Todos os post de Beatriz Iolanda

BEATRIZ IOLANDA PEIXOTO DE FREITAS: Economista, Palestrante, Consultora Empresarial, Escritora, Roteirista, Colunista e Professora Universitária.

4 coisas que os ricos não falam e você também não deveria

Falar com pessoas que ascenderam financeiramente por causa do empreendedorismo é uma experiência diferente. A confiança vai além do que está na carteira: a característica tem a ver com as atitudes e o jeito de falar desse grupo de pessoas. Ao perceber isso, o americano Steve Siebold escreveu o livro “How Rich People Think” (“Como Pessoas Ricas Pensam”, em tradução literal), destacando elementos além do dinheiro que separam os ricos de todo o resto. Isso inclui algumas frases que eles não dizem, listadas no site “Business Insider”. Saiba quais são elas:

1 – “Não consigo bancar a minha ideia”
Muitos empreendedores têm grandes ideias que, na maioria das vezes, não são colocadas em prática por acharem que não terão dinheiro o suficiente para seguir adiante. Quando uma pessoa rica tem uma ideia que sabe que não poderá bancar, ela geralmente encontra outras formas de financiá-la, sem deixar a ideia de lado.

2 – “Não mereço ser rico”
Ainda tem muita gente que acredita não merecer ter mais dinheiro do que o necessário para levar uma boa vida. Já as pessoas ricas pensam da seguinte forma: “por que não eu?”. Essa crença faz com que eles se sintam muito mais motivados para perseguirem seus sonhos

3 – “Posso perder tudo”
Em vez de verem a perda como algo ruim, os ricos a enxergam como uma experiência com a qual podem aprender. Para eles, todo investimento requer estratégia e conhecimento dos benefícios e consequências. Quanto mais tentativas e aprendizados, menor é o risco de perda.

4 – “Odeio o meu trabalho”
A maioria das pessoas se arrasta todos os dias para trabalhos dos quais não gostam até que chegue o momento de se aposentarem. Os ricos sabem que o segredo da riqueza é o “combo” paixão e esforço. A primeira é o combustível para o segundo. Uma vez que você faz com que você gosta e com vontade, tudo se torna possível.

Fonte: PEGN
Link: http://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2015/03/4-coisas-que-os-ricos-nao-falam-e-voce-tambem-nao-deveria.html

Trindade no foco do Grupo Peixoto de Freitas

Comunicado da presidente do Grupo Peixoto de Freitas, Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas:

O Grupo Peixoto de Freitas está dando andamento ao futuro empreendimento de grande porte em Trindade, cidade carinhosamente conhecida como Capital da fé e da Prosperidade. Queremos levar nosso projeto acima de tudo, com objetivos sociais, gerando riqueza e levando emprego e renda onde vamos.

Gostaríamos de agradecer à Prefeitura de Trindade em nome do Ilustríssimo Prefeito Jânio Darrôt e aos empresários locais, pelo apoio e confiança sempre a nós ofertado e prometemos devolver toda este incentivo da maneira mais nobre possível.

Oportunamente, estivemos a visitar alguns locais prováveis de investimento e estamos completamente encantados. Um mundo de oportunidades e desenvolvimento brevemente será vislumbrado neste município se depender do nosso Grupo.

Agradeço a todos que confiam em nossa capacidade, pois estamos sempre levando o desenvolvimento onde vamos, sonho este que começou com a história empreendedora de meu saudoso avô Athayde Peixoto de Freitas e perpetua neste grupo através dos tempos, passando de geração em geração. Assim como meu avô esteve a frente um dia, hoje eu tomo o lugar dele com o compromisso de continuar o trabalho que tão belamente ele começou!

Aproveito para dizer que nosso projeto de instalação em Inhumas no Distrito Industrial Athayde Peixoto de Freitas (que levou o nome em homenagem ao meu avô) está no aguardo de ajustes finais para instalação  de uma das nossas indústrias.

PS: Aprecie logo após o texto algumas foto dos locais de instalação.

Muito obrigada a todos!

Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas
Presidente do Grupo peixoto de Freitas
EMPREENDEDORISMO É O NOSSO FOCO!

10 dicas para lidar com colegas de trabalho ‘difíceis’

Todos os profissionais têm colegas na empresa e sabem como a convivência é importante para ter um bom ambiente de trabalho. Mas algumas pessoas enfrentam dificuldades para lidar com outras.

Pode ser o jeito de falar, de trabalhar, de lidar com problemas ou mesmo uma falta de compatibilidade. Tudo isso pode atrapalhar, e muito, o andamento do trabalho.

Segundo Lynn Taylor, especialista em ambiente de trabalho e autora do livro “Como gerenciar um chefe com comportamento infantil e prosperar no seu trabalho”, existem alguns comportamentos que podem melhorar o dia a dia no escritório ou, pelo menos, evitar o estresse entre os colegas.

