Arquivo da categoria: COLABORADORES

Eventos empresariais: Como aproveitar e ampliar seu network

foto_eventos_empresariais * Texto gentilmente cedido por Cláudio Prado

Olá, aqui é o Claudio Prado. Quero compartilhar algumas dicas importantes para que você, empresário, empreendedor, estudante o qualquer profissional da área comercial aproveite ao máximo os eventos empresariais, pois eles são um instrumento de comunicação de caráter aproximativo, e contribuí para manter a uma boa relação e imagem a favor da sua empresa ou pessoa.

O Evento quando bem articulado acaba gerando uma infinidade de vantagens à empresa: relacionamento direto com públicos de interesse, prospecção e conquista de novos clientes, apoio ao processo de marketing: o que resulta em maiores vendas, aumento de visibilidade e muitos outros benefícios.

Além de ser uma forma saudável de adaptação, lazer e relacionamento, hoje, o evento empresarial é também uma positiva e rentável forma de negócio. Essa é uma realidade que tem sido cada vez mais comum entre os grupos empresariais, pois proporcionam contato direto entre os participantes, como:

* Definir novas estratégias.

* Motivar vendedores.

* Estreitar laços com clientes.

* Comemorar bons resultados.

O evento empresarial, trata-se de uma ótima oportunidade de reunir pessoas em torno de uma mesma meta: o desenvolvimento da corporação. Eles auxiliam na criação de vínculos pessoais e desenvolvem a relação das pessoas com os produtos e serviços oferecidos pelas organizações, agregando maior valor à marca.

Quando bem organizado, um evento corporativo gera resultados positivos para a empresa. Entre as dicas sobre como é importante para o empresário participar de eventos empresariais.

Eu trabalho exclusivamente nessas parceiras e fortalecimento do net work , acompanhe aqui no portal da Beatriz Iolanda novas dicas e explico tudo que você precisa saber neste portal. Vamos lá?

claudio  Cláudio Prado é administrador de empresas e atua na área de eventos.

Sustentabilidade empresarial e licenciamento ambiental

c_44_44_29441Por Maione Padeiro*

A sustentabilidade empresarial atua com seu planejamento tanto a qualidade de vida das gerações presentes quanto à das futuras, devem ser apreciadas as necessidades de cada região, e as peculiaridades culturais e sociais de cada cidade. É o que estamos desenvolvendo a cada dia mais na nossa querida Aparecida de Goiânia.

A atividade empresarial possui uma função social e que por isso deve gerar benefícios não apenas para os seus proprietários e empregados e sim para toda a coletividade, e que a degradação do meio ambiente ou o desrespeito à legislação ambiental não são compatíveis com o exercício da função social.

A empresa, que é atividade econômica organizada com o objetivo de produzir ou de fazer circular bens ou serviços, está submetida aos princípios da ordem econômica elencados pelo art. 170 da Carta Maior, destacando-se entre eles o da defesa do meio ambiente e a sustentabilidade empresarial.

Para cumprir a sua função social a empresa deve necessariamente se submeter e obedecer ao licenciamento ambiental, que é a forma pela qual o Estado se assegura de que a atividade potencial ou efetivamente poluidora não colocará em risco o meio ambiente e a qualidade de vida da coletividade.

Uma empresa não pode ser considerada responsável do ponto de vista ambiental ou social se não obtém ou se não respeita a licença ambiental obtida, e que a empresa deve procurar fazer o licenciamento ambiental de sua atividade prestando todas as informações necessárias, da mesma forma que deve procurar seguir com exatidão as diretrizes levantadas ao longo do licenciamento ambiental e presentes na licença ambiental.

É importante conceituar licenciamento ambiental como o procedimento administrativo cujo órgão ambiental autoriza a localização, instalação, ampliação, execução e operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais, consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental.

O poder público busca exercer o necessário controle sobre as atividades humanas que interferem nas condições ambientais. No sentido de cuidar, preservar o meio ambiente para as futuras gerações e a classe empresarial também contribuindo.

A finalidade do licenciamento ambiental é assegurar que o meio ambiente seja devidamente respeitado quando da instalação e operação de empreendimentos e obras. Levando em consideração diversas questões citamos a ecológica, a econômica, a cultural, a jurídica e outras.

No que tange ao meio ambiente, está expressamente estabelecida pelo inciso V do § 1º do art. 225 da Constituição Federal, que reza que para assegurar a efetividade do direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, incumbe ao Poder Público controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente.

Temos embasamentos suficientes para a conscientização e a perfeita adesão ao licenciamento ambiental e o desenvolvimento sustentável empresarial que é o modelo que procura aglutinar os aspectos ambiental, econômico e social, buscando um ponto de equilíbrio entre a utilização dos recursos naturais, o crescimento econômico e a equidade social.

A licença ambiental é um documento com prazo de validade definido no qual o órgão ambiental estabelece regras, condições, restrições e medidas de controle ambiental a serem seguidas pela atividade que está sendo licenciada. Ao receber a Licença Ambiental, o empreendedor assume os compromissos para a manutenção da qualidade ambiental do local em que se instala.

