Todos os post de Beatriz Iolanda

BEATRIZ IOLANDA PEIXOTO DE FREITAS: Economista, Palestrante, Consultora Empresarial, Escritora, Roteirista, Colunista e Professora Universitária.

Como encontrar satisfação no trabalho

Quando a edição do livro How to Find Fulfilling Work terminou, o editor responsável pelo projeto ficou satisfeito com o resultado. Então, desligou o computador, levantou de sua mesa e pediu demissão. É esse poder de transformar a realidade sem sentido que o filósofo australiano Roman Krznaric, autor do livro, deseja despertar nas pessoas que buscam dar um novo significado ao que fazem.

Roman é um dos fundadores da The School of Life, uma espécie de escola alternativa, fundada em Londres em 2008 por escritores e filósofos (entre eles, Alain de Botton), para promover cursos de curta duração e encontros para discutir questões práticas da vida. No Brasil, o livro recebeu o título Como Encontrar o Trabalho da Sua Vida (Objetiva, 177 páginas).

O mérito de Roman é explicar a inquietação de um grupo cada vez maior de profissionais e sugerir um método de reflexão para reposicionar a carreira. “Nunca um número tão grande de pessoas sentiu tanta insatisfação com a vida profissional e tanta incerteza sobre como resolver o problema”, disse Roman em entrevista a VOCÊ S/A.

Pesquisas recentes apontam que na Europa, 60% dos profissionais escolheriam uma carreira diferente se isso fosse possível e, nos Estados Unidos, o nível de satisfação com a ocupação é dos mais baixos que se tem registro.

No Brasil, a pesquisa feita para o Guia VOCÊ S/A – As Melhores Empresas para Você Trabalhar aponta que os funcionários estão menos satisfeitos a cada ano, embora as companhias tenham melhorado suas práticas de RH. Mas você nem precisaria desses dados para se dar conta de que tem muita gente infeliz com o que faz.

Basta puxar o assunto numa mesa de bar, que alguém vai reclamar de não ver propósito no trabalho. Para alguns, um salário generoso é o bastante. Segundo Roman, a partir do momento que a renda é suficiente para cobrir as necessidades básicas, aumentos acrescentam pouco ao nível de satisfação do funcionário.

“Quando se trabalha apenas por um salário é porque o emprego é só um meio para encontrar sentido fora dali”, diz Taynã Malaspina, mestre em psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Nem todo mundo pensa assim. O banqueiro carioca André Esteves, presidente do banco de investimento BTG Pactual, afirma que só contrata Ph.Ds, que no BTG é um acrônimo para “poor, hungry and desperate to get rich” (em bom português, “pobre, esfomeado e desesperado para ficar rico”).

“Nós queremos profissionais ousados, com sangue na boca, que gostem de empreender e ganhar dinheiro”, diz Renata Santiago, advogada que fez carreira no banco na área de gestão de grandes fortunas e, há sete anos, migrou para o RH do BTG. Detalhe: o programa de trainee do BTG, que está no terceiro ano, recebe 5 mil currículos de jovens interessados em ficar milionários depois de alguns poucos anos de muita, muita, ralação.

Roman não se convence por exemplos como o do BTG. Para ele, trata-se de um perfil específico de trabalhador, cujas ambições não necessariamente correspondem às da maioria das pessoas. De acordo com Roman, há outros quatro fatores, além da grana, que fazem com que o profissional se sinta motivado. São eles: ter status, fazer a diferença no mundo, usar seus talentos e colocar em prática suas paixões.

Trabalho com significado

Com mais gente buscando sentido no que faz, surgem grupos de pessoas que questionam a relação que têm com o emprego. É o exemplo da comunidade Escape the City, que começou como um movimento de três ingleses insatisfeitos com as corporações nas quais trabalhavam e reúne hoje mais de 100.000 pessoas em seu site.

O objetivo do Escape the City é fazer a ponte entre quem busca oportunidades de trabalho fora de grandes organizações e possíveis empregadores. Aqui no Brasil, o site 99jobs, montado por jovens profissionais que saíram de empresas como Odebrecht e Santander, se propõe a conectar, com 99% de assertividade (daí o 99 do nome), jovens e empresas que comungam dos mesmos valores.

Enquanto isso, o site Continue Curioso conta, por meio de curtos vídeos, as histórias de pessoas que buscam ser felizes com suas ocupações. “Nossa ideia não é filmar exclusivamente quem foi atrás dessa satisfação fora das empresas”, afirma Julia na Mendonça, uma das idealizadoras do site, “mas também quem encontra soluções não convencionais para realizar o trabalho em que acredita”, diz Cristiane Schmidt, uma das sócias do CC.

Infeliz, por quê?

Mas por que tantos questionamentos de carreira surgem neste momento? Para Roman Krznaric, os fatores que agregam o “sentido da vida” migraram de outras esferas sociais para o trabalho. Quando não era possível escolher a profissão (não faz tanto tempo assim, pergunte a seus avós se eles tiveram chance de escolher onde trabalhar), as pessoas conseguiam encontrar significado na religião e na vida em comunidade.

“Por um lado, houve um declínio da importância da religião nas nossas vidas”, diz Roman, “e, por outro, passamos a viver em grandes cidades, o que fez com que pequenas comunidades deixassem de existir como antes”. Então, o trabalho foi ganhando cada vez mais importância social, passou a ser uma fonte de significado.

Mas, se há mais oportunidades de trabalho, por que vivemos tão angustiados com a opção profissional que fizemos? Ter mais possibilidades de carreira parece ótimo, mas pode ser também extremamente frustrante. O psicólogo americano Barry Schwartz chama isso de paradoxo da escolha.

Schwartz usa uma analogia para explicar a situação. Quando as pessoas tinham apenas uma opção de modelo de calça jeans para comprar, era aquela que adquiriam, por mais que ela só se tornasse confortável depois de lavada algumas vezes. Hoje, ao entrar numa loja de roupas, o consumidor se sente perdido entre as possibilidades de modelos, tecidos, lavagens.

Quando finalmente leva um jeans para casa, não parece que aquele era, de fato, o melhor de todos. Para Schwartz, assim como temos uma grande quantidade de opções de produtos, passamos a ter uma grande quantidade de escolhas na vida. O que Schwartz quer dizer é que há mais possibilidades de escolha e, portanto, mais possibilidades de ser feliz.