Veja abaixo 10 dicas para melhorar o relacionamento com um colega de trabalho difícil:

1 – Seja gentil e diplomático:
Comece e termine a conversa de uma forma amigável e gentil. Todas as questões a serem discutidas deve ficar no meio da conversa. “Seja paciente e gentil em suas palavras. Pratique, se necessário”, afirma Lynn.

2 – Mantenha a calma:
Tente ser um modelo de profissionalismos. “Você quer que a sua abordagem funcione, então é necessário ser estratégico”, ressalta Lynn. O profissional também pode ter um período para ‘retomar’ a calma.

3 – Não rebata fogo com fogo:
“Evite uma batalha de inteligência”, aconselha Lynn. Também não adianta aumentar o volume da música, no fone de ouvido, ou bater no teclado enquanto digita. A melhor forma é tentar resolver o problema para ter um ambiente de trabalho harmonioso ou, pelo menos, sem brigas e disputas.

4 – Seja discreto e direto:
Fale com o seu colega de trabalho em um local privado para tentar evitar ainda mais atrito. “A bondade é um longo caminho que deve ser trabalhado por semanas, meses ou anos”, afirma Lynn.

5 – Antecipação:
O profissional pode tentar antecipar o que vai incomodá-lo para contornar o problema sempre que possível. Medidas preventivas podem fazer a diferença no dia a dia de trabalho.

6 – Não se sinta culpado:
Todos têm o direito de falar o que sentem sem sentir remorso depois. Segundo Lynn, se o profissional for educado e compassivo na hora de conversar com o colega, ele está fazendo a coisa certa e não deve se sentir mal depois.

7 – Tente ser compreensivo:
O profissional deve ser sensível para entender que as pessoas não são perfeitas. Lynn lembra que ninguém está imune a hábitos que podem irritar os outros.

8 – Use o Bom humor:
A situação de irritação pode ser uma boa oportunidade para usar o humor e tentar diminuir a tensão.

9 – Mantenha a positividade:
“Tente ficar otimista, apesar de loucura. Dessa forma, é mais provável que o profissional consiga algum tipo de cooperação”, ressalta Lynn.

10 – Tire uma pausa:
O profissional deve considerar uma pausa para mudar os ares e não se estressar com o colega em questão. “Ele deve voltar mais relaxado para continuar”, diz Lynn.

Fonte: G1
Link: http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2015/06/veja-10-dicas-para-lidar-com-colegas-de-trabalho-dificeis.html

Seja o Melhor com Sessões de Desenvolvimento Pessoal e Profissional

Serviços direcionado aos empreendedores e negociadores.
O Desenvolvimento pessoal vem se tornando um fator importante para o mercado atual. Além de oferecer base e provocar consequentemente o desenvolvimento profissional de forma natural, eficaz e rápida.
O desenvolvimento pessoal aplica: programação neurolinguística, instrução pessoal direcionada, técnicas de inserção (pessoais e profissionais), dentre outras opões de melhoria contínua.
Dados:
– Sessões individuais, duplas ou pequenos grupos.
– Sessões de 45 minutos.
– Opções para atendimento domiciliar.
– Sigilo quanto a prestação do serviço.
– Os preços variam pois temos convênios com algumas instituições.
Maiores informações no fone: 55 (62) 98619 1151 (Whatsapp).

Palestras-show: um show de horrores!

Com certeza você já deve ter frequentando alguma palestra em que saiu motivado, mas não sabendo absolutamente nada para aproveitar na tua vida de empreendedor. Isso acontece com mais frequência do que imaginas… Já participei de vários eventos (Palestras, seminários etc) em que saí imaginando: “Meu Deus! Que perda de tempo!”

O problema dos eventos atualmente, principalmente palestras é o quesito motivacional e ridículo que algumas tem assumido. As palestras “entraram na onda” de palestra-show e na verdade virou um show mesmo… que está mais para espetáculo de horrores.

O objetivo de uma palestra é sempre passar informações e abrir a mente de quem vai assisti-la, deixando o ouvinte mais preparado e mais informado para o mercado de trabalho. porém, os eventos que vejo na atualidade se entrenharam nos caminhos da “Coachietagem meia boca” (Coach de ponta de esquina) e viraram palhaçada constante.

Volta e meia algum aluno, cliente ou amigo me envia convite pra assistir “Palestra-show”. Logo penso: “vai ter um idiota falando de motivação e fazendo palhaçada e no final das contas vou perder no mínimo uma hora da minha vida em que eu poderia estar a assistir um evento de qualidade, lendo um livro ou discutindo idéias com pessoas que realmente valem a pena.”

As pessoas hoje se empolgam com bobagens e eventos sem nenhum acréscimo às suas vidas. Se encantam com as palavras de “mude a sua vida!” e no final das contas pagam por um evento ridículo e sem nenhum crédito e depois disso ainda saem achando que estão preparadas para o mercado.