Além de respeitar o meio ambiente, a sustentabilidade empresarial tem a capacidade de mudar de forma positiva a imagem de uma empresa junto aos consumidores. Com o aumento dos problemas ambientais gerados pelo crescimento desordenado nas últimas décadas, os consumidores ficaram mais conscientes da importância da defesa do meio ambiente. Cada vez mais os consumidores vão buscar produtos e serviços de empresas sustentáveis.

Vale apena ressaltar que, sustentabilidade empresarial devem apresentar resultados práticos e significativos para o meio ambiente e a sociedade como um todo, através de estudos, leis e outras.

Atualmente, Aparecida de Goiânia vem se transformando em grande potencia econômica, a cidade foi das que mais cresceu nos últimos anos e continua em plena expansão.

O crescimento e desenvolvimento econômico-social se deu em vários aspectos, em população é o segundo maior do Estado, na economia Aparecida tem o terceiro PIB, Produto Interno Bruto do Estado, ultrapassando os seis bilhões de reais com grandes perspectivas de ultrapassar 7,5 bilhões em 2014.

Além disso, tem cinco pólos empresariais, o segundo maior shopping Center de Goiás e milhares de comércios que geram mais de 100 mil empregos a população. Isto é, sustentabilidade empresarial que através de um conjunto de ações que visa melhorar a qualidade de vida da população.

Estamos lutando incansavelmente para o desenvolvimento sustentável de Aparecida  de Goiânia, em busca de novas idéias, projetos e conceitos. A união entre desenvolvimento econômico e o desenvolvimento social garante ao cidadão aparecidense novas perspectivas.

Dessa forma, estas ações devem diminuir as desigualdades sociais, ampliar os direitos e garantir acesso aos serviços que visam possibilitar as pessoas acesso pleno à cidadania.

* Maione Padeiro é advogado e presidente da ACIAG Jovem.

Jovens empresários, uni-vos!

relatrio-de-vendas-4-335881Por Maione Padeiro

Os protestos de junho do ano passado mostraram que o país precisa de renovação em várias áreas, especialmente na política. É preciso não desprezar a força que vem da rua, pois ali estão canalizados os anseios de toda a população. Infelizmente, vimos uma reação fraca, uma resposta pífia da classe política, especialmente o Congresso Nacional e Presidência da República, que são as entidades que têm a competência e o poder para ditar normas gerais que modificam a realidade de todo o povo brasileiro.

É verdade que tivemos alguns ganhos, especialmente na esfera da mobilidade urbana. Após o susto, o governo federal liberou verbas para obras de transporte e trânsito em grandes centros urbanos, aproveitando até mesmo a urgência na infraestrutura gerada pela realização da Copa do Mundo em 12 capitais. No entanto é pouco, é muito pouco. Todos sabemos que os protestos não foram só pelos 20 centavos, aumento de tarifa de ônibus em São Paulo que desencadeou a onda de protestos país afora.

Quando milhões de brasileiros saíram às ruas em junho de 2013, as diversidade de bandeira dos manifestantes era imensa, o que, de certa forma, contribuiu para a diluição do movimento e ajudou a manter inertes os políticos. Quem quer tudo, quer nada, pois tudo é impossível dar. Mas é inegável que bandeiras de renovação, como a reforma político-eleitoral e reforma tributária, se destacaram e tiveram debates importantes. Teve até mesmo uma minirreforma política, invalidada pelo Tribunal Superior Eleitoral recentemente, por não obedecer o princípio constitucional da anterioridade de um ano antes da eleição de outubro.

Essas duas reformas são essenciais para a modernização do país e aproximação da população da política. De um lado, os empresários e toda a população reclama da elevada carga tributária, que inviabiliza o desenvolvimento do país. De outro, uma classe política distante dos anseios da população, uma classe política que vive para se perpetuar no poder, trabalhando durante todo o mandato para conseguir a reeleição.

No meio dessa desordem está a população e os empresários, que sabem o que fazer para mudar essa situação, mas que não têm o poder da caneta, pois quem decide é a turma de Brasília. Mas isso pode ser modificado através da participação política. Os jovens empresários conhecem bem a realidade do país e ainda não estão vinculados a grupos políticos viciados, por isso a participação deles é fundamental para mudar para melhor a realidade de nosso país.

O Brasil é o pior colocado no ranking de retorno dos impostos à população, segundo pesquisa nos 30 países com a maior carga tributária do mundo. Estados Unidos, Austrália e Coreia do Sul são os países que melhor aplicam os tributos arrecadados. Já o Brasil está em último lugar, atrás de vizinhos como Argentina e Uruguai. O País ainda ocupa a 85ª posição no último (2012) ranking mundial do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Organização das Nações Unidas.

É um quadro crônico, extremamente desfavorável, mas a saída existe e passa inevitavelmente pela participação política. Como presidente da ala jovem da Associação Comercial e Industrial de Aparecida de Goiânia (Aciag Jovem), venho conclamar nossos jovens empresários a participar efetivamente da política, seja debatendo, cobrando ou mesmo disputando uma vaga na estrutura política, pois somente assim teremos uma voz mais ativa.

As transformações que tanto pedimos não vão cair do céu como num conto de mágica, elas virão somente com  pressão que a sociedade e especialmente os empresários exercerem sobre a classe política. Então, mãos à obra, pequenos empresários de Goiás e do Brasil, uni-vos!

