Ser eficiente ou ser eficaz?

Por Rogério Novaes Arantes*

Em um mundo tão competitivo e globalizado que vivemos, não dá pra negar que a pressão por resultados lucros e visibilidade acabou por levar muitos empresários, executivos e gestores a uma verdadeira guerra de estratégias para se alcançar maiores índices de eficiência e eficácia. Mas será que sabemos o que significa cada um destes objetivos? Será que um é mais importante que o outro? Os dois têm pesos e medidas iguais? Para responder estas perguntas, primeiro devemos saber seus significados e aplicações, veja abaixo:

Eficiência: Preocupa-se com os meios. Procura-se fazer bem-feito e corretamente o trabalho. Tem foco no método de trabalho.

Eficácia: Foco na aplicação correta do trabalho e no resultado final. É relacionado com a satisfação das necessidades do cliente ou grupos de produtos, serviços ou pessoas. Busca-se o sucesso do trabalho.

Se eficiência é a busca por melhores métodos e procedimentos para atingirmos um objetivo e eficácia é o resultado alcançado com foco na satisfação, fica claro que os dois processos são importantíssimos para qualquer empresa ou pessoa. Portanto, devemos criar estratégias de ação, planejar passo a passo e analisar nossos processos de atuação e o modo que estamos fazendo as coisas para asseguramos a eficiência e a eficácia em nossas vidas.

Sempre digo aos meus clientes que o maior bem de sua empresa é as pessoas, pois são elas que vão ditar o ritmo e a história de sua empresa. Valorizar o capital humano é o grande desafio dos gestores do futuro. Saber otimizar a capacidade produtiva das pessoas a partir dos desenvolvimentos de competências e criar mecanismos de integração entre o processo produtivo e a equipe é sem dúvida o caminho mais assertivo para se alcançar a aficiência e eficácia nos negócios ou em nossas vidas.

Segundo Abraham Maslow (psicólogo americano, conhecido pela proposta hierarquia de necessidades de Maslow e ícone da administração moderna) ”todo ser humano almeja a realização pessoal. Ela só ocorre se a pessoa está motivada e se sentir pertencente a algo importante. Vale lembrar que a motivação é intrínseca, ou seja, ninguém consegue motivar alguém, mas sim, estimular.”

O papel do gestor ou líder é oferecer meios e caminhos para estimular, motivar e, ao mesmo tempo, dar sentido aos desafios oferecidos a sua equipe. Ser eficiente e eficaz não pode ser apenas mais uma frase ou norma da empresa, exposta na parede ou na cartilha de treinamento. Atitude faz a diferença!

* Rogerio Novaes Arantes é publicitário, professor, consultor em marketing e palestrante. Procura ter uma visão perspicaz de tudo e capacitar o comportamento humano das pessoas.
Fonte: http://www.professornovaes.blogspot.com