riquezaPor que acreditamos que irão retornar aqueles empregos onde somos muito bem pagos para fazer um trabalho que pode ser sistematizado? Na verdade existem duas recessões: a primeira é cíclica, aquela que inevitavelmente chega e inevitavelmente vai embora. Foi provado que uma intervenção adequada pode encurtá-la, mas também há indícios de que uma resposta exagerada pode resultar em desperdício ou até agravar a situação. A outra recessão, porém, a que provoca a perda de todos os “bons trabalhos de fábrica” e desemprego sistemático – essa eu temo que tenha vindo para ficar.

A internet espremeu as ineficiências de vários sistemas, e a habilidade de coordenar atividades e digitalizar dados se combinam para eliminar um vasto número de cargos que a era industrial criou. Por que acreditamos que irão retornar aqueles empregos onde somos muito bem pagos para fazer um trabalho que pode ser sistematizado?

O que acontece hoje é uma corrida ao fundo do poço, onde comunidades suspendem regulamentações ambientais e trabalhistas no esforço de se tornarem os fornecedores mais baratos no mundo. O problema em competir nessa corrida ao fundo do poço é que eventualmente você pode ganhar.

PORTAL BEATRIZ IOLANDA – O MUNDO DOS NEGÓCIOS AO TEU ALCANCE!
Dicas, informações, notícias, eventos, cursos e muito mais sobre o mundo empresarial (Acesse mais textos como este)
www.beatriziolanda.com

As fábricas foram o centro da era industrial. Prédios onde os trabalhadores se juntavam para construir carros, utensílios, fazer apólices de seguros e transplantes de órgãos – essas são atividades centradas no trabalho, onde ineficiências locais são superadas pelos lucros da produção em massa. Se o trabalho local custa mais ao empresário, ele tem que pagar. Afinal, que escolha ele tem?

Não mais. Se pode ser sistematizado, ele será. Se o intermediário pode encontrar uma fonte mais barata, ele irá. Se o consumidor não-afiliado pode poupar um centavo clicando aqui ou ali, isso irá acontecer. A ineficiência causada pela geografia era o que permitia a trabalhadores locais receberem um salário melhor, e era a ineficiência de uma comunicação imperfeita que permitia às companhias cobrarem preços maiores.

A era industrial, que começou com a revolução industrial, está deixando o palco. Ela não é mais a força motriz da economia e é absurdo pensar que altos salários por um trabalho facilmente substituível vão retornar. Isso representa uma grande descontinuidade, uma decepção forte para pessoas trabalhadoras que procuram estabilidade, mas provavelmente não a conseguirão. É uma recessão, a recessão de cem anos de crescimento do complexo industrial.

Eu não sou um pessimista, pois a nova revolução – a revolução da conectividade – cria modos novos de produtividade e oportunidades. Porém, não para o trabalho repetitivo de fábrica e não para os índices de empregabilidade. A maior parte da riqueza gerada por essa revolução não toma a forma de um trabalho integral.

Quando todo mundo tem um laptop e uma conexão com o mundo, então todos possuem uma fábrica. Ao invés de nos juntarmos fisicamente, nós temos a capacidade de nos aproximarmos virtualmente, angariar atenção, conectando trabalho e recursos, e criando valor.

É desgastante? Claro que sim. Ninguém é treinado para isso, em iniciar, visualizar, resolver problemas interessantes e então entregar. Alguns veem esse novo trabalho como uma colcha de retalhos de pequenos projetos, uma imitação fajuta de um trabalho “de verdade”. Outros conseguem notar que essa é uma plataforma para um tipo de arte, um campo bem mais justo onde a posse de uma empresa não é uma herança para uma pequena minoria, mas algo que centenas de milhões de pessoas podem alcançar.

A situação vai mudar de qualquer forma. De um lado da economia, as expectativas diminuem e muitos hambúrgueres são fritos. O outro lado é uma corrida ao topo, em que indivíduos, até então esperando instruções, começam a dá-las.

O futuro tem cada vez mais traços do marketing – é improvisado, baseado em inovação e inspiração, e envolve conexões entre pessoas – e menos traços do trabalho de fábrica, onde você faz o que fez ontem, mas mais rápido e mais barato. Isso quer dizer que devemos alterar as nossas expectativas, mudar o nosso treinamento e alterar a forma com a qual nós lidamos com o futuro. Ainda assim, é bem melhor do que lutar por um status quo que não mais existe. As boas notícias são claras: cada recessão longa é seguida de uma época de crescimento baseada na próxima inovação, e assim segue…

A criação de trabalhos é um falso ídolo. O futuro é baseado em bicos e recursos e arte e uma série dinâmica de parcerias e projetos. E ele vai mudar as fundações da nossa sociedade. Nós não precisamos gostar dessa mudança, mas quanto mais cedo nós a notarmos e buscarmos nos tornar eixos insubstituíveis nesse sistema, menor será a dor, e nós podemos voltar ao trabalho que precisa (e agora pode) ser feito.

Essa revolução é, ao menos, tão grande quanto a última, e essa última mudou tudo.

PORTAL BEATRIZ IOLANDA – O MUNDO DOS NEGÓCIOS AO TEU ALCANCE!
Dicas, informações, notícias, eventos, cursos e muito mais sobre o mundo empresarial (Acesse mais textos como este)
www.beatriziolanda.com

Fonte Adm.com