* Maione Padeiro é advogado, presidente da ACIAG Jovem e colaborador do Portal BEATRIZ IOLANDA.

Aparecida de Goiânia – Maior número de motéis da América Latina

54_1Por Maione Padeiro

O município de Aparecida de Goiânia conquistou avanço significativo no desenvolvimento econômico Mais de 150 empresas de médio e grande porte foram atraídas para a cidade e isso tem provocado mudança positiva no cenário socioeconômico local. A população é diretamente e indiretamente beneficiada, seja por meio da geração dos empregos diretos, ou em forma de benefícios, como a pavimentação asfáltica, melhorias nas áreas de saúde, educação e outros serviços prestados pelo poder público municipal.

O objetivo é gerar empregos e divisas, minimizando o desequilíbrio social existente. Dos 15 mil empregos gerados no município devido a atração de novas empresas, mais de 5 mil foram efetivados por meio do Sistema nacional de Emprego (SINE) instalado no município e Aparecida de Goiânia.

Devido a grande demanda por áreas para instalação de novas empresas, a secretaria de Indústria e Comércio estima que houve crescimento do PIB do município entre 20% e 30%, resultado que está fazendo com que Aparecida seja reconhecida como um dos maiores pólos industriais do Estado de Goiás e da região Centro-Oeste.

O desenvolvimento de Aparecida de Goiânia decorrente da instalação de novas indústrias gera novos empregos, e melhora a arrecadação municipal. O resultado é revertido em obras e serviços, como a pavimentação de 1,2 milhão de m² de ruas e avenidas em cerca de 30 bairros na cidade.

A região do Santa Luzia  em Aparecida de Goiânia, abriga hoje uma extensa quantidade de motéis, contribuindo efetivamente para o desenvolvimento econômico social da região, como a geração de empregos, melhoria urbanística e referência comercial.

No Brasil, os motéis surgiram como locais para encontros amorosos na década de 1960, pois os hotéis não permitiam as estadias de curta permanência. Em alguns Estados, policiais da Delegacia de Costumes ficavam escondidos, contando no relógio o tempo de hospedagem de um casal e, na saída, autuavam os amantes e o estabelecimento por crime contra os costumes.

Para fugir à vigilância policial, empresários do ramo foram buscar inspiração nos Estados Unidos. O primeiro estabelecimento do gênero teria sido construído em 1968, em uma estrada do município de Itaquaquecetuba, em São Paulo: o Motel Playboy.

Em Aparecida de Goiânia, os motéis foram chegando na gestão do então prefeito Dr. Freud de Melo, criador dos setores vila Santa e Nossa senhora de Lurdes e foi tomando espaço, forma e trazendo desenvolvimento para a Região do Santa Luzia pouco habitada na época. Hoje, a referida região abriga aproximadamente 17 bairros e a maior concentração dos motéis é na Vila Santa e Vila Nossa Senhora de Lourdes nas proximidades da BR 153.

Conforme informações, a Região do Santa Luzia, onde há a maior concentração de motéis do país, em relação ao número de habitantes, segundo a Associação Brasileira de Motéis (ABMotéis). Com grande número de moradores, a cidade da região metropolitana tem mais de 53 estabelecimentos registrados, que engloba bairros como Jardim  Bela Vista, Vila Brasília, Vila Santa e Nossa Senhora de Lourdes, onde está a maior suíte do Brasil, de acordo com dados da ABMotéis.

Citamos com muita alegria, alguns motéis que alavancam a economia aparecidense e principalmente a economia da região do Sítio Santa Luzia. Temos os Moteis, Vison, Goiás, Vips, Dunas, Emoções, São Paulo, Aphrodite, Solarium, Memphis dentre outros, são referências.

Todos contribuem com toda a população local, com os empregos de copeiras, camareiras, vigilantes, cozinheiras, recepcionistas e outros. A Região Sítio Santa Luzia tem desenvolvido muito com novos empreendimentos como comércio, galpões e novos motéis. A economia local tem sido destaque em âmbito municipal, e motivo de atenção dos governos, vez que, o desenvolvimento chegando, novas parcerias, novas perspectivas chegam a todo o tempo.

Estamos felizes em poder destacar a economia do setor moteleiro em Aparecida de Goiânia, uma luta de muitos anos por melhorias e melhores condições para nossa gente, luta  a qual participei intensamente desde quando integrava a Gestão de Heribaldo Egidio na ACIAG, como diretor da Região do Santa Luzia.

Parabenizo todos os empresários do setor moteleiro pela confiança e pela motivação para o real desenvolvimento econômico aparecidense. Razão pela qual temos orgulho em destacar os projetos, inovações, parcerias do setor.

1377495_554186097982870_824918380_n Maione Padeiro é advogado, presidente da ACIAG JOVEM e colaborador do Portal BEATRIZ IOLANDA.

 

O comércio atacadista em Aparecida de Goiânia

459640-atacadistas-em-sp-enderecos-2Por Maione Padeiro

A origem do comércio atacadista teve início na Europa, propriamente no término da Idade Média, quando surgira de fato distribuidor capitalista responsável pelo fornecimento de produtos para todos os países. O comércio em massa nascia e mal sabia o quanto iria progredir.