Se você vai conseguir optar por algo que o realize já é outra questão. “Aumentar opções de realização no trabalho aumenta também as expectativas de que a escolha feita deve ser boa”, diz o psicólogo americano. A saída, segundo ele, é lidar com o desconforto em relação ao que é deixado de lado.

Respeito e bons amigos

“Buscar a plena e ‘eterna’ identificação com o trabalho é um mito”, diz Pedro Bendassoli, professor de psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Isso porque não há uma identidade imutável, e é justamente à medida que as pessoas trabalham e se frustram que entendem o que as move.

Para Roman, a melhor maneira de lidar com isso é pensar que não se tem apenas uma identidade. Então, por mais que sim, o trabalho seja uma parte da identidade, muitas atividades podem assumir esse espaço, não apenas o emprego do momento.

Fonte; Exame
link: https://exame.abril.com.br/carreira/como-encontrar-satisfacao-no-trabalho/

Desemprego é maior entre nordestinos, mulheres e negros, divulga IBGE

A taxa de desocupação no Brasil caiu para 11,9% no terceiro trimestre de 2018, mas chega a 14,4% na Região Nordeste, a 13,8% para a população parda e a 14,6% para a preta – grupos raciais definidos na pesquisa conforme a declaração dos entrevistados. Quando analisado o gênero, as mulheres, com 13,6%, têm uma taxa de desemprego maior que a dos homens, de 10,5%.

Os dados foram divulgados hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa consta na Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnad Contínua Tri). É considerada desocupada a pessoa com mais de 14 anos que procurou emprego e não encontrou.

Quatro estados do Nordeste estão entre os cinco com maior desemprego: Sergipe (17,5%), Alagoas (17,1%), Pernambuco (16,7%) e Bahia (16,2%). Apesar disso, a maior desocupação verificada no terceiro trimestre de 2018 foi no Amapá, onde o percentual chegou a 18,3%.

A Região Sul tem a menor taxa de desocupação do país, com 7,9%, e Santa Catarina é o estado com o menor percentual, de 6,2%. No trimestre anterior, a Região Sul tinha taxa de desocupação de 8,2% e o Nordeste, 14,8%.

Do contingente de 12,5 milhões de pessoas que procuraram emprego e não encontraram, 52,2% eram pardos, 34,7% eram brancos e 12% eram pretos. Tais percentuais diferem da participação de cada um desses grupos na força de trabalho total: pardos (47,9%), brancos (42,5%) e pretos (8,4%).

O IBGE informou ainda que, no terceiro trimestre de 2018, o número de desalentados somou 4,78 milhões de pessoas. O contingente ainda está próximo dos 4,83 milhões contabilizados no segundo trimestre, o maior percentual da série histórica. O IBGE considera desalentado quem está desempregado e desistiu de procurar emprego.

O percentual de pessoas desalentadas chegou a 4,3% e tem sua maior taxa no Maranhão e em Alagoas onde chega a 16,6% e 16%. O Maranhão também tem o menor percentual de trabalhadores com carteira assinada (51,1%).

No terceiro trimestre deste ano, 74,1% dos empregados do setor privado tinham carteira assinada, percentual que ficou estável em relação ao trimestre anterior.

Além de ter a menor taxa de desemprego do país, de 6,2%, Santa Catarina também tem o menor percentual de desalentados, de 0,8%, e o maior percentual de trabalhadores com carteira assinada, de 88,4%.

A taxa de subutilização da força de trabalho no Brasil foi de 24,2%, o que representa 27,3 milhões. Esse número soma quem procurou emprego e não encontrou, quem não procurou, quem procurou e não estava mais disponível para trabalhar e quem trabalha menos de 40 horas por semana e que gostaria de trabalhar mais.

A população ocupada somou 92,6 milhões de pessoas. Esse total tem 67,5% de empregados, 4,8% de empregadores, 25,4% de pessoas que trabalharam por conta própria e 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-11/desemprego-e-maior-entre-nordestinos-mulheres-e-negros-divulga-ibge

7 passos para a transformação pessoal

É verdade que muitas vezes as melhores coisas vem em pequenos pacotes, e isso também pode funcionar quando chega a hora da mudança.

No entanto, a maioria das pessoas resistem à mudança, enquanto procuram a transformação.

A mudança duradoura ocorre quando você toma pequenos passos continuamente ao longo do tempo, aumentando a confiança e a autoestima. Você pode melhorar a sua saúde, relacionamentos, carreira e qualquer desafio que enfrente.

A filosofia de dar pequenos passos é encontrada na palavra japonesa Kaizen, que significa Kai (mudança) e Zen (bom).

O professor da faculdade de Medicina da UCLA, Dr. Robert Maurer, autor de “One Small Step Can Change Your Life”, acredita que o processo funciona porque você constrói novas conexões em seu cérebro.

Aqui está como dar pequenos passos para a transformação pessoal

1. SUBSTITUA A NECESSIDADE DA PERFEIÇÃO

Se você está preparando uma palestra ou apresentação, sinta alegria de compartilhar algo pelo qual você sente paixão.

Isso não é muito diferente do que contar para os outros sobre um filme que você viu. Use esse mesmo entusiasmo para o seu produto ou serviço.

2. EVITE LUTAR OU FUGIR

Uma mulher começou a caminhar em frente ao aparelho de TV durante 1 minuto, todos os dias. Logo ela começou a buscar outras coisas que poderia fazer por 1 minuto em frente à TV.

Isso se transformou em um programa de exercícios aeróbicos e a uma perda de 30kg. A mudança contínua constrói a dinâmica.

3. SEU CÉREBRO AMA PEQUENAS PERGUNTAS

O autor do best seller de “War of Art”, Steven Pressfeld não se obriga a escrever de forma brilhante, nem mesmo tem um prazo.

Ele só se força, diariamente, a superar a resistência. Quando você dá um passo através da resistência ela cai.

4. ELOGIE-SE COM PEQUENAS RECOMPENSAS

Isso vai aumentar a sua motivação. O psicólogo francês Emilie Coué começou todo o seu movimento com uma frase simples: todos os dias, em todos os sentidos, eu estou ficando melhor e melhor.

Melhore a sua saúde, dando uma mordida menor em seus doces. Aumente a sua sensação de segurança, economizando 50 centavos por dia e ensinando a si mesmo como é a sensação de ter mais do que se precisa.

