, mesmo vencidos, poderão ser pagos em qualquer banco. A medida entrou em vigor no último sábado (13) e o primeiro dia útil de compensação dos documentos é hoje (15). A medida faz parte da nova plataforma de cobrança da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que começou a ser implementada em julho do ano passado.

Para serem aceitos pela rede bancária, em qualquer canal de atendimento, os dados do boleto precisam estar registrados na plataforma. Segundo a Febraban, os clientes que tiverem boletos não registrados na Nova Plataforma, rejeitados pelos bancos, devem procurar o beneficiário, que é o emissor do boleto, para quitar o débito diretamente.

O novo sistema permite o pagamento em qualquer banco, independentemente do canal de atendimento usado pelo consumidor, inclusive após o vencimento, sem risco de erros nos cálculos de multas e encargos. Além disso, segundo a Febraban, o sistema traz mais segurança para a compensação de boletos, identificando tentativas de fraude, e evita o pagamento, por engano, de algum boleto já pago.

As mudanças estão sendo feitas de forma escalonada, tendo sido iniciadas com a permissão para quitação de boletos acima de R$ 50 mil. Entretanto, em junho deste ano, após dificuldades de clientes para pagar boletos, a Febraban alterou o cronograma.

A previsão inicial era que a partir de 21 de julho deste ano fossem incluídos os boletos com valores a partir de R$ 0,01. A expectativa era de que em 22 de setembro o processo tivesse sido concluído, com a inclusão dos boletos de cartão de crédito e de doações, entre outros. Pelo novo cronograma, os boletos a partir de R$ 0,01 serão incluídos a partir do próximo dia 27 e os boletos de cartões de crédito, doações, entre outros, no dia 10 de novembro de 2018.

Segundo a Febraban, apesar de o sistema passar a processar documentos de menor valor, com volume maior, os bancos não preveem dificuldade na realização dos pagamentos, com base nos testes feitos nas fases anteriores. Com a inclusão e processamento desses boletos no sistema, a Nova Plataforma terá incorporado cerca de 3 bilhões de documentos – aproximadamente 75% do total emitido anualmente no país. Nas próximas fases, serão incorporados 1 bilhão de boletos de pagamento.

A Febraban lembra que a nova plataforma é resultado de uma exigência do Banco Central, com incorporação de dados obrigatórios, como CPF ou CNPJ do emissor, data de vencimento, valor, além do nome e número do CPF ou CNPJ do pagador

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-10/boletos-vencidos-ja-podem-ser-pagos-em-qualquer-banco

Depois de atuação do Banco Central, dólar recua para R$ 3,53

Depois que o Banco Central (BC) intensificou a venda de dólares no mercado futuro, a moeda norte-americana fechou em queda pela primeira vez em dois dias. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (3) vendido a R$ 3,531, com queda de R$ 0,019 (-0,52%).

A divisa oscilou bastante ao longo do dia, alternando momentos de alta e de queda. No fim da manhã, por volta das 12h, encostou em R$ 3,57, mas desacelerou durante a tarde até fechar em pequena queda.

Hoje, o Banco Central começou a atuar no mercado de câmbio acelerando a rolagem (renovação) de contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro, que venceriam em junho. A medida havia sido anunciada na noite de quarta-feira, após a moeda norte-americana fechar no maior nível em quase dois anos.

O desempenho do mercado de câmbio não se estendeu para a Bolsa de Valores. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou esta quinta-feira (3) com queda de 1,49%, aos 83.288 pontos. Esse foi o terceiro recuo seguido do indicador.

Anúncio do Fed

Ontem (2), o Fed manteve os juros básicos da maior economia do planeta em uma faixa entre 1,5% e 1,75% ao ano. Em comunicado, no entanto, a autoridade monetária norte-americana indicou que pode elevar a taxa na próxima reunião, em junho.

O fato de a inflação da maior economia do planeta estar em alta aumenta as possibilidades de que o Fed eleve os juros além do previsto. Taxas mais altas em economias avançadas atraem os investidores internacionais, que retiram o dinheiro de países emergentes, como o Brasil, pressionando para cima a cotação do dólar.

*Com informações da Agência EFE

Fonte: Ag Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/depois-de-atuacao-do-banco-central-dolar-recua-para-r-353

BC nega que cédulas carimbadas percam valor

O Banco Central esclareceu que as cédulas carimbadas com a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os dizeres “Lula livre” não perdem o valor, mas alertou que deverão ser repostas, o que implicará custo para o país.

Nas redes sociais e pelo WhatsApp, circularam diversas imagens de cédulas sendo carimbadas com a mensagem de apoio ao ex-presidente. Alguns vídeos mostram cédulas com mensagens escritas a mão.

Houve comerciantes que se recusaram a receber as notas carimbadas e fixaram avisos perto do caixa.

Mensagens com conteúdo falso foram amplamente divulgadas nas redes sociais. “Banco Central acaba de divulgar que a rede bancária está proibida de receber notas com carimbo ‘Lula Livre’. Se receberem tais notas, os bancos deverão chamar a polícia. O portador estará sujeito ao Artigo 163 do CP [Código Penal]”, dizia uma dessas mensagens, desmentidas pela instituição.

Em nota, o Banco Central (BC) esclareceu que, ao contrário do que foi divulgado, as notas não perdem o valor. “Cédulas com rabiscos, símbolos ou quaisquer marcas estranhas continuam com valor e podem ser trocadas ou depositadas na rede bancária. As notas descaracterizadas apresentadas na rede bancária serão recolhidas ao Banco Central para destruição”, diz o texto. A nota do BC informa ainda que o comércio não é obrigado a aceitar as notas, mas os bancos são.

O BC informa que as notas danificadas podem continuar circulando, porém lembra que a fabricação de novas cédulas e moedas gera custos para o país e que “sua reposição elevará ainda mais esse custo”.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/bc-nega-que-cedulas-carimbadas-percam-valor

Commodities fecham abril em alta

Os preços das commodities, produtos primários com cotação internacional, fecharam abril em alta. O Índice de Commodities Brasil (IC-Br), calculado mensalmente pelo Banco Central (BC), registrou crescimento de 3,99%, em abril comparado a março. No ano, a alta ficou em 3,64% e, em 12 meses, em 12,6%.

O IC-Br é calculado com base na variação em reais dos preços de produtos primários brasileiros negociados no exterior. O BC observa os produtos que são relevantes para a dinâmica dos preços ao consumidor no Brasil.

Em abril, o segmento de energia (petróleo, gás natural e carvão) subiu 9,69%, enquanto o de metais (alumínio, minério de ferro, cobre, estanho, zinco, chumbo, níquel, ouro e prata) teve alta de 5,52%.

No segmento agropecuário (carne de boi, algodão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café, arroz, carne de porco, cacau e suco de laranja), houve alta de 1,72%.

O índice internacional de preços de commodities CRB, calculado pelo Commodity Research Bureau, registrou alta de 3,61% no mês passado, de 6,11%, no ano e de 13,1%, em 12 meses.

Fonte: Ag Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/commodities-fecham-abril-em-alta