Logo com as grandes navegações, houve maior repartição e variedade do que podia ser comercializado. A venda por atacado torna-se essencial e de grande importância no comércio, pois sua operação é justificável e viável economicamente.

A venda por atacado é um segmento necessário pra a movimentação mercadológica do comércio, mesmo porque cumpre a função de intermediário entre fabricantes e lojistas. Cria de fato um elo entre os consumidores e empresários, contribuem para otimizar a economia de determinado local.

O atacado pode ser compreendido através do perspectiva de ser uma contribuição prestada com tamanha importância no processo de distribuição. O comércio atacadista se destina à comercialização de determinados produtos em grande quantidade, condicionado como intermediário entre os fabricantes, varejistas e consumidores.

Atacado inclui todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços para aqueles que compram para revenda ou uso industrial. Mas podemos chamar de atacadistas aquelas empresas envolvidas principalmente na atividade de atacado.

Os atacadistas desempenham muitas funções, inclusive venda e promoção, compra e formação de sortimentos, quebra de lote, armazenamento, transporte, financiamento, riscos, informações de mercado e prestação de serviços de administração e consultoria.

É muito importante o desenvolvimento econômico de uma região, através da economia é que iremos contribuir para o surgimentos das empresas, a vinda de novos negócios, novas parcerias em torno do mercado de giro, mais empregos, enfim crescimento sem medidas em prol de todos.

Aparecida de Goiânia comporta grandes atacadistas. Segundo levantamento, em 2013, o Makro registrou faturamento totalizando 7,4 bilhões de reais. Há pelo menos cinco anos, o Makro lidera o ranking das maiores redes de atacado no Brasil elaborado pela Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (Abad), em parceria com o Nielsen.

Destacamos também a JC Distribuição, cuja receita superou um bilhão de reais, demonstrando a força da economia aparecidense. O setor cresceu 4,4%, atingindo vendas de 197,3 bilhões de reais, de acordo com dados da Abad.

Isto é, investimentos e parcerias inovadoras para efetivar o crescimento no município, na cidade. A classe empresarial se mantém unida para apoiar projetos e benefícios que a longo e médio prazo irão beneficiar toda a população.

1377495_554186097982870_824918380_nMaione Padeiro é advogado, presidente da ACIAG JOVEM e colaborador do Portal BEATRIZ IOLANDA

Construção do Centro de Convenções – Aparecida de Goiânia

tijoloPor Maione Padeiro

A CONSTRUÇÃO DO CENTRO DE CONVENÇÕES DE APARECIDA DE GOIÂNIA – UM MARCO HISTÓRICO PARA O DESENVOLVIMENTO

É interessante definirmos o que vem a ser Centro de convenções: o local onde se organizam eventos, palestras, feiras, shows ou congressos. São grandes edifícios públicos com espaço bastante para acolher as empresas públicas e privadas em eventos sociais do município e áreas metropolitanas.

Pois bem, o termo “centro de convenção” é, também, por vezes empregado em referência aos locais e centros de exposições. Centros que reúnem toda a população no sentido de desenvolver as cidades em vários aspectos: turismo, economia e outros.

O Centro de Convenções está integrado a um projeto mais amplo que é atender os novos anseios de Aparecida de Goiânia, que será uma referência para o turismo, economia e desenvolvimento estadual.

O empreendimento vem num momento adequado, pois será um grande multiplicador e baseador de grandes eventos e empreendimentos da cidade, será nossa base para promover grandes eventos na área do empreendedorismo.

Nesse sentido, o Centro de Convenções colocará a cidade de Aparecida de Goiânia em condições de competitividade com outros estados e cidades para atração de grandes eventos, pois,

atualmente, não é possível captar seminários, exposições e feiras que tragam à cidade por falta de local adequado as necessidades.

A construção do Centro de Convenções é uma reivindicação antiga dos empresários, especificamente aos empresários da área de eventos e negócios. A cidade perde em competitividade no processo de atração de grandes eventos por não contar com esse equipamento, que agora vira uma realidade.

A construção do Centro de Convenções, além de injetar dinheiro na economia local, vai criar expectativas reais de geração de empregos e alavancar a economia local, além de uma questão lucrativa, é uma questão de desenvolvimento social.

A construção do Centro de Convenções de Aparecida de Goiânia, anunciada pelo governador Marconi Perillo, vai provocar uma “verdadeira revolução” na área de realização de eventos, multiplicar a quantidade de investimentos empresariais e em diversos setores. Avanço este no município de Aparecida de Goiânia nunca vivido.

Portanto, o anúncio do Governador “chega num momento extremamente importante para o nosso Estado porque o nosso destino passará a ter a mesma condição de competitividade que os demais. Parabéns Governador Marconi Perillo, seu governo é realmente para todos!

De modo geral, um centro de convenções deve contar, com salas, auditórios e salas de apoio para pelo menos 500 pessoas;

espaço adequado para registro e circulação dos participantes; áreas de alimentação, exposição e atendimento médico; sistemas de comunicação, iluminação e acústica eficientes e atentos à sustentabilidade; acessibilidade; e capacidade elétrica com sistema de geração paralela; entre outros.

Esta é uma inovação já que, até então nossa cidade não contava com o preciso Centro de Convenções, o que acredito piamente que irá alavancar nossa economia, nosso intelecto e a vida dos aparecidenses.