Você terá uma sensação geral de abundância.

5. RESOLVA PEQUENOS PROBLEMAS

E identifique pequenos aborrecimentos que se acumulam ao longo do tempo.

Considere se você realmente precisa mudar sua carreira ou localização, ou se você precisa ter uma conversa profunda com alguém para superar o medo da intimidade.

6. TOME PEQUENAS ATITUDES HOJE

É mais fácil amar o que você está fazendo quando você está totalmente disponível para ser quem é com as ações que toma.

A alegria invisível e a gratidão aumentam quando você não está diluindo esses pequenos momentos com distrações ou com arrependimentos passados ou preocupações futuras.

Madre Teresa disse: “não é o quanto fazemos, mas quanto amor colocamos naquilo que fazemos”.

7. PENSE EM PEQUENOS PENSAMENTOS

Em vez de sentir-se oprimido pelo tempo que leva para concluir o mestrado ou escrever um best seller, dê passos incrementais, em vez disso.

Faça um curso online, ou escreva por 5 minutos em um momento em que você venceu o medo.

Tudo na vida é uma série de pequenos pensamentos. Lao Tzu disse: “a viagem de mil milhas começa com 1 passo”.

As etapas podem ser aparentemente pequenas e insignificantes, mas quando avançam em direção à mudança contínua, elas transformam a sua vida.

___

Este artigo foi adaptado do original, “Change Ahead: 7 Simple Steps to Personal Transformation”, do NaturalNews.

5 maneiras de se manter motivado no trabalho

Alguma vez você já tentou ficar motivado no trabalho, mas nada funciona? Você começa a se sentir terrível, como se estivesse ficando pra trás e largando o seu negócio ou carreira.

Você está entediado, letárgico e você não quer se encontrar com seus amigos, porque não sabe dizer para eles em que está trabalhando – ou, em que não está trabalhando.

Muitos de nós já sofreu com esse problema, e sentimos uma frustração que vem direto de uma motivação no trabalho. Mas, nem tudo está perdido. Existem algumas coisas importantes que contribuem para seu trabalho e que pode aumentar a sua motivação.

Aqui estão 5 coisas que você deve certificar que suas tarefas têm e que, caso não tenham você deve começar a mudar a partir de agora:

1. A identidade das tarefas

O trabalho é mais motivador quando está claro o que exatamente você está realizando. Pense nisso: quão grande é a sensação quando você sabe que está progredindo em grandes projetos?

Por outro lado, nada é pior do que trabalhar todos os dias e pensar: o que é mesmo que estou fazendo?

Se você está se sentindo como uma barata tonta, tente o seguinte: no final de cada dia ou semana, faça uma got-done list, uma lista do que você tem feito (o oposto de uma to-do list), onde você lista todas as tarefas que você completou.

Para ter uma dose extra de motivação, mantenha a lista em algum lugar visível.

2. O significado das tarefas

Outra chave para se manter motivado é saber que o trabalho que estamos realizando faz a diferença para algumas pessoas e, o impacto que você causa nos clientes é reconhecido pela empresa e parceiros de negócios.

Se você não está enxergando esse significado, tente ir mais fundo. Você pode mapear seus relatórios de vendas semanais para mostrar até onde está indo.

Ou então, a sua empresa pode rastrear o custo de aquisição de clientes e encontrar maneiras desse concentrar sobre os aspectos do seu trabalho com mais frequência.

3. Variedade das habilidades

Você se sente como se estivesse fazendo o mesmo trabalho diariamente? Isso não é nem um pouco estimulante.

Mas, quando você se envolve com diferentes habilidades, isso é fantástico para a sua motivação.

Tente estruturar os seus dias, para que você possa trabalhar em diferentes tarefas (e, portanto fazer o uso de diferentes habilidades) durante todo o dia.

Por exemplo, em vez de escrever todas as segundas, e criar apresentação de clientes às terças, tente fazer um pouco de cada coisa, em cada parte do seu dia.

Quando estimulamos partes diferentes do nosso cérebro, conseguimos recarregar nossa motivação.

4. Feedback

Um dos fatores mais motivadores que você pode ter é ter feedback sobre o seu trabalho.

Não apenas para impulsionar e inflar o ego quando você faz um bom trabalho, mas porque o feedback certo pode ajudá-lo a aprimorar suas habilidades ainda mais.

Isso também pode ajudar você a ver a diferença que o seu trabalho está causando. Se você não sabe como está se saindo, é fácil se perder no meio de tudo que você está fazendo.

Se você achar que está em um buraco negro de feedback, pergunte ao seus colegas de trabalho, como você está se saindo, a cada 1 ou 2 semanas.

5. Autonomia

Este é um grande ponto: ter autonomia em seu trabalho. Agora, isso não significa que você sempre poderá fazer o que quiser, mas significa que você pode escolher como fazer as coisas.

Até mesmo para os empreendedores, é muito importante usar a liberdade para criar as coisas de maneira diferente, de vez em quando. Fugir do convencional e dos padrões ajuda a nos tornarmos mais criativos.

___

Este artigo foi adaptado do original, “5 Simple Ways to Get Motivated at Work”, do The Daily Muse.


Also published on Medium.

Os 9 tipos de empreendedores mais comuns no Brasil

Informal, visionário, franqueado ou social. Com mais de 5 milhões de pequenas empresas, não poderiam faltar vários tipos de empreendedores. José Dornelas, especialista em empreendedorismo, classifica os empreendedores em seu livro Empreendedorismo para Visionários. “O que eu tento mostrar é que o comportamento empreendedor pode existir em várias pessoas, independente da atividade dela”, conta Dornelas.

Como cada um tem seus motivos para empreender, as variações são grandes. Há dois grandes grupos: os empreendedores por necessidade, que só empreendem para sobreviver, e os empreendedores por oportunidade, que identificam um nicho com potencial de crescimento. Veja a seguir os principais tipos propostos por Dornelas e descubra qual o seu perfil.

1. O informal

Este tipo ganha dinheiro porque precisa sobreviver. “O informal está muito ligado a necessidades. A pessoa não tem visão de longo prazo, quer atender necessidade de agora”, diz Dornelas.

O empreendedor deste perfil trabalha para garantir o suficiente para viver, tem um risco relativamente baixo e não tem muitos planos para o futuro. “Esse tipo tem diminuído bastante com iniciativas como o Microeemprendedor Individual (MEI)”, opina.

