Durante a faculdade, os estudantes de graduação precisam estudar muito para estarem bem preparados para enfrentar o mercado de trabalho. Alguns conseguem sair na frente e abrem o próprio negócio antes mesmo da conclusão do curso.

Um estudo realizado em 2013 pela consultoria Deloitte e a Exame PME apontou o perfil dos donos das empresas que mais crescem no Brasil. Segundo a pesquisa, a maioria dos empresários é do sexo masculino (93%), com idade entre 41 e 50 anos (37%), com pós-graduação (34%). Além disso, 77% dos empreendedores são fundadores e 58% abriram a primeira empresa entre 21 e 30 anos.

A veia empreendedora desenvolvida durante a universidade pode ser a chave do sucesso profissional. É o caso dos universitários Kalil Klein e Renan Lopes, ambos com 23 anos, que decidiram não depender mais da mesada dos pais ainda no ensino médio. Foi quando começaram a vender bombons para os colegas.
Divulgação

Kalil, Brunella e Renan começaram um negócio vendendo bombons aos colegas. Hoje, a venda chega a 2,5 mil unidades por mês

Na faculdade, formalizaram o negócio e criaram, com mais uma sócia, Brunella Olmo, 25 anos, a empresa Top Bombons, em Vitória. Eles participam juntos de todas as fases da produção, que hoje chega a 2,5 mil bombons por mês. “Começamos a vender na pracinha de Jardim da Penha e hoje já levamos nossos produtos para diversas festas”, contou Kalil.

“Na hora de planejar o orçamento, sempre pensamos em como ganhar um dinheiro extra para somar e realizar alguns desejos da família. Para o estudante que ainda não terminou a faculdade não é diferente. A vida estudantil possibilita estágios remunerados mas que nem sempre são suficientes para realizar todos os desejos e uma um extra sempre é bom para o estudante que precisa de dinheiro e acredita que pode conciliar os estudos com a prestação de algum tipo de serviço”, disse a gerente da Unidade de Acesso a Serviços Financeiros do Sebrae, Alline Zanoni Rodrigues Batista.

Foto: Divulgação

Divulgação

Lúcio Merçon e Karison Pimentel já fizeram todo o planejamento da marca, Volken
A gerente lembra que muitas pessoas fizeram das experiências de negócios no período da faculdade um negócio para o futuro. Ela avalia ainda que ter planejamento é fundamental caso exista interesse em abrir uma empresa e continuar com a atividade.

Na opinião do diretor da UCL, Sandro Lobato, incubadoras podem ajudar na hora de montar o próprio negócio, pois elas ajudam na gestão, além de oferecerem estrutura e localização.

Divulgação

Lilia abriu sua loja ainda quando era estudante

“Temos muitos alunos que montaram empresas no ramo de informática. Há também aqueles que desenvolveram um trabalho na faculdade que depois transformaram em um negócio e hoje vivem disso. Para se ter uma ideia, um desses alunos começou a ganhar R$ 3 mil e hoje já consegue retirar mais de R$ 10 mil”, disse.

Ideias que podem render

1 -Alimentos: se você possui alguns dotes culinários venda sanduíches, docinhos ou alguma outra guloseima para os outros alunos, familiares e amigos.

2 – Digitação: cobre para digitar trabalhos dos seus colegas e/ou formatar trabalhos nas normas da ABNT.

3 – Artesanato: quem possui habilidade para desenvolver produtos de forma manual para decoração ou uso no dia-a-dia podem vender peças com bons preços para lojas e amigos.

4 – Escreva artigos e livros: Uma das formas de monetizar seus conhecimentos é por meio da escrita. Você pode começar escrevendo artigos genéricos. O site O sabe tudo (osabetudo.com), por exemplo, funciona como uma comunidade colaborativa na qual qualquer pessoa pode divulgar seus artigos, sem restrição de assunto. O autor precisa apenas se cadastrar no site e no Google Adsense e escrever um mínimo de cinco artigos. Ele recebe 70% do valor gerado pelo Adsense, serviço de publicidade do Google que gera lucro baseado na quantidade de cliques ou de visualizações, tal como o Lomadee.

5 – Computadores e internet: nas horas vagas, para quem tem habilidades com informática, a prestação de serviços nesse ramo é rentável.

6 – Dog walker: passear com cachorros é um bom negócio se você possui tempo disponível e gosta de animais.

7 – Música: Dj nas horas vagas pode render uma grana extra e também será divertido.

8 – Loja de roupas: trabalhar no comércio pode ser uma bom negócio para quem gosta do ramo. A advogada Lilia Mameri, 25 anos gosta dessa área, é apaixonada por moda e usou isso a seu favor. Ela sempre quis ter uma loja de roupas. “Aproveitei o período da faculdade para pesquisar e fazer cursos. Trabalhei em uma loja até sentir segurança para montar o meu negócio”, explicou. A loja de Lilia, Studio 242, fica na Praia do Canto, em Vitória, e foi inaugurada há quatro meses. A experiência é recente no comércio, mas a jovem empresária já conquistou mais de 20 mil seguidores nas redes sociais. “Fico surpresa com esse sucesso na internet, mas tenho certeza de que é o resultado do meu esforço e de muito tempo de pesquisa até a abertura da loja”.

9 – Estética: quem faz o curso de Estética e Cosmética pode começar a oferecer o serviço para pessoas conhecidas. Uma boa dica é investir em um centro de estética.

10 – Design de joias: interesse por vendas e criação de joias pode ser um ótimo negócio. As empresárias Marcela e Carla Lorenzon, por exemplo, sempre tiveram um dom empresarial. Já na faculdade, as primas já demostravam interesse pela área. Marcela Lorenzon começou na faculdade produzindo bijouterias e Carla sempre a ajudou com as vendas. Marcela, depois de formada no curso de Administração, decidiu se especializar no ramo de design de joias e Carla, já formada em Direito não estava satisfeita com sua profissão. Hoje as duas são proprietárias da marca de semi-joias Au’Affetto, e revendem seus produtos para vários Estados brasileiros. A empresa capixaba fundada em Abril de 2012, já vendeu mais de 10 mil peças para todo Brasil.

Fonte: A Gazeta