Observa-se que os centros de convenções dos mais variados tamanhos são construídos nas mais importantes cidades do mundo para dar apoio às atividades econômicas, culturais e comerciais, que estimulam a geração de renda, empregos e o desenvolvimento social.

Os mercados de eventos movimentam grande fluxo de viajantes. A demanda é grande e muito exigente em qualidade, acessibilidade e localização, além de opções agregadas de gastronomia e entretenimento. Aparecida de Goiânia merece, precisamos unir forças para conquistar muito mais por Aparecida de Goiânia.

1377495_554186097982870_824918380_n Maione Padeiro é advogado e presidente da ACIAG Jovem e colaborador do Portal Beatriz Iolanda.

APARECIDA SHOPPING – Um Novo Conceito De Desenvolvimento Sustentável

cidade1Por Maione Padeiro

Aparecida de Goiânia também ganhará um novo Shopping Center: o Aparecida Shopping, que está sendo construído na Avenida Independência, próximo ao Centro da cidade. Inovação para nosso Município, vez que, contribui efetivamente para o desenvolvimento econômico –social.

A primeira etapa do novo centro de compras terá 20 mil metros quadrados de área bruta locável,que abrigarão 180 lojas, das quais 4 âncoras e cinema com 5 salas, chegando a 45 mil metros na segunda etapa. Excelente espaço físico para receber nosos aparecidendes.

Mérito da equipe de sucesso ABL Prime, Marcos Mineo, responsável pela promoção do empreendimento, que tem como empreendedores da Saga Malls, JC Distribuição e Mará Participações. O investimento do grupo em prol de Aparecida de Goiânia é um marco para a nossa economia.

As obras estão a todo vapor, investimento total de aproximadamente R$ 180 milhões. Quando entrar em operação, o shopping deve gerar 1,5mil empregos. Alegra-nos ver nosso município crescendo, e muito melhor ver a população com melhor qualidade de vida, a geração de empregos é fator preponderante.

Atualmente há uma tendência de crescimento das classes C e D, a nova classe média, que têm o maior poder de consumo do País. A tendência é levar o varejo mais para perto dessas classes, ou seja, é o shopping se aproximando mais do consumidor. A popularização se faz necessária sim. Afinal a voz do povo é a voz de Deus.

A maior facilidade de acesso também motivou a instalação de um espaço de eventos na região próxima à divisa entre Goiânia e Aparecida., com toda infraestrutura de logística e fácil acessibilidade, com facilidade para o trânsito de pessoas, entre as BRs 060 e 153. Perfeita localização entre os pólos e o setor econômico de Aparecida de Goiânia. Ressaltamos ainda, a participação do Poder Público Municipal, que de pronto investiu na idéia e com total habilidade se prontificou a finalizar a parceria para a construção do Aparecida Shopping, proporcionando total apoio a todos os envolvidos para o desenvolvimento de nossa cidade.

Para nós cidadãos aparecidenses é motivo de imensa alegria, para nós empresários é muito bom realizar negócios que irão beneficiar toda a coletividade também. Estamos de portas abertas para fazer Aparecida de Goiânia crescer cada vez mais. A juventude agradece e participa! A ACIAG Jovem se coloca a disposição para contribuir e inovar no mercado. Trabalhamos incansavelmente em busca de oportunidades e igualdade para todos.

1377495_554186097982870_824918380_n Maione Padeiro é Presidente da ACIAG Jovem.

A ACIAG MULHER e o dia Internacional das mulheres: perseverança, força e atuação

73201314202A ideia de celebrar um dia da mulher já havia surgido desde os primeiros anos do século XX, nos Estados Unidos e na Europa no contexto das lutas de mulheres por melhores condições de vida e trabalho, bem como pelo direito de voto. Nesse tempo, a mulher não podia nada!

Atualmente, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo caráter comemorativo. Em 1975, foi designado pela ONU como o Ano Internacional da Mulher e, em dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adotado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das guerreiras.

Temos enfrentado diversas discriminações e adaptações em relação ao machismo social, como cuidar de casa e da família, a mulher está conseguindo superar as dificuldades e ainda administrar seu tempo a favor de suas atividades pessoais, profissionais e sociais.

Nós mulheres enfrentamos grande discriminação por aqueles que ainda acreditam que “lugar de mulher é no fogão, na pia, ou somente cuidando do lar” e por isso, nós enfrentamos o grande desafio de mostrar que apesar de frágil e doce a mulher também é forte, ousada e firme na tomada de decisões, sempre que necessário.

A mulher tem marcado as últimas décadas mostrando que competência no trabalho também é um grande marco feminino. Apesar de ser taxada como sexo frágil, a mulher tem se mostrado forte o bastante para encarar os desafios propostos pelo mercado de trabalho com disposição. Atuação é nome de muitas mulheres nos dia atuais.

A sensibilidade da mulher, tem grande colaboração nas influências humanas que se tenta propagar nos dias atuais, pois, como se sabe, o mundo passa por transformações rápidas que precisam de mudanças imediatas. O mundo atual pertence a mulher dinâmica, ativa e coerente com a sociedade.