2. O cooperado

Este tipo costuma empreender ligado a cooperativas, como artesãos. Por isso, trabalho em equipe é primordial. Sua meta é crescer até poder ser independente. “Empreende de maneira muito intuitiva”, explica Dornelas. Geralmente, estes empreendedores dispõem de poucos recursos e tem um baixo risco.


3. O individual

Este é o empreendedor informal que se formalizou através do MEI e começa a estruturar de fato uma empresa. “Por mais que esteja formalizado, ele não está pensando em crescer muito”, diz Dornelas. Este perfil ainda está muito ligado à necessidade de sobrevivência e geralmente trabalha sozinho ou com mais um funcionário apenas.

4. O franqueado e o franqueador

Muitos desconsideram o franqueado como empreendedor, mas a iniciativa de comandar o negócio, mesmo que uma franquia, deve ser levada em conta. Geralmente, procuram uma renda mensal média e o retorno do investimento. Do outro lado, está o franqueador, responsável por construir uma rede através de sua marca. “Costumam ser exemplos de empreendedorismo”, afirma.

5. O social

A vontade de fazer algo bom pelo mundo aliada a ganhar dinheiro move este empreendedor. “Este tipo tem crescido muito, principalmente entre os jovens que, ainda na faculdade, têm aberto o próprio negócio para resolver problemas que a área pública não consegue”, diz Dornelas.

Nesta categoria, trabalho em equipe é primordial e o objetivo é mudar o mundo e inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo.

6. O corporativo

É o intraempreendedor, ou seja, o funcionário que empreende novos projetos na empresa que trabalha. “O dilema das empresas hoje é aumentar a quantidade de pessoas com esse perfil”, explica. Seu principal objetivo é crescer na carreira, com promoções e bônus.


7. O público

O empreendedor público é uma variação do corporativo para o setor governamental. Para Dornelas, ainda existem muitos funcionários públicos preocupados em utilizar melhor recursos e inovar nos serviços básicos. Sua motivação está ligada ao fato de conseguir provar que seu trabalho é nobre e tem valor para a sociedade.

8. O do conhecimento

Este empreendedor usa um profundo conhecimento em determinada área para conseguir faturar. É como um atleta que se prepara e ganha medalhas importantes. “Eles sabem capitalizar para empreender e fazer acontecer, como escritores e artistas”, explica. Eles buscam realização profissional e reconhecimento com isso.

9. O do negócio próprio

Este é o mais comum e costuma abrir um negócio próprio por estilo de vida ou porque pensa grande. “Este é o mais se aproxima do visionário”, define Dornelas. Dentro deste perfil, encontramos subtipos: o empreendedor nato, o serial e o “normal”.

O empreendedor nato costuma ser tido como genial, com trajetória de negócio exemplar, como Bill Gates. Já o serial é aquele que cria negócios em sequência. Ele não se apaixona pela empresa em si, mas pelo ato de empreender. Por fim, o “normal” é o empreendedor que planeja para minimizar os riscos e segue o plano estabelecido.

Fonte: Revista Exame
Link: https://exame.abril.com.br/pme/os-9-tipos-de-empreendedores-mais-comuns-no-brasil/

Quem é a pessoa mais rica do mundo?

Jeff Bezos é o homem mais rico da história recente com fortuna de 152 mil milhões de dólares.

O fundador da Amazon tem uma fortuna avaliada em 152 mil milhões de dólares, mais 57 mil milhões do que Bill Gates, 2º do ranking da Bloomberg. É o homem mais rico desde pelo menos 1982.

Jeff Bezos é o homem mais rico da história recente. De acordo com o ranking dos multimilionários da Bloomberg, o dono da Amazon, de 54 anos, tem uma fortuna avaliada em 152 mil milhões de dólares (cerca de 131 mil milhões de euros), mais do que toda a riqueza gerada em Angola em 2017, cujo PIB atingiu os 124 mil milhões de dólares.

Esta lista das pessoas mais ricas do mundo é atualizada diariamente pela Bloomberg. A fortuna do norte-americano, que tem mais 57 mil milhões de dólares do que o número dois da lista, Bill Gates (95.3 mil milhões de dólares, cerca de 83 mil milhões de euros), duplicou nos últimos dois anos graças ao crescimento das ações da Amazon, lê-se na CNBC.

Desde 1982, ano em que a Forbes criou o ranking das pessoas mais ricas do mundo, que não há registo de alguém ter atingido a marca de Bezos, refere a Bloomberg. O que chegou mais perto foi precisamente Bill Gates, em 1999, e a fortuna que alcançou nessa altura valeria atualmente 149 mil milhões de dólares (cerca de 128 mil milhões de euros). Bezos, que também é proprietário da cadeia de supermercados Whole Foods e do jornal Washington Post, já tinha ultrapassado a marca dos 100 mil milhões de dólares no ano passado.

Confira a lista dos 10 mais ricos do mundo (valores de 18/07/2018). A mulher mais rica aparece em 11.º lugar: é Françoise Bettencourt Meyers, herdeira do império L’Oréal, cuja fortuna está avaliada em 49.2 mil milhões de dólares (cerca de 42 mil milhões de euros).

Lista dos 10 mais ricos (valores de 18/07/2018):

  1. Jeff Bezos (dono da Amazon e do Washington Post): 152 mil milhões de dólares — 131 mil milhões de euros;
  2. Bill Gates (co-fundador da Microsoft): 95.3 mil milhões de dólares — 83 mil milhões de euros;
  3. Mark Zuckerberg (fundador e CEO do Facebook): 83.8 mil milhões de dólares — 72 mil milhões de euros;
  4. Warren Buffett (CEO da Berkshire Hathaway): 79.2 mil milhões de dólares — 68 mil milhões de euros;
  5. Bernard Arnault (CEO da LVMH): 75 mil milhões de dólares — 64 mil milhões de euros;;
  6. Amancio Ortega (presidente e fundador da Inditex): 74.9 mil milhões de dólares — 64 mil milhões de euros;
  7. Carlos Slim (presidente da América Móvil): 62.7 mil milhões de dólares — 54 mil milhões de euros;
  8. Larry Page (co-fundador da Google): 58.4 mil milhões de dólares — 50 mil milhões de euros;
  9. Sergey Brin (co-fundador da Google): 56.9 mil milhões de dólares — 49 mil milhões de euros;
  10. Larry Ellison (co-fundador e diretor da Oracle Corporation): 55.2 mil milhões de dólares — 47 mil milhões de euros;.
Fonte:Observador
Link: https://observador.pt/2018/07/18/jeff-bezos-e-o-homem-mais-rico-da-historia-recente-com-fortuna-de-152-mil-milhoes-de-dolares/

Problemas no Facebook durante a política? Seus problemas acabaram!

