Saiba como identificar e tirar o máximo proveito de suas habilidades profissionais

habilidadeEm algum ponto da carreira, todo mundo é perguntado sobre quais são seus pontos fortes no seu escritório. Às vezes, esse tipo de pergunta é feita pelo chefe em uma avaliação de desempenho, outras vezes, por um contratante em uma entrevista de emprego. Não importa quando aconteça, é preciso estar pronto para identificar suas principais habilidades.

“Usamos um termo criado pelo professor Peter Drucker – ‘conhecimento de produtividade profissional’–, ou seja, como conseguir mais com menos. Assim, é possível chegar a uma das quatro forças primárias no ambiente de trabalho: visionarismo, design, construção e operação”, afirma Jack Bergstrand, executivo-chefe de uma empresa de consultoria.

Algumas pessoas têm talento para ser visionário, diz Bergstrand. “São funcionários que conseguem resolver problemas perguntando e respondendo à seguinte questão: ‘Onde pretendemos chegar e por quê?’. É comum achar esse tipo de habilidade em estrategistas, marqueteiros e CEOs.”

Depois disso vem o talento para o “design”, afirma o especialista. “Enquanto ser ‘visionário’ é mais subjetivo, o ‘design’ é mais objetivo. Essa característica está em pessoas que gostam de fatos, que são planejadores bem resolvidos e ótimos em responder a perguntas como ‘O que precisamos fazer e quando?’. Nós geralmente achamos essas habilidades em jovens recém-formados em MBAs, analistas, planejadores e CFOs.”

Há ainda o talento para “construir” ambientes profissionais. “Enquanto a força em design consiste em se focar nos fatos, o funcionário com o talento de ‘construir’ está preocupado em orientar o processo, pensando em como os melhores trabalhos são feitos. Esses indivíduos devem sistematizar o trabalho. Pessoas com essa habilidade são geralmente encontradas em logística, TI e gerenciamento de sistemas.”

A quarta força é formada por “características operacionais”, diz Bergstrand. “Em termos de produtividade profissional, essa definição tem uma conotação um pouco diferente do que costumava ter na era industrial. Os operadores, nesse caso, fazem as coisas acontecer por meio de outras de outras pessoas e se focam na interação humana, no ‘quem’. Profissionais de venda e bons orientadores são geralmente fortes nisso.”

Clay Canchola, consultor independente de recursos humanos, afirma que “do ponto de vista do RH, as forças no ambiente de trabalho são geralmente definidas em termos de competências como liderança, resolução de problemas e trabalho em equipe”.

David Parnell, consultor profissional e escritor de livros na área de leis trabalhistas, diz que “a força de um ambiente de trabalho está em qualquer habilidade que é prazerosa, aplicável e em que você é melhor do que a maioria dos colegas”.

“Uma maneira simples de identificar suas melhores habilidades é escutar seus sentimentos enquanto trabalha”, diz Canchola. “Que atividades trazem satisfação e felicidade? Uma maneira mais complexa é se avaliar segundo a visão dos colegas. Quando pedirem sua ajuda ou o elogiarem, isso geralmente é um bom sinal de que você foi identificado como uma força na empresa.”


Para Parnell, ao tentar identificar nossa força profissional, o mais importante é o autoquestionamento sobre pontos fortes, para então identificar a causa deles. Entender as forças profissionais e saber tirar o máximo delas é uma excelente maneira de ter mais prazer em trabalhar, ser mais produtivo e ter melhores resultados, diz Bergstrand. “É uma forma de vencer as barreiras individuais, de equipe e organizacionais.”


Fonte Revista FORBES