A mulher consegue transmitir a importante e dura tarefa de mudar hábitos com a clareza e a delicadeza necessária para despertar o envolvimento de cada indivíduo e a importância da mudança de cada um, com poder ativo de motivação. O avanço feminino frente à política e à economia ainda mostra a força da mulher em perceber e apontar os problemas tendo sempre boas formas de resolvê-los.

A realidade do crescimento do espaço feminino tem sido percebida pela participação da mulher em diferentes áreas da sociedade que lhe conferem direitos sociais, políticos e econômicos, assim como os indivíduos do sexo oposto, que modéstia a parte estão aplaudindo de pé nossa atuação.

No cenário do empreendedorismo feminino, as brasileiras são o maior número de mulheres que tem empresas no mundo. Nós brasileiras buscamos o empreendedorismo pela flexibilidade de tempo que permite que elas cumpram suas funções tanto pessoais quanto profissionais com mais eficácia. Nesse ponto, a mulher é independente, perspicaz e muito competente.

O empreendedorismo virou um assunto da moda, discute-se muito o quanto o empreendedorismo pode mudar o mundo e como mulheres empreendedoras podem ser os canais desta grande mudança. Nós, mulheres, estamos empreendendo mais, fato comprovado.

Aparecida de Goiânia é o terceiro PIB no Estado de Goiás, é destaque no crescimento industrial, é fonte de recursos e não podemos deixar de citar que é inovação com a nova classe empresarial feminina. A ACIAG Mulher criada no ano de 2014 veio revolucionar e convidar a participação de nossa classe em prol do Município de Aparecida de Goiânia e do Estado. Aqui agradecemos a oportunidade ao nosso Presidente da ACIAG Oswaldo Zilli e ao Mentor do Projeto da ACIAG Mulher Maione Padeiro. Obrigada!

Precisamos encontrar novas oportunidades, precisamos de novos desafios. Queremos empreender naquilo que gostamos, precisamos delegar funções, adquirir experiências novas, inovar, alcançar metas e objetivos. Enfim, nós queremos inovar no processo econômico e provar que a mulher tem vez e força de vontade.

É com imensa alegria que nasce a força do empreendedorismo aparecidense, as novas parcerias, novos projetos além de novas oportunidades. Vamos desfrutar da força da mulher em prol da coletividade. Vamos a luta mulheres, a união é palavra chave. A ACIAG Mulher convida a todas as mulheres, mães, empresárias, empreendedoras, políticas a nos unirmos em uma só voz em favor da ACIAG e do Município de Aparecida de Goiânia.

1964214_620169991384480_1943659551_nLorena Ayres é Advogada, Assessora Parlamentar, Diretora da ACIAG Mulher

ACIAG BIÊNIO 2014/15: inovação, empreendedorismo e atitude

aparecidadegoianiaPor Maione Padeiro

Estamos vivendo um sonho. Uma história que foi idealizada por nós ACIAG, não me refiro apenas a eleição consensual, discutida por todos, mas o firme propósito de caminhar junto dos empresários aparecidenses e de toda a população direta e indiretamente.

Nessa semana, fomos empossados para o biênio 2014/2015, pretendemos fazer a melhor gestão, com o único intuito de somar idéias e experiências, atuar em prol de novos projetos, novas parcerias, com a missão de trazer novos associados, o nosso objetivo é a aglutinação em prol do Município de Aparecida de Goiânia.

A forma mais clássica e tradicional de se medir o crescimento econômico de um país é medir o crescimento de seu Produto Interno Bruto – PIB. O município de Aparecida de Goiânia conquistou avanço significativo no desenvolvimento econômico. Mais de 150 empresas de médio e grande porte foram atraídas para a cidade e isso tem provocado mudança positiva no cenário sócio-econômico.

A população é diretamente beneficiada, seja por meio da geração de empregos diretos, ou em forma de benefícios, como a pavimentação asfáltica, melhorias nas áreas de saúde, educação, segurança e outros serviços. Defendemos, pois isto é sustentabilidade, é coerência, é acreditar no Município. Defendemos qualquer tipo de melhoria que venha em benefício da coletividade.

A ACIAG e a ACIAG Jovem, tem procurado investir em novas idéias, tecnologias para suprir as deficiências do mercado, de

infraestrutura, contando com a parceria das empresas e o Setor Público. Atrair novos parceiros é vitória certa para todos nós, a interação social acaba por promover novos projetos, é um sonho que se torna realidade em nossas vidas.

As parcerias têm permitido levar alguns benefícios básicos para viabilizar o funcionamento das empresas alocadas nos distritos. Devido a grande demanda por áreas para instalação de novas empresas, a Secretaria de Indústria e Comércio estima que houve crescimento do PIB do município entre 20% e 30%, segundo dados da Secretaria de Indústria, Comércio, Trabalho e Tecnologia de Aparecida de Goiânia (SIC).

O Governo do Estado de Goiás, através da Secretaria Estadual de Indústria e Comércio nos recebeu de braços abertos para um diálogo maduro e sensato para firmar apoio a Aparecida de Goiânia em relação à prosperidade econômica. Estamos juntos em diversas discussões para a melhoria efetiva da economia e da qualidade de vida dos aparecidenses.