Muitas pessoas atualmente tem-se deparado com um problema sério no que ser refere às suas amizades no Facebook  rede social muito popular pelo mundo).

Na época de campanhas eleitorais então, este problema tem se agravado porque as pessoas perderam a educação, a classe e de quebra, o equilíbrio mental.

 Teu Facebook é teu castelo e você tem o direito de postar nele o que você quiser. Conheço pessoas que nunca comentam em perfis alheios, mas sempre são acometidas por algum comentário “sem noção’ de alguém intolerante.

Para que você possa emitir a tua opinião, sem precisa desfazer tua amizade virtual, vão aqui algumas dica preciosas:

01 – Como bloquear comentários na postagem?

Para desativar os comentários na sua própria publicação ou em uma publicação em um grupo que você administra ou modera siga:
  1. Encontre o post que você deseja desativar os comentários.
  2. Clique no menu de três pontos;
  3. Em seguida, selecione “desativar comentários” (ou o contrário).

02 – Como desativar publicações de outras pessoas no teu perfil?

Para ativar ou desativar publicações de outras pessoas:
  1. Clique em Configurações na parte superior da Página.
  2. Em Geral, clique em Publicações do visitante.
  3. Clique para escolher entre as opções Permitir que os visitantes da Página enviem publicações e Desativar publicações de outras pessoas na Página.

03 – Como bloquear comentários de uma pessoa especificamente?

Para isso, basta definir quem pode visualizar o seu “post”. Na prática, sempre que publicar algo clique no botão de “Público” e seleccione a opção “Personalizado”. No campo “Não partilhar isto com:” adicione o nome do amigo (ou lista de amigos) do qual irá ocultar as suas publicações.
Lembrando que nesta opção de bloquear apenas uma ou algumas pessoas para que não vejam tua publicação, a publicação tem que estar no modo “Somente amigos”.

Espero ter ajudado para que você continue tendo um bom relacionamento interpessoal com todos os teus amigos virtuais.

Abraços!

Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas
Economista

Eleições têm atrasado contratações no mercado de trabalho

*O Estadão

Apesar de uma projeção de mais vagas para trabalhadores temporários este ano, as contratações estão atrasadas em relação ao ano passado. “Há uma expectativa melhor, mas ainda em compasso de espera”, diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Segundo ela, as empresas pretendem fazer a maior parte das admissões a partir de novembro porque só no mês que vem se saberá quem será o próximo presidente. E esse é um dado importante nas projeções de vendas de Natal.

Neste ano, quase dois terços das vagas temporárias são para pessoas com 18 a 34 anos, de acordo com pesquisa feita pelo SPC Brasil e pela CNDL (Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas) com 1.168 empresas, entre o final de agosto e a primeira semana de setembro. A idade média é de 28 anos.

“O desemprego é maior entre os mais jovens e há oportunidade para eles resolverem esse problema, nem que seja por um curto período”, diz Marcela.

A pesquisa mostra também que 28% dos empresários pretendem efetivar ao menos um temporário. Não é alta, mas a chance de efetivação existe, ressalta a economista.

A expectativa de aumento no número de vagas de temporários para o final de ano é confirmada pela agência de empregos Luandre, uma das maiores do setor. De acordo com a agência, a oferta de vagas temporárias deve crescer 30% este ano.

Parte dessas contratações já ocorreram na indústria entre agosto e este mês, puxada pela produção de alimentos. Em seguida está o varejo, interessado em admitir a partir de novembro estoquistas, vendedores e operadores de caixa para atender o movimento maior de fim de ano.

Intenção

Marcela, do SPC Brasil, observa que não só o total de vagas é um pouco maior neste ano, mas também a intenção dos empresários é mais positiva. No ano passado, quando foi feita a pesquisa, 82% dos entrevistados disseram que não tinham contratado e que não pretendiam contratar.

Agora essa marca recuou para 72%. Também a fatia daqueles que não tinham contratado temporários, mas planejavam admitir quase dobrou no último ano, passou de 6% para 14%.

Link: https://noticias.r7.com/economia/eleicoes-tem-atrasado-contratacoes-no-mercado-de-trabalho-15102018https://noticias.r7.com/economia/eleicoes-tem-atrasado-contratacoes-no-mercado-de-trabalho-15102018

Os empregos que morrem e os empregos que nascem no mercado de identidades

*Artigo de Márcio dos Anjos

O apocalipse do emprego é profecia recorrente na era digital. Da última vez que vi, 2030 seria o ano do bilhete azul planetário, segundo estudo que o Fórum Econômico de Davos levou muito a sério. Nele, estipulava-se que robôs tomariam “400 milhões a 800 milhões de empregos”, o que dá, no mínimo, uma bela margem de erro: pode haver desemprego cibernético.

Para o Brasil, o mesmo estudo cravou cerca de 15,7 milhões de desempregos gerados, sem especificar aí se já incluem aqueles produzidos por anos de barbeiragens na economia.

Não me impressiono porque sei que o Brasil é um resiliente museu do trabalho. O ano de 2018 terminará com 6% dos servidores da administração federal em cargos que só agora foram tidos como obsoletos, tais como datilógrafos e operadores de caldeira. No Congresso há 74 ascensoristas subindo e descendo ao custo de R$ 5 milhões anuais. Cobradores de ônibus, que já sumiram do panorama europeu há anos, veem suas recontratações ser periodicamente debatidas no Rio; enquanto isso, em Berlim, um misantropo pode se deslocar tranquilamente por quilômetros de metrô sem lidar com seres humanos para comprar sua passagem. Caso queira abastecer seu carro, um português opera a bomba sozinho, sem qualquer temor. O brasileiro, por sua vez, tem quatro frentistas por posto defendidos por lei, junto com o direito de os pneus calibrarem em troca de alguns reais – fator decisivo no caráter privilegiófilo da nação.