É preciso cuidado com os eventos que frequentamos, porque perdemos tempo e dinheiro que poderiam serem gastos de outras formas muito mais bem formuladas e agregadoras. Um evento que parece espetáculo, não é evento, é show de circo!

 Um ótimo feriado a todos!

Beatriz Peixoto
Economista
(Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas)
EMPREENDEDORISMO É O NOSSO FOCO!

QUIZ – Que tipo de negociador você é?

Que tipo de negociador você é? O mundo tem vários perfis de negociadores, porém existem alguns em maior quantidade ou que dominam em maior parte a personalidade do empreendedor. Com um simples teste, podes saber mais sobre esse teu lado negociador.

Abraços a todos!

Economista Beatriz Peixoto
(Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas)
EMPREENDEDORISMO É O NOSSO FOCO!

OBS: Todos os direitos reservados ao Portal Beatriz Iolanda

Para saber mais sobre você mesmo escolha sem pensar uma das construções abaixo:

Resultado:

01) Se você escolheu a número 01, então és alguém que prima pela negociação onde todos saiam ganhando, quer satisfazer as tuas necessidades sem prejudicar ninguém. Porém cuidado! Podes, nessa onda de bondade e solidariedade, acabar por ficar como o “idiota das negociações”

02) Se você escolheu a número 02, então és alguém completamente frio e calculista em qualquer decisão. Em negociações isso é muito bom, pois foca exatamente no ponto crucial onde queres chegar. Porém cuidado com o exagero de objetividade. Podes deixar passar grandes oportunidades de network.

03) Se você escolheu a número 03, então és um negociador bem forte e decidido, casa admiração com as pessoas que estão contigo nestes empreendimentos e aventuras empresariais. Força e Foco são seus pontos chaves e geralmente se dá bem em qualquer barganha.

04) Se você escolheu a número 04, então és alguém qe geralmente não se prepara o suficiente para negociar e quase sempre acredita que apenas o teu charme vai salvar a situação, mesmo que seja periclitante. Não é vergonha pedir ajuda a terceiros quando dela (ajuda) precisar.

 

Como identificar um líder?

O líder que se que explica com objetividade e exemplos o que espera de sua equipe, em vez de só falar em valores vagos e abstratos, é mais do que um chefe, segundo a consultora de empresas Maria Cristina Gattai. “É o líder”, afirma ela. “Ele não se limita simplesmente a uma posição que ocupa na empresa. Porque sabe que liderança é, antes de tudo, uma questão de atitude”.

A seguir, o que faz o “líder” diferente do chefe tradicional.

1. Colabora para o desenvolvimento individual dos profissionais

Em vez de encaminhar os funcionários para treinamentos planejados e conduzidos pelo RH, o líder chama para si a responsabilidade pela formação e aperfeiçoamento de sua equipe. “Ele direciona as pessoas para o aumento de performance por meio da identificação do que cada um faz melhor”, afirma ela. “Faz parte de seu trabalho desenvolver talentos”.

2. Mostra o destino, mas deixa o outro trilhar o caminho

O líder define as metas com clareza e guia os funcionários para que as atinjam. Porém, não fala como e quando cada um deve fazer para alcançá-las. “Quando o chefe dá a receita, tira a responsabilidade da pessoa pela tomada de decisão”. O que ele faz é ajudar a equipe a buscar soluções próprias.

3. Pratica os valores

Falar sobre os valores de uma empresa pode soar como algo vago e suscitar variadas interpretações. Dizer que proatividade ou lealdade de seus funcionários pode significar atitudes diferentes no entendimento de cada um deles. Portanto, o líder deve se empenhar traduzir em ações o tipo de conduta que espera de seu time. “Ele pode criar indicadores para avaliar se os valores estão sendo cumpridos”.

4. Faz primeiro e depois cobra

“Faça o que eu digo, mas não faça o que eu falo” não serve para um líder. Para ser seguido e respeitado – e não apenas aceito por uma imposição hierárquica –, ele precisa aplicar os conceitos que prega em suas atitudes cotidianas.

5. Sabe o que quer

Além de saber o que quer, sabe como comunicar e engajar todos no mesmo propósito. “O chefe que não se preocupa em desenvolver uma meta comum, acaba formando uma equipe que se perde no individualismo das pessoas”. O líder tem claro para si o que os funcionários devem atingir e os ajuda com orientações constantes e práticas.

6. Assume que o erro é nosso, o acerto é seu

O líder se empenha no desenvolvimento de cada um individualmente. Para isso, deve premiar o grupo por meio de indicadores de performance e resultados. Já os erros, são responsabilidade de seu próprio trabalho. “O chefe tradicional faz sua gestão reforçando os erros – e não os acertos”.