Estamos felizes e engajados neste projeto, precisamos unir forças, o momento é crucial, o foco é inovar no Município é fazer com que os novos associados estejam ao nosso lado, é atravessar todas as barreiras. É apresentar e executar as idéias, é alavancar a economia, é apoiar o micro e pequeno empresário, é capacitar os jovens para o mercado promissor.

Acredito que não podemos ficar aquém da realidade, mas podemos sonhar e realizar uma Aparecida de Goiânia melhor para se viver. E claro, impulsionar os empresários que acreditam no potencial da cidade. E por fim, não poderia deixar de citar a juventude empresária que necessita de apoio incondicional para continuar a crescer.

Termino este artigo com uma linda citação que acredito e pratico: “Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado”. Roberto Shinyashik. Vamos seguir, vamos acreditar, inovar, crescer, precisamos de muito pouco para fazer, precisamos lutar e fazer acontecer.

1377495_554186097982870_824918380_n Maione Padeiro é Presidente da ACIAG Jovem.

Sustentabilidade na economia aparecidense

aparecida5Por Maione Padeiro

Aparecida de Goiânia município brasileiro do Estado de Goiás, localizada na Região Metropolitana de Goiânia. Antes tida como cidade-dormitório, o município passa por um momento de transição, se consolidando como pólo industrial e concentrando empresas de grande faturamento nacional. Nesse diapasão, o comércio também é um ponto forte da região. A cidade conta com aproximadamente 13 mil empresas e mais de dois mil estabelecimentos do comércio varejista. Fato que vem contribuindo efetivamente para o desenvolvimento econômico social da cidade.

Em seus aspectos econômicos, 70% do seu território encontra-se hoje ocupado por grande proliferação imobiliária, cujos lotes e áreas diversas estão ocupados por moradias e setores industriais. Neste ponto contamos com a integração Poder Público e Setor Empresarial com intuito de alavancar a economia aparecidense.

Hoje, Aparecida de Goiânia, conta com 4 pólos industriais: o de Goiás, o principal, com 4 milhões de metros quadrados, que está 80% implantado; os dois que estão concluídos, com 300 empresas instaladas sendo o DIMAG – Distrito Industrial Municipal de Aparecida de Goiânia e o DAIAG – Distrito Agroindustrial de Aparecida de Goiânia e o de Aparecida, com quase 2 milhões de metros quadrados, o objetivo é a atração de empresas.

APARECIDA_DE_GOIANIA_FLICK_CRUVINEL
Foto: Cruvinel/Flicker

Nos pólos estão instaladas empresas que fabricam desde peças de veículos, a materiais de limpeza, alimentação e equipamentos hospitalares. A maioria delas implantou-se nos últimos cinco anos, quando o município passou a doar terrenos, pois dessa forma, o Município incentiva a vinda de novos empreendedores, isto é, sustentabilidade.

O intercâmbio comercial é realizado entre as cidades vizinhas, outros estados, outro ponto importante, é a geração de empregos diretos e indiretos que as empresas proporcionam para o desenvolvimento econômico, social e cultural de Aparecida de Goiânia. Ações com teor de sustentabilidade social e empresarial.

Atualmente, Aparecida de Goiânia vem se transformando em grande potencia econômica, a cidade foi das que mais cresceu nos últimos anos e continua em plena expansão. Alegria para nós que participamos dos projetos e trabalhamos para que eles aconteçam.

O crescimento e desenvolvimento econômico-social se deu em vários aspectos, em população é o segundo maior do Estado, na economia Aparecida tem o terceiro PIB, Produto Interno Bruto do Estado, ultrapassando os seis bilhões de reais com grandes perspectivas de ultrapassar 7,5 bilhões em 2014.

Além disso, tem cinco pólos empresariais, o segundo maior shopping Center de Goiás e milhares de comércios que geram mais de 100 mil empregos a população. Isto é, sustentabilidade Social que através de um conjunto de ações que visa melhorar a qualidade de vida da população.

Estamos lutando incansavelmente para o desenvolvimento sustentável de Aparecida  de Goiânia, em busca de novas idéias, projetos e conceitos. A união entre desenvolvimento econômico e o desenvolvimento social garante ao cidadão aparecidense novas perspectivas.

Dessa forma, estas ações devem diminuir as desigualdades sociais, ampliar os direitos e garantir acesso aos serviços que visam possibilitar as pessoas acesso pleno à cidadania.

1377495_554186097982870_824918380_nMaione Padeiro, advogado, 38 anos, solteiro, presidente ACIAGjovem (Associação Comercial Empresarial de Aparecida de Goiânia

.

O que é Perícia Judicial?

216_artigo_pericia_judicialPor Edson Júnior Santana

Pericia judicial é a forma de produção de prova por parte de um profissional que tem a indicação de um juiz, no caso o Perito Judicial é o profissional possuidor de diploma de grau superior ou provido de conhecimento técnico, científico ou artístico, na precisa expressão do chamado ”notório saber”, legalmente habilitado ou munido de parecer de suficiência emitido por entidade de reconhecimento público, dentro do território nacional, nomeado pelo Juízo para atuar em processo judicial que tramite em Varas e Tribunais de Justiça Regionais, Estaduais e Federais, com a finalidade de pesquisar e informar a verdade sobre as questões propostas, através de laudos.