Foi-se o tempo em que bocejávamos ao ler sobre o êxodo dos trabalhadores substituídos por máquinas agrícolas, saciados com a ideia de que a marcha da história vinha em nossa direção. Agora, a revolução se dá na urbe. Dos garçons aos tradutores e personal trainers, a realidade passa o rodo sem romantismos, prometendo futuro apenas a engenheiros ambientais, gestores de RH e produtividadeiros em geral.

Mas há o cansaço, e o cansaço é de humanas. Assim como a economia verde impulsionará a roda na direção contrária do aquecimento global, é provável que boa parte da humanidade queira pagar para recuperar os modos de vida que a modernidade nos tomou. Foi assim com a venda de comida em trailers e com o rótulo de “artesanal”. Aos poucos, a mídia começa a detectar nos millennials certo gosto pela alfaiataria – o que indica que isso ocorre há pelo menos dois anos.

Ter roupas sob medida é parte nostálgica de um mercado das identidades que tem muito a crescer, impulsionado pelo protagonismo em redes sociais, pelo identitarismo e pela indecisão que muitos têm sobre o que fazer com a própria vida. Depois da onda dos coaches, um interesse cada vez maior a respeito das origens e da construção da própria imagem deverá popularizar testes de herança genética de sites como MyHeritage e AncestryDNA, braços de uma indústria que projeta para 2020 um valor de mercado de R$ 39 bilhões, segundo o Guardian. Seus resultados são dúbios, por vezes frustrantes, e sua coleta de material suscita questões sobre privacidade biogenética, mas a busca por excepcionalidades de nascença liga pouco para isso. Obviamente, também se fazem libras organizando viagens para revisitar essas raízes vagas, seja no Leste Europeu, seja na África.

Esse público exigirá conversas de perfil empático, de “gente como a gente”, sobre a História prêt-à-porter que o cliente queira ouvir, conhecedor daquele bistrozinho tribal que transformará aquela noite num jardim das delícias artesanais, adaptadas ao paladar de quem paga. A autenticidade sempre pode ser negociada, desde que a narrativa seja reconfortante, e o atendimento atencioso. Guia de viagem? Não. Roteirista da vida dos outros.

Fonte: Época
Link: https://epoca.globo.com/os-empregos-que-morrem-os-empregos-que-nascem-no-mercado-de-identidades-22980795#ixzz5UI5qkkw7

Linda Ação Social na UPA Geraldo Magela Padeiro

Na tarde do dia 16 de outubro de 2018, uma TV LED foi doada à brinquedoteca da UPA Geraldo Magela Padeiro no Parque Flamboyant em Aparecida de Goiânia.

A TV foi recebida om alegria pelos diretores da unidade: Caroline Almeida (Diretora Geral) e Luciano Silva (Diretor Administrativo), sendo a terceira TV doada à unidade que em Junho sofreu um furto, onde foram levados aparelhos de TV usados na unidade pelas crianças.

Sensibilizados com a falta da aparelhagem, a família do falecido vereador de Aparecida de Goiânia, Geraldo Magela Padeiro, cuja UPA leva o nome, entraram em contato com alguns parceiros que imediatamente doaram os equipamentos.

Maione Padeiro, filho do saudoso Vereador, foi quem ajudou a conseguir e entregar a TV.

10 características mais comuns em chefes ruins

A maioria dos funcionários já teve o desprazer de trabalhar para alguém de quem não gosta. Muita gente acredita que essa é uma característica que faz parte da função de quem está no comando, mas a verdade é que alguns chefes parecem ter um talento especial para irritar seus subordinados.

Como uma recente pesquisa do site de busca de empregos “Glassdoor” revelou, a característica negativa dos chefes mais citada pelos funcionários é o desrespeito. Ter atitudes negativas aparece em 2° lugar, apontada por 34% dos empregados que participaram da pesquisa. Na sequência apareceram os líderes preguiçosos, indicados por 23% dos entrevistados.

O levantamento foi realizado com 2.000 adultos na Grã-Bretanha, entre os meses de março e abril de 2017.

Veja abaixo quais são:

01 – Desrespeito 43%
02 – Ter atitudes negativas 34%
03 – Preguiça 23%
04 – Falar sobre si mesmo 16%
05 – Humor inapropriado 10%
06 – Chegar atrasado 10%
07 – Ir embora sempre mais cedo 10%
08 – Xingar 8%
09 – Falar alto ao telefone 8%
10 – Fazer comentários sexistas 7%

Fonte: Forbes
Link: https://forbes.uol.com.br/fotos/2017/06/10-caracteristicas-mais-comuns-em-chefes-ruins/#foto10

4 Tipos de funcionários que dão problema – E como lidar com eles

Por mais que uma empresa se esmere para selecionar bons funcionários, a dinâmica de trabalho acaba revelando que nem todos se ajustam bem a sua engrenagem.

Com o tempo, a insatisfação com o trabalho ou a incompatibilidade de gênios aflora, e alguns membros da equipe acabam virando um problema para seus gestores.Se esses problemas forem ignorados, podem piorar. Por isso, é preciso agir logo para evitar grandes danos ao clima da equipe, alerta a advogada Lisa Guerin em um artigo publicado no site da revista Entrepreneur.

Ela identifica quatro tipos de funcionário que causam dores de cabeça e, com a ajuda de empresários que já lidaram com eles, dá conselhos para evitar que o mau comportamente prejudique o desempenho nos negócios.

1. O rei da gírias
A empresária Bibby Gignilliat, 51, do bufê e escola Parties That Cook (EUA), estava animada com as habilidades de uma funcionária recém-contratada – até que ela abriu a boca. “Tudo para ela era ‘irado’, e todas as suas frases eram pontuadas com ‘tipo’”, explica Gignilliat. Esse péssimo hábito linguístico persistiu mesmo após algumas sessões de aconselhamento. E começou a deixar uma má impressão nos clientes, especialmente os corporativos.

Solução: antes de contratar um funcionário que deve atuar com atendimento a clientes, teste-o por três meses para saber se sua comunicação com eles é adequada aos parâmetros da empresa. Gignilliat, por exemplo, adotou uma política de “estágio” para avaliar os candidatos antes de contratá-los em definitivo.