7. Oferece feedbacks constantes.

Seções formais de feedback servem para o chefe que não tem segurança ou conhecimento para ser assertivo no momento em que a conduta dos subordinados sai dos trilhos. “O líder atua no dia a dia através de conversas em tempo real, conduzidas de maneira informal e rápida (de cinco a dez minutos)”, diz a consultora. Com isso, o comprometimento do grupo tende a aumentar, assim como o desenvolvimento individual de cada um, que saberá exatamente os pontos a serem trabalhados.

8. Investe na diversidade

O líder tradicional busca pessoas que tenham um perfil semelhante ao seu para compor sua equipe de trabalho, segundo Cristina. Já o gestor com postura de coach reconhece que as diferenças entre um e outro podem contribuir para uma equipe mais forte e completa. “Ele explora o que há de melhor em cada estilo para compor um time vencedor”.

9. Dá liberdade à equipe

Saber delegar é uma característica do líder. “Na sua delegação, ele transfere autoridade às pessoas comprometidas e competentes”. Ao final, a responsabilidade sobre o trabalho do grupo volta a ser dele. Já o chefe tradicional não delega as tarefas porque é inseguro e tende a acreditar que, se o fizer, o funcionário terá a chance de se destacar mais do que ele, segundo Cristina.

10. Conhece sua equipe
Enquanto o chefe tradicional se preocupa com a tarefa a ser executada naquele momento, o líder tem uma visão mais ampla de seus subordinados e atividades. “Ele conhece as qualificações e capacidades de cada integrante de seu time”, afirma a consultora. “E mantém essas observações atualizadas, já que a equipe está sempre se desenvolvendo.”

11. Forma sucessores

Dizem que bom professor é aquele que ensina o aluno a ponto de ser superado por ele. Este seria o líder. Alguém que colabora na construção da maturidade profissional dos subordinados, reconhecendo em que aspectos cada um precisa melhorar. Enquanto o líder tradicional está preocupado em manter seu emprego e se mostrar imprescindível para a organização, o líder deixa sucessores prontos a assumir seu posto quando necessário.

Via Época Negócios

9 truques para impressionar quem acabas de conhecer

Alguns especialistas acreditam que a maior parte do seu sucesso não vem só através de seus conhecimentos, mas sim de seus contatos. E sabendo da máxima “a primeira impressão é a que fica”, coletamos algumas dicas de como impressionar rapidamente pessoas que você acabou de conhecer. Elas podem ser extremamente úteis em uma entrevista de emprego ou em um primeiro encontro:

1. Não se intimide

Os primeiros segundos de um primeiro encontro são marcados por reações instintivas – muita gente entra em um modo apelidado de ‘luta ou fuga’ ou ‘fica na defensiva’. Mas são nestes primeiros momentos que fazemos avaliações imediatas inconscientes da outra pessoa (afinal, também estamos na defensiva) e elas variam de acordo com a segurança que sentimos. Esteja consciente de seus sinais e certifique-se de não parecer assustador ou assustado.

2. Respeite os limites

Preste atenção no espaço pessoal e respeite os limites dos outros. Em caso de dúvida, siga as pistas que a outra pessoa der: se ela se inclinar, você se inclina, e assim sucessivamente. Lembre-se que os conceitos de espaço pessoal variam de acordo com cada pessoa.

3. Cumpra as expectativas

Você já conheceu alguém pela internet e, quando finalmente encontrou a pessoa, ficou completamente decepcionado? Em época de Tinder essa situação é extremamente comum. E, às vezes, a pessoa pode até ser bacana – mas é tão diferente do que deixou passar por mensagens que a decepção é inevitável. Evite causar o mesmo tipo de sensação deixando clara, desde o primeiro contato, qual é a sua personalidade e seguindo com ela no primeiro encontro. Ou no caso de uma entrevista de trabalho, não invente uma persona que não condiz com você: são poucas as pessoas que conseguem interpretar papéis com sucesso em situações como essa e as chances de que os entrevistadores percebam que você está sendo falso são grandes.

4. Seja positivo

Sorrir, manter contato visual… tudo isso parece óbvio. Mas, garantimos, funciona. Na hora de explicar situações ou contar histórias, mostre bons sentimentos como gratidão em vez de ressaltar como você ficou frustrado/irritado. Crie imagens positivas – e elas serão associadas com você.

5. Gerencie seu humor

As pessoas são atraídas pelo humor, entusiasmo e confiança mais do que raiva, arrogância e impaciência, isso é óbvio. Mas você sabia que, ao projetar a positividade da qual falamos no tópico anterior, você consegue alterar o próprio humor? Digamos que você esteja nervoso e tente projetar calma – ao fazer isso, são grandes as chances de que seu coração desacelere e que você consiga se manter mais relaxado.