Para atuar como perito judicial não é necessário prestar concurso público, nem estar vinculado a alguma instituição ou emprego.

 Podem ser peritos: os aposentados, profissionais liberais, funcionários públicos, empregados de empresas em geral, desde que sejam suas profissões regulamentadas por lei, como:economistas, engenheiros, arquitetos, contadores, administradores e médicos e demais profissionais.

A perícia, possui por suas principais características, entre as quais flexibilidade de horários para executar tarefas, prazos relativamente grandes de entrega do laudo e cunho solitário da atividade, pouco dependente de fatores externos, torna-se um dos principais atrativos aos que procuram segurança numa atividade profissional paralela. Essas características são pouco encontradas em outras áreas.

O perito é chamado pela Justiça para dar pareceres técnicos em processos judiciais, nos quais podem estar envolvidos pessoas físicas, jurídicas e órgãos públicos. O parecer técnico é dado através de um Laudo escrito, que será assinado pessoalmente pelo perito. O Laudo passa aser uma das peças que compõem um processo judicial.

O trabalho é remunerado, e em alguns casos cabe adiantamento de honorários, quando solicitados na forma correta e apropriada.

Não há horário fixo para o trabalho, podendo realizá-lo quando se dispõe de tempo. Como a atividade não exige exclusividade, há possibilidade do profissional estar empregado ou ter outras atividades e realizar perícias durante seu tempo disponível

A Perícia é sempre realizada para que a autoridade julgadora tenha condições de tomar uma decisão correta, imparcial e justa. Em se tratando de Perícia Judicial que totaliza 99% dos casos, ela é sempre determinada pelo Juiz julgador da questão, a pedido das partes ou por iniciativa própria do magistrado.

O Código de Processo Civil (CPC), em seu Art. 145 e seus parágrafos, define claramente o perfil exigido para a função pericial.

“Art.     145 – Quando a prova do fato depender de conhecimento técnico e cientifico o Juiz será assistido por perito, segundo o disposto no Art. 421.

$ 1º Os peritos serão escolhidos entre profissionais de nível universitário, devidamente inscritos no órgão de classe competente.

$ 2º Os peritos comprovarão sua especialidade na matéria sobre que deverão opinar mediante certidão do órgão profissional em que estiverem inscritos”

O artigo citado acima, por si só, determina o profissional que pode executar a função pericial. Tem que ser possuidor de Curso Superior, ser inscrito no respectivo Conselho e possuir conhecimento técnico e cientifico sobre a matéria que deverá opinar.

Atualmente se popularizou o nome da pericial judicial o termo da metonímia conhecido como “PERÍCIA CONTÁBIL”, como é do conhecimento dos economistas que militam nos diversos foros do Poder Judiciário, e para o conhecimento de quem inicia, esse termo muitas vezes vem sendo confundida como perícia de contador, de contabilista. A lógica, que vem de uma certa tradição dos cartórios contadores, é que se o trabalho trata de números, então é perícia contadora, sendo contadora, é contábil, sendo contábil, é de contabilista.

Por sua vez, a PERÍCIA ECONÔMICO-FINANCEIRA abrange a imensa maioria dos casos das pericias conhecidas como perícias contábeis. Exige, por exemplo, capacitação técnica para realizar estudos comparativos de índices e formação de indicadores econômicos, ao tratar da análise da correção monetária de contratos, de mercados e de setores econômicos nas avaliações de empresas, de custos e formação de preços, ao avaliar hipóteses de super faturamento em contratos entre partes.     Estes são alguns dos múltiplos conceitos necessários em economia e finanças, que ao final parecem resumir-se em simples cálculos financeiros, porém complexos e de atribuição exclusiva do profissional economista.

Para realização do trabalho é necessário que o perito esteja disponível e apto a desempenhar a função, e para iniciar tem que realizar o cadastramento nos órgãos judiciais.

O primeiro passo quando se deseja ser um perito é se qualificar e se preparar para tal função, fazendo cursos, participando de debates, executando leituras e se atualizando. Estando preparado é necessário dirigir-se ao local onde deseja realizar o seu trabalho e se cadastrar profissionalmente. Para realizar a perícia na Justiça do Trabalho deve comparecer as Varas de Justiça do Trabalho de sua jurisdição e, em Petição, solicitar ao Juiz de Direito da Vara do Trabalho a sua inclusão como Perito judicial, assim como em outras varas que o mesmo deseja atuar levando consigo os documentos solicitados por cada órgão.

EdsonEdson Júnior Santana
Graduado em Ciências Econômicas pela Faculdade Alves Faria (ALFA), possui MBA em Finanças Empresarias pela Faculdade Alves Faria (ALFA), possui vários cursos na área econômica – financeira e humanas.  Atualmente é Sócio – Diretor  da ACL Consultoria Econômica Ltda., atua como Perito Judicial nomeado na 2ª Vara da Fazenda do Tribunal de Justiça, atua como consultor de empresas em varias empresas na área de  diagnósticos econômicos e financeiros de empresas , planejamento estratégico a longo prazo; Professor universitário; Consultor e projetista para elaboração de  projetos de viabilidade econômica e financeira (FCO, BNDES, Produzir, Funmineral, PROGER e outros); Perito e assistente judicial para casos econômicos e financeiros.