2. O desaparecido
Alguns meses após oferecer uma licença para uma funcionária se recuperar de um acidente de carro, o empresário Eric Zuckerman notou que ela estava chegando atrasada, saindo mais cedo e até dando umas escapadas na hora do almoço. Mesmo após algumas conversas para se acertar com ela, o problema não foi resolvido – e ele teve de demiti-la.

Solução: falta de compromisso com horários muitas vezes é o primeiro indício de que um funcionário está com problemas em casa ou insatisfeito com o trabalho. Por isso é fundamental chamá-lo para uma conversa e ouvir qual é seu problema – pode ser uma fase de transição, como um divórcio ou doença de um familiar.

Mas, se a questão for o desgosto com o emprego, discuta com ele em que pontos sua função pode ser melhorada ou, em casos extremos, se esse é o trabalho ideal para ele. Lembre-se de que a disciplina com horários só pode ser exigida da equipe se a empresa tiver uma política clara sobre a jornada de trabalho.

3. O rebelde
Randy Cohen, dono da TicketCity, conta que tinha um vendedor brilhante, mas que achava que seu talento o dispensava de seguir as regras da empresa. Por isso, todo dia o empresário tinha de chamar a atenção do jovem e corrigir seu comportamento. Antes disso, ele já havia encontrado problemas com funcionários que dirigiam veículos da empresa em alta velocidade e que haviam sido flagrados bebendo durante o expediente.

Solução: Cohen adotou a política de demitir sem mais delongas os membros da equipe que não querem seguir as regras da empresa. Negligenciar o mau comportamento pode trazer sérios problemas para a companhia, que terá de responder por um acidente de carro causado por negligência de um funcionário enquanto ele está em serviço, por exemplo. Por isso é preciso impor disciplina e investigar a ocorrência de comportamentos de risco assim que eles acontecerem.

4. O língua de trapo
Funcionários que adoram falar mal da empresa e de seus chefes para os colegas de trabalho – e até para clientes – acabam minando o clima na empresa. Randy Cohen descobriu um funcionário que fazia isso. Ele foi demitido, e Cohen diz que não voltará a ser tão tolerante com quem quer azedar as relações no trabalho. “Uma pessoa assim destrói a moral da empresa”, afirma.

Solução: ter uma franca discussão com o funcionário que envenena o clima. Mas nada de focar em características pessoais – acusando a pessoa de ser irresponsável e negativa, por exemplo. É preciso dizer qual é o problema, por que a atitude do funcionário precisa mudar e oferecer opções para ele resolver o que o incomoda.

Fonte: PEGN
Link: https://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/Gestao-de-Pessoas/noticia/2014/07/4-tipos-de-funcionario-que-dao-problema-e-como-lidar-com-eles.html

Aneel aprova reajuste de tarifa a consumidores de GO e interior de SP

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (16) reajuste tarifário para os consumidores de Goiás e do interior de São Paulo. Para os primeiros, o aumento passará a ser cobrado a partir do dia 22. Já para os consumidores do interior paulista, os novos valores serão cobrados a partir do dia 23.

A Aneel aprovou a quarta revisão tarifaria periódica da Enel Distribuição Goiás (antiga Celg-D), o que implica um aumento médio de tarifas de 18,54% nas contas de luz. Para os consumidores atendidos na alta-tensão, o efeito médio será de 26,52%; para a baixa tensão, fica em 15,31%, em média. Para os consumidores residenciais, o reajuste será de 15,17%.

A empresa atende a cerca de 3 milhões de unidades consumidoras em 237 municípios de Goiás. De acordo com a agência, os itens que mais impactaram a revisão foram os custos de aquisição de energia, componentes financeiros como risco hidrológico e encargos setoriais. “Nos custos de aquisição de energia, impactou a variação do valor da energia da Usina de Itaipu, que é precificada em dólar”, disse a Aneel.

Interior paulista

A Aneel também aprovou o reajuste de duas distribuidoras do interior paulista: Companhia Piratininga Força e Luz (CPFL Piratininga) e São Paulo Distribuidora de Energia S.A. – EDP SP. A CPFL Piratininga atende a 1,7 milhão de unidades consumidoras e a EDP SP, a 1,8 milhão de unidades consumidoras.

Para a CPFL o efeito médio será de 19,25%, com impacto de 18,69% para os consumidores residenciais. Para os atendidos na alta-tensão, o reajuste será de 20,18% e, para os consumidores em baixa tensão, terá efeito de 18,70%.

A Aneel disse que, no caso da CPFL Piratininga, os itens que mais contribuíram para o reajuste foram os custos de aquisição de energia, componentes financeiros como risco hidrológico e encargos setoriais.

Já para os consumidores da EDP SP, o reajuste médio será de 16,12%. Para os consumidores residenciais, o aumento será de 15,09%. Para os atendidos na baixa tensão, o reajuste será de 15,13%, e para a alta-tensão, será de 17,84%. Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Aneel disse considerar a variação de custos associados à prestação do serviço. No caso da EDP SP, os itens que mais impactaram o reajuste foram os custos de aquisição de energia e encargos setoriais.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-10/aneel-aprova-reajuste-de-tarifa-consumidores-de-go-e-interior-de-sp

Bancos já podem receber boletos vencidos acima de R$100

Os boletos com valor a partir de R$ 100, mesmo vencidos, poderão ser pagos em qualquer banco. A medida entrou em vigor no último sábado (13) e o primeiro dia útil de compensação dos documentos é hoje (15). A medida faz parte da nova plataforma de cobrança da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que começou a ser implementada em julho do ano passado.

Para serem aceitos pela rede bancária, em qualquer canal de atendimento, os dados do boleto precisam estar registrados na plataforma. Segundo a Febraban, os clientes que tiverem boletos não registrados na Nova Plataforma, rejeitados pelos bancos, devem procurar o beneficiário, que é o emissor do boleto, para quitar o débito diretamente.

O novo sistema permite o pagamento em qualquer banco, independentemente do canal de atendimento usado pelo consumidor, inclusive após o vencimento, sem risco de erros nos cálculos de multas e encargos. Além disso, segundo a Febraban, o sistema traz mais segurança para a compensação de boletos, identificando tentativas de fraude, e evita o pagamento, por engano, de algum boleto já pago.

As mudanças estão sendo feitas de forma escalonada, tendo sido iniciadas com a permissão para quitação de boletos acima de R$ 50 mil. Entretanto, em junho deste ano, após dificuldades de clientes para pagar boletos, a Febraban alterou o cronograma.