6. Esteja em sintonia

Certifique-se de que suas palavras, tom de voz e linguagem corporal estão todos dizendo a mesma coisa. Não adianta sorrir e se mostrar um cara calmo se a sua perna está tremendo sob a mesa. Mensagens misturadas podem confundir e fazer você perder a credibilidade.

7. Seja curioso

Dê abertura para a outra pessoa falar também, se mostre curioso e faça perguntas. Esteja interessado: as pessoas gostam de se sentir importantes. E, convenhamos, em uma entrevista de emprego ou em um encontro, uma conversa é muito mais agradável do que uma sessão de perguntas e respostas.

8. Pense sobre você

Ok, não estamos dizendo pra você ter um texto decorado. “Meu nome é fulano, tenho X anos, trabalho com Y…”, mas ter alguns tópicos importantes sobre a sua vida memorizados pode ser um diferencial naquele primeiro momento constrangedor do encontro/entrevista. Fale sobre o que você está fazendo da sua vida, o significado que isso tem para você e a diferença que aquele encontro/entrevista pode fazer. De novo, não de forma ensaiada. Pense nisso não como um discurso de vendas (no qual o produto é você), mas como uma mini-apresentação envolvente.

9. Faça valer a pena

Trate cada contato que você faz como se fosse a coisa mais importante que você já fez – mesmo um encontro que não deu lá muito certo. Ok, ele não vai render em um namoro – mas educação nunca é demais. Vai que você encontra essa pessoa na próxima empresa em que for trabalhar?

Via The Muse

QUIZ – Você está preparado para prestar um concurso?

Muitas pessoas alegam estarem preparadas para fazer um concurso, mas será que isso realmente é verdade?
Faça o teste e descubra…
Abraços a todos!

Economista Beatriz Peixoto
(Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas)
EMPREENDEDORISMO É O NOSSO FOCO!!!…

Você está animado para prestar um concurso?

Iniciar
Parabéns - Você terminou Você está animado para prestar um concurso?. Você fez %%SCORE%% de %%TOTAL%%. Sua média é: %%RATING%%
Your answers are highlighted below.
Return
Shaded items are complete.
12345
678910
Fim
Return

Odeia fazer networking? Veja dicas para começar uma rede de contatos

Seja para manter contato com outros colegas ou procurar um novo emprego, muitas pessoas usam o networking para ficar atentas ao que acontece no mercado de trabalho. E quem não sabe como manter uma rede de contatos? E quem odeia esse método?

O Business Insider, site de carreiras norte-americano, listou 10 dicas para que esses profissionais comecem a aproveitar a ferramenta que é cada vez mais útil para a carreira. Veja abaixo:

1) Se conectar parece difícil, comece reconectando
Um bom primeiro passo é se reconectar com amigos antigos, seja da faculdade, da infância ou do trabalho. Segundo Adam Grant, autor do livro “Give and take” (Dar e receber, em português), em alguns casos, retomar esses contatos pode até ajudar mais do que procurar os profissionais mais próximos.

2) Mexa-se
A maioria das pessoas dá desculpas para evitar o networking. Umas falam que são tímidas ou que têm vergonha de falar com desconhecidos. Se é o seu caso, pode ser algo simples de resolver. Vale pensar em diferentes possibilidades e abordagens no ambiente de trabalho.

Jeffrey Pfeffer, professor da Stanford’s Graduate School of Business e autor do livro “Power: Why some people have it and others don’t” (Poder: por que algumas pessoas têm e outras não?), conta a história de um gerente que atribuía seu sucesso a uma decisão sobre onde se sentar no escritório. Ele notou que durante o dia muitas pessoas iam para o refeitório e banheiro e encontrou um ponto em que os caminhos se cruzavam, passando a trabalhar neste local. Segundo ele, a simples mudança fez muita diferença e ele passou a ter mais acesso ao que acontecia no departamento.

3) Descubra suas ‘superconexões’
Quando algumas pessoas são responsáveis por um grande número de contato e oportunidades na sua vida profissional, elas podem ser considerados “superconexões”. Depois de identificar quem são, você precisa se lembrar de como se encontrou com elas. Isso vai ajudá-lo a colocar em prática, novamente, as táticas utilizadas para ficar perto desses contatos principais.

4) Comece um ‘fundo para pessoas interessantes’
Fazer um bom networking pode custar caro. Happy hours, almoços e jantares são boas opções para manter contato com outros colegas. Portanto, você pode criar uma reserva financeira para esses gastos e, quando houver um convite para alguma reunião de negócios, você não terá desculpa para não ir.

5) Três questões de ouro
Os profissionais desejam que a reunião seja amistosa e pessoal, mas também querem estabelecer as bases de uma relação que será benéfica para ambos.

Segundo Judy Robinett, autora do livro “How to be a power connector” (Como ser um conector, em português), antes de deixar qualquer encontro, confira se respondeu três perguntas: “como posso ajudá-lo?”, “quais ideias você tem para mim?”, “quem mais você conhece que eu deveria falar?”.

Ao responder essas questões, você percebe que a reunião foi produtiva, com a troca de ideias e experiências, além de até conseguir novos contatos.

6) Como não ser desprezível
Quando se tratam de relações comerciais, é importante parar de pensar na palavra “negócio” e focar em “relacionamentos”. Ser amável, curioso e generoso contam muitos pontos na hora do networking. Procure estar envolvido na conversa, demonstrar entusiasmo e fazer perguntas. Pessoas que criam esse tipo de energia positiva conseguem atingir grandes objetivos.

7) O favor de 5 minutos
Um dos maiores problemas que as pessoas enfrentam na hora do networking é como continuar essa relação. O que deve ser feito depois do primeiro encontro profissional? A melhor forma é pensar na outra pessoa primeiro e fazer alguma coisa por ela, um pequeno favor. Para quem ajuda isso significa oferecer apenas alguns minutos do seu tempo, já para quem recebe pode ser um grande benefício.

8) Consolidar a relação pedindo um favor
Pedir favores pode ajudar a fortalecer o vínculo entre os profissionais. A medida ajuda a criar uma relação entre pessoas que antes não tinham nada em comum. Isso também pode ser usado para se aproximar de colegas com quem você tem problemas ou pouca afinidade.

9) Dicas dos melhores
Segundo Adam Rifkin, considerado o melhor “networker” do Vale do Silício em 2011 pela revista “Fortune”, é preciso fazer pequenas coisas para se aproximar de outros profissionais todos os dias, como um hábito. Quanto mais você fizer, melhor se sairá.

Outra dica de Rifkin é manter a rede de contatos sempre ativa e não somente quando há necessidade. Caso você seja despedido, já tem uma lista de 5 a 10 pessoas para quem recorrer pedir conselhos.

10) Forme comunidades
Bons “networkers” constroem pontes, tornam-se pilares da sua rede de contatos e formam comunidades. Para manter o relacionamento constante, você precisa ter encontros regulares com diferentes grupos e sempre manter a conversa em dia.

Fonte: G1
Link: http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2014/08/odeia-fazer-networking-veja-dicas-para-comecar-uma-rede-de-contatos.html

QUIZ – Você é um chefe insuportável?

Muitos chefes ruins nem sabem o quão ruins são!
Isso se torna um problema terrível para os empregados e podem se transformar em horas de terror…
Façamos um teste para descobri se você é um chefe ordinário e poder tomar as devidas providências para que o problema seja sanado!
Abraços a todos!

Economista Beatriz Peixoto
EMPREENDEDORISMO É O NOSSO FOCO!

Você é um chefe insuportável?

Iniciar
Parabéns - Você terminou Você é um chefe insuportável?. Você fez %%SCORE%% de %%TOTAL%%. Sua média é: %%RATING%%
Your answers are highlighted below.
Return
Shaded items are complete.
12345
678910
Fim
Return

QUIZ – Você está preparado para empreender?

Muitos querem empreender neste novo mundo cheio de oportunidades…
Mas estás realmente pronto para encarar este desafio?
Façamos um teste para descobrirmos!!!…

Abraços a todos!
Economista Beatriz Peixoto

Você está preparado para empreender?

Muitos querem empreender neste novo mundo cheio de oportunidades... Mas estás realmente pronto para encarar este desafio?
Iniciar
Parabéns - Você terminou Você está preparado para empreender?. Você fez %%SCORE%% de %%TOTAL%%. Sua média é: %%RATING%%
Your answers are highlighted below.
Return
Shaded items are complete.
12345
678910
Fim
Return

Doações para cursos de capacitação da população carente

Caríssimos amigos,

O Portal de Negócios sempre oferece alguns cursos de forma gratuita aos empreendedores mais necessitados e que não podem pagar. Nestes cursos tentamos fornecer todo o material pois a maior destes novos empreendedores são pessoas mais necessitadas.

Os cursos oferecidos gratuitamente geralmente são: Empreendedorismo, Vendas e Atendimento ao Cliente, podendo variar para outros cursos caso seja necessário.

Gostaríamos da colaboração da população seja com doação de papel, canetas, fotocópias de apostilas ou algum brinde que possa tornar o curso mais proveitoso para esta parte da população empreendedora que precisa de uma oportunidade.

Caso tua empresa ou até tu mesmo queira contribuir, teremos o prazer de divulgar tua marca ou teu nome (caso seja tua vontade). Apenas doe!

Para maiores informações sobre os cursos e o procedimento das doações entre em contato pelo fone:
+55 62 98619 1151 (Whatsapp)

Agradecemos todo o apoio e confiança que sempre foi dado ao Portal Beatriz Iolanda.

Beatriz Peixoto
Economista
(Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas)

Capacitação: A arma mais agressiva do Mercado de Trabalho

Na atualidade, a capacitação tem se tornado fator determinante na conquista de uma boa posição de trabalho. Com a dinamização e pulverização das informação através da globalização, fator este influenciado definitivamente pelo acesso à internet, tornou-se cada dia mais importante acompanhar as mudanças que são feitas no mercado.

O trabalhador atual precisa cada dia mais estar atento ao que se utiliza no momento do teu ofício. Novas ferramentas e fontes de informação são criadas todos os dias e da mesma forma que estas podem se tornar suas maiores aliadas, também podem se tornar um fardo quando o mesmo (trabalhador) não tem conhecimento ou não sabe lidar com elas.

Usualmente, tende-se a se capacitar para isso procura-se fontes que possam fornecer tal conhecimento. Mas cuidado! É preciso verificar se a fonte de fornecimento de todas essa capacitação é confiável. no mundo globalizado atual o que vale é o conhecimento e como ele é aplicado.

Capacite-se sempre! isso é fator de corte no mundo profissional e a capacitação, com certeza, é tua maior aliada na busca de uma boa colocação no mercado de trabalho!

Abraços a Todos!

Beatriz Peixoto
Economista
(Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas)

Vende-se grande área urbana em Inhumas

Vende-se uma área referente a uma chácara situada ao lado da Praça do Estudante no município de Inhumas.
A mesma possui ainda um pomar e uma plantação de jabuticabas com 40 pés.
Venda direta

DADOS:
– 17 mil Metros quadrados
– Preço  do m2 : R$600,00 (Seiscentos reais)
Cálculo: R$10.200.000,00 (Dez milhões e duzentos mil reais)

Fechamos pelo valor de 10 milhões de reais.
Pagamento à vista e no dinheiro (não aceitamos nem imóveis e nem automóveis no negócio).

Contato: +55 62 98619 1151 (Whatsapp)

 

O poder do segredo nos negócios

Via de regra, o pensamento positivo tem demonstrado resultados eficientes no que diz respeito ao sucesso no empreender.  Nada é mais desolador que alguém, a quem você expôs teus sonhos rebater tua fala com “abertura de coração” com algo desanimador como: “Eu acho que isso não vai dar certo!“.

Sabe quem está errado nisso tudo?… Você!

Temos a cultura de disseminar aos 4 ventos tudo o que pretendemos fazer. Isso não seria errado, se a cultura vigente não fosse o pessimismo.

A questão principal é saber diferenciar realmente as opiniões de quem realmente tem experiência no assunto e se estas vale a pena ouvir. Lembrando sempre que a opinião é dada a partir do momento em que você dá a liberdade para que a pessoa opine.

Em miúdos seria o seguinte: Se não queres opinião não dê espaço para que terceiros opinem no teu negócio. E grande parte desse segredo empreendedor cabe a ti proteger. Você é a ferramenta mais importante no processo que leva ao sucesso do teu negócio.

Não anuncies os próximos passos que pretende seguir na caminhada da tua estratégia. No mundo não existem somente boas pessoas que pensam em te ajudar e te fortalecer. Os “haters” (pessoas que te odeiam sem nenhum motivo) estão sempre prontos a denegrir tua imagem, teu negócio… e isso vale para a vida pessoal também!

A surpresa é algo que fascina os consumidores e deixa os concorrentes a “ver navios”. Então, invista muito no quesito “segredo empresarial” e verás que o teu negócio, por menor que possa parecer, dará passos largos em direção ao sucesso.

Abraços a Todos!

Economista Beatriz Peixoto
(Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas)
EMPREENDEDORISMO É O NOSSO FOCO!

Terceirização pode reduzir vagas para deficientes

Por Nathália Larghi, O Estado de S.Paulo

Com o objetivo principal de permitir a terceirização de funcionários que realizam a atividade fim de uma empresa – como os padeiros em uma padaria, professores em uma escola ou advogados em um escritório de direito -, a lei número 13.429 pode impactar negativamente uma outra norma: a de cotas para deficientes.

Organizações de apoio às pessoas com deficiência temem que a Lei da Terceirização incentive empresas a substituírem empregados contratados por trabalhadores de terceirizadas. Desta forma, diminuiria o número de deficientes que elas são obrigadas a contratar segundo a Lei de Cotas, que prevê que todas as empresas com mais de 100 funcionários, preencham de 2% a 5% dos seus cargos com esses trabalhadores.

“Se a empresa tiver 100 funcionários e terceiriza parte dessa mão de obra, ela sai da Lei (de Cotas). Mesmo nas que não saem, ao terceirizar uma parte dos serviços, a porcentagem de deficientes que precisa ser contratado cai”, explica Rodrigo Rosso, presidente da Associação Brasileira das Indústrias e Revendedores de Produtos e Serviços para Pessoas com Deficiência (Abridef).

O senador e ex-jogador de futebol Romário Faria (PSB-RJ), ativista na causa dos deficientes, é um dos que acreditam que companhias vão preferir substituir os empregados contratados por prestadores de serviços para escapar do cumprimento da legislação.

Em nota por meio de sua assessoria de imprensa, o senador explica que ainda existem muitos empresários que acreditam que empregar pessoas com deficiência implica em prejuízos, seja pelos gastos com acessibilidade ou por associarem as limitações à incompetência.

Por outro lado, há quem entenda que os impactos da terceirização serão limitados, já que aquele profissional que pode substituir o empregado contratado tem vínculo empregatício com a empresa que terceiriza, que também deverá cumprir a lei.

“Caso as companhias optem pela terceirização da sua mão-de-obra, consequentemente, aumentará a demanda das empresas prestadoras de serviços. Então, elas também terão que contratar mais empregados CLT, e estarão igualmente sujeitas ao cumprimento da cota”, diz Eliane Gago, sócia da DGCGT Advogados. Ela também ressalta que é precipitado assumir que a substituição maciça dos funcionários contratados será uma tendência.

O raciocínio, no entanto, foi questionado por outros especialistas, que acreditam que os funcionários virão de várias terceirizadas menores, que podem não entrar na legislação dos portadores de deficiência, ou precisar cumprir um porcentual menor.

“Se aquela grande empresa substitui 300 empregados, eles podem não vir de uma única prestadora de serviços, mas de várias pequenas”, afirma o juiz do Trabalho Marcos Scalercio.

Multas. Mesmo estando em vigor há mais de 25 anos, menos da metade das companhias que deveriam cumprir a Lei das Cotas realmente o fazem. No entanto, os registros apontam para uma tendência de crescimento nesse campo.

Dados do Ministério do Trabalho mostram que em 2013 apenas 37,58% das empresas com mais de 100 empregados atendiam a determinação legal. Em 2014 esse número aumentou para 39,72% e em 2015, o último levantamento sobre o assunto, registrou subida para 45,39%.

Uma das explicações para a alta pode ser a maior fiscalização. Segundo o ministério do Trabalho, foram aplicadas 4.550 multas por descumprimento das Lei de Cotas em 2015, 38% a mais do que em 2014. Entre 2013 e 2015 o número de infrações registradas cresceu 82%. Em 2016, no entanto, ele voltou a cair, com apenas 2.747 penalidades aplicadas.

Mesmo assim, Açucena Bonanato, consultora da Rede IPC, uma instituição focada na inclusão da pessoa com deficiência no mercado formal de trabalho, acredita que muitas empresas ainda preferem pagar a multa a contratar deficientes.

“Desde 1991 para cá melhorou (a inclusão nas empresas), mas ainda falta muito. Vejo que as mesmas empresas que pagavam multa no passado continuam pagando hoje, porque não houve conscientização de que o cumprimento não é só obrigação, que essas pessoas também podem ser bons profissionais”, afirma.

Os desdobramentos de um eventual descumprimento da lei, no entanto, não são tão simples. Marcos Scalercio explica que após a penalidade, o ministério Público do Trabalho (MPT) pode ingressar com uma ação civil pública, que pode gerar uma indenização.

Sylvia Lorena, gerente executiva de relações do trabalho da CNI, afirma que um dos motivos que justificam o baixo cumprimento da Lei de Cotas é a dificuldade que as empresas encontram ao buscar profissionais.

“Apesar da positiva e necessária, o cumprimento desta lei tem sido de difícil alcance, em virtude de não haver disponibilidade de profissionais com deficiência aptos para atender a demanda fixada. Isso se verifica, por exemplo, pelo esforço intenso das empresas de atrair esses trabalhadores a processos seletivos, por meio de anúncios em jornais, de inscrição de vagas no SINE, entre outros, sem êxito ou com resultado aquém do necessário”, afirma.

Lorena ainda afirmou que a própria Justiça do Trabalho já tem reconhecido que empresas não podem ser penalizadas por não cumprirem a cota se comprovarem que fizeram esforços para buscar candidatos.

O juiz Marcos Scalercio confirma que existiram casos em que isso ocorreu, mas foram situações pontuais. “Falar que buscou no mercado e ‘provar’ com anúncio em jornal não é suficiente. Para essa tese ser válida, a companhia precisa comprovar que buscou, com anúncios, parcerias com entidades”, afirma.

Entre 2010 e 2016, o site de recrutamento de emprego Vagas.com registrou um aumento de 187% no número de anúncios publicados para pessoas com deficiência. O número de novos currículos de trabalhadores com necessidades especiais aumentou 74% no mesmo período.

Fonte: O Estadão
Link: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,terceirizacao-pode-reduzir-vagas-para-portadores-de-deficiencia-dizem-especialistas,70001812450