A previsão inicial era que a partir de 21 de julho deste ano fossem incluídos os boletos com valores a partir de R$ 0,01. A expectativa era de que em 22 de setembro o processo tivesse sido concluído, com a inclusão dos boletos de cartão de crédito e de doações, entre outros. Pelo novo cronograma, os boletos a partir de R$ 0,01 serão incluídos a partir do próximo dia 27 e os boletos de cartões de crédito, doações, entre outros, no dia 10 de novembro de 2018.

Segundo a Febraban, apesar de o sistema passar a processar documentos de menor valor, com volume maior, os bancos não preveem dificuldade na realização dos pagamentos, com base nos testes feitos nas fases anteriores. Com a inclusão e processamento desses boletos no sistema, a Nova Plataforma terá incorporado cerca de 3 bilhões de documentos – aproximadamente 75% do total emitido anualmente no país. Nas próximas fases, serão incorporados 1 bilhão de boletos de pagamento.

A Febraban lembra que a nova plataforma é resultado de uma exigência do Banco Central, com incorporação de dados obrigatórios, como CPF ou CNPJ do emissor, data de vencimento, valor, além do nome e número do CPF ou CNPJ do pagador

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-10/boletos-vencidos-ja-podem-ser-pagos-em-qualquer-banco

Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas registra candidatura a Deputada Federal por Goiás

A Economista Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas, filha da Cidade de Inhumas, foi aceita na convenção do Partido no dia 04/Ago/2018 onde foram indicados os nomes para a composição da chapa.

Ela registrou a candidatura para Deputada Federal por Goiás essa semana quando assinou toda a documentação necessária.

Muitas pessoas acompanharam todo o processo com grande alegria e declaração apoio a esta candidatura.

Continue lendo Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas registra candidatura a Deputada Federal por Goiás

PTC pretende lançar Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas para Deputada Federal

O Partido Trabalhista Cristão pretende lançar a economista Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas para Deputada Federal por Goias.

A economista é natural de Inhumas, cidade próxima à capital do Estado. Vem de uma família de empreendedores. Seu avô, Athayde Peixoto de Freitas foi um dos maiores construtores e colaboradores para o desenvolvimento da cidade. Inclusive, o primeiro Distrito Industrial da cidade levou o nome de seu avô, Athayde Peixoto de Freitas.

O PTC resolveu cogitar a economista como candidata devido ao destaque da mesma na área do empreendedorismo, nome novo na politica, boa aceitação e com histórico familiar tradicionalmente forte na luta pelo desenvolvimento econômico.

Ela é economista, professora universitária, com excelente grau de capacitação, consultora empresarial e escritora (dentre outros predicados de grande relevância).

O PTC espera lançar nomes de força e destaque, como o de Beatriz Iolanda Peixoto de Freitas, e com isso revolucionar essa nova política que está a chegar.

Depois de atuação do Banco Central, dólar recua para R$ 3,53

Depois que o Banco Central (BC) intensificou a venda de dólares no mercado futuro, a moeda norte-americana fechou em queda pela primeira vez em dois dias. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (3) vendido a R$ 3,531, com queda de R$ 0,019 (-0,52%).

A divisa oscilou bastante ao longo do dia, alternando momentos de alta e de queda. No fim da manhã, por volta das 12h, encostou em R$ 3,57, mas desacelerou durante a tarde até fechar em pequena queda.

Hoje, o Banco Central começou a atuar no mercado de câmbio acelerando a rolagem (renovação) de contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro, que venceriam em junho. A medida havia sido anunciada na noite de quarta-feira, após a moeda norte-americana fechar no maior nível em quase dois anos.

O desempenho do mercado de câmbio não se estendeu para a Bolsa de Valores. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou esta quinta-feira (3) com queda de 1,49%, aos 83.288 pontos. Esse foi o terceiro recuo seguido do indicador.

Anúncio do Fed

Ontem (2), o Fed manteve os juros básicos da maior economia do planeta em uma faixa entre 1,5% e 1,75% ao ano. Em comunicado, no entanto, a autoridade monetária norte-americana indicou que pode elevar a taxa na próxima reunião, em junho.

O fato de a inflação da maior economia do planeta estar em alta aumenta as possibilidades de que o Fed eleve os juros além do previsto. Taxas mais altas em economias avançadas atraem os investidores internacionais, que retiram o dinheiro de países emergentes, como o Brasil, pressionando para cima a cotação do dólar.

*Com informações da Agência EFE

Fonte: Ag Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/depois-de-atuacao-do-banco-central-dolar-recua-para-r-353

BC nega que cédulas carimbadas percam valor

O Banco Central esclareceu que as cédulas carimbadas com a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os dizeres “Lula livre” não perdem o valor, mas alertou que deverão ser repostas, o que implicará custo para o país.

Nas redes sociais e pelo WhatsApp, circularam diversas imagens de cédulas sendo carimbadas com a mensagem de apoio ao ex-presidente. Alguns vídeos mostram cédulas com mensagens escritas a mão.

Houve comerciantes que se recusaram a receber as notas carimbadas e fixaram avisos perto do caixa.

Mensagens com conteúdo falso foram amplamente divulgadas nas redes sociais. “Banco Central acaba de divulgar que a rede bancária está proibida de receber notas com carimbo ‘Lula Livre’. Se receberem tais notas, os bancos deverão chamar a polícia. O portador estará sujeito ao Artigo 163 do CP [Código Penal]”, dizia uma dessas mensagens, desmentidas pela instituição.

Em nota, o Banco Central (BC) esclareceu que, ao contrário do que foi divulgado, as notas não perdem o valor. “Cédulas com rabiscos, símbolos ou quaisquer marcas estranhas continuam com valor e podem ser trocadas ou depositadas na rede bancária. As notas descaracterizadas apresentadas na rede bancária serão recolhidas ao Banco Central para destruição”, diz o texto. A nota do BC informa ainda que o comércio não é obrigado a aceitar as notas, mas os bancos são.

O BC informa que as notas danificadas podem continuar circulando, porém lembra que a fabricação de novas cédulas e moedas gera custos para o país e que “sua reposição elevará ainda mais esse custo”.

Fonte: Agencia Brasil
Link: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-05/bc-nega-que-cedulas-carimbadas